Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/36743
Title: Territórios, recursos naturais e salinas. As técnicas tradicionais de produção de sal. O caso da Salina Municipal do Corredor da Cobra (Núcleo Museológico do Sal), Figueira da Foz
Authors: Quitério, Natália 
Orientador: Catarino, Helena
Pinto, Sónia
Keywords: Figueira da Foz; Núcleo Museológico do Sal; Sal; Salinas; Instrumentos de produção de sal; Etno-arqueologia
Issue Date: 26-Jan-2017
Keywords: Figueira da Foz; Núcleo Museológico do Sal; Sal; Salinas; Instrumentos de produção de sal; Etno-arqueologia
Issue Date: 26-Jan-2017
Abstract: O presente relatório é o resultado de um estágio realizado no Núcleo Museológico do Sal (dependência cultural do Museu Municipal Dr. Santos Rocha) inserido na Salina Municipal do Corredor da Cobra, na freguesia de Lavos (Figueira da Foz). Pretende-se apresentar o estudo dos instrumentos de produção de sal (que apesar de contemporâneos configuram protótipos que remontarão pelo menos ao período medieval), bem como a valorização turística e patrimonial das salinas, estudando-se o caso de sucesso do Núcleo Museológico do Sal. Directamente relacionado com o estudo dos instrumentos, apresentam-se os métodos e técnicas artesanais de produção de sal, bem como as infraestruturas onde esta se desenvolve. Neste sentido, analisam-se os vários compartimentos, canais de derivação de água e as divisórias que compõem as salinas, direccionando-se, a análise para a Salina Municipal do Corredor da Cobra. Para concretizar este estudo, realizou-se um pequeno trabalho de campo (etnográfico) culminando na recolha de alguns depoimentos de marnotos, no activo, no salgado da Figueira da Foz. De modo a corroborar a importância do sal em Portugal, bem como a antiguidade da sua exploração, expõem-se algumas fontes documentais, que atestam a presença de salinas desde período medieval, particularmente desde 929, data da primeira referência escrita conhecida até à data. O estudo do sal do ponto de vista da Arqueologia não é fácil, uma vez que esta actividade desenvolve-se em estruturas laboradas com materiais perecíveis, o que dificulta o registo arqueológico, pelo que na área em estudo não se conseguem datar as primitivas infra-estruturas salícolas devido à constante reutilização e laboração das mesmas. Todavia, em outras regiões portuguesas e espanholas, conhecem-se evidências de infra-estruturas salícolas (elaboradas com materiais mais resistentes) que remontam ao período medieval e sobretudo ao período romano. Para esta época, alude-se às fábricas de preparação de preparados piscícolas, relacionadas, claramente, com a produção de sal. Na Península Ibérica, o registo arqueológico da exploração de sal remete também para a Pré-História e Proto-História, embora a mesma ocorresse em “moldes” um pouco distintos como se demonstrará.
URI: http://hdl.handle.net/10316/36743
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Arqueologia - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Volume I.pdf3.04 MBAdobe PDFView/Open
Volume II - Anexos.pdf9.29 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

611
checked on Aug 19, 2019

Download(s) 5

2,791
checked on Aug 19, 2019

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons