Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/16153
Title: Risco cardiovascular global e condição física funcional: estudo numa população idosa
Authors: Graça, Mário Ilídio Godinho Ramos da 
Orientador: Martins, Raul
Keywords: Condiçao física; Doenças cardiovasculares; Idoso; Envelhecimento
Issue Date: 2005
Keywords: Condiçao física; Doenças cardiovasculares; Idoso; Envelhecimento
Issue Date: 2005
Abstract: Este trabalho tem por base verificar se existem relações e comparações entre variáveis da condição física funcional e factores de risco cardiovascular global em homens. Para a realização da pesquisa, foi seleccionada uma amostra constituída por 44 indivíduos, do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 65 e os 95 anos de idade, do Concelho de Arganil. Esta amostra foi dividida no género e em 3 subgrupos (65 – 74 anos; 75 – 84 anos; ≥ 85 anos). Recorremos à aplicação da bateria de testes Functional Fitness Test (adaptada de Rikli & Jones, 1999) para ajuizar os parâmetros que suportam a condição física funcional. Os resultados provenientes do presente estudo demonstram que relativamente ao grupo total de homens, não se registam quaisquer associações significativas entre os parâmetros da condição física funcional e os do risco cardiovascular global Contudo, chegamos a resultados estatisticamente significativos no subgrupo dos homens com idades entre os 65 e os 74 anos, no qual foram encontradas associações entre a força inferior e a glicemia e também entre a flexibilidade superior, V.A.E. e resistência aeróbia com o colesterol total. No subgrupo dos homens ≥ 85 anos foram encontradas associações entre a resistência aeróbia e a pressão arterial sistólica. Relativamente às comparações realizadas neste estudo, constatamos que existem diferenças entre o grupo com a circunferência da cintura menor ou igual que 102 cm e o grupo com a circunferência maior que 102 cm, nos parâmetros do IMC, força superior, colesterol total e resistência aeróbia. E posteriormente concluímos também que existem diferenças entre o grupo que andou mais de 400 metros e o grupo que andou menos de 400 metros, nos parâmetros do IMC, circunferência abdominal, colesterol total, força, V.A.E. e flexibilidade superior. Podemos concluir também que, estas diferenças nos grupos de comparação referidos anteriormente, com excepção da V.A.E. e flexibilidade, observam-se para factores de risco cardiovascular global.
Description: Dissertação de licenciatura apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/16153
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCDEF - Vários

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Capa.pdf21.66 kBAdobe PDFView/Open
Contra capa.pdf6.92 kBAdobe PDFView/Open
I. Introdução.pdf87.25 kBAdobe PDFView/Open
II. Revisão de Literatura.pdf232.01 kBAdobe PDFView/Open
III. Metodologia.pdf164.12 kBAdobe PDFView/Open
IV. Apresentação e Discussão dos Resultados.pdf249.27 kBAdobe PDFView/Open
V. Conclusões e Recomendações.pdf90.05 kBAdobe PDFView/Open
Protocolo Rikli e Jones.pdf159.95 kBAdobe PDFView/Open
VI. Bibliografia.pdf109.04 kBAdobe PDFView/Open
Indice.pdf140.03 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

172
checked on Aug 21, 2019

Download(s) 1

29,842
checked on Aug 21, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.