Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/13182
Title: Competência Percebida em Alunos com Síndroma de Down – Estudo Comparativo com Crianças do Pré-Escolar
Authors: Bruges, Vitória do Canto de Meneses Paim de 
Orientador: Ferreira, José Pedro Leitão
Campos, Maria João
Keywords: Síndrome de down; Populações especiais
Issue Date: 2006
Keywords: Síndrome de down; Populações especiais
Issue Date: 2006
Abstract: Apesar de cada vez mais se assistir há entrada de crianças com Síndroma de Down no ensino regular, as pesquisas sobre as autopercepções nesta população continuam muito reduzidas. No entanto, o papel fulcral que o autoconceito exerce no processo educativo tem vindo a ser reconhecido. Este estudo teve como objectivos avaliar a forma como as crianças com Síndroma de Down se percepcionam na competência académica e física, verificar se existem diferenças na percepção entre os géneros e comparar essas percepções com as de crianças do pré-escolar. Para realizar este estudo utilizámos a Escala Pictórica da Competência Percebida e Aceitação Social para Crianças com Paralisia Cerebral, adaptada para a realidade portuguesa por Corredeira (2001), da autoria de Vermeer & Veenhof (1997), baseada na Pictorial Scale of Perceived Competence and Social Acceptance for Young Children, de Harter & Pike (1984). A amostra foi constituída por 26 crianças e jovens com Síndroma de Down (10 rapazes e 16 raparigas) e por 30 crianças ditas normais (15 rapazes e 15 raparigas). Os indivíduos com Síndroma de Down possuem uma média de idades de 14,92 ± 1,90, e os indivíduos do pré-escolar possuem uma média de idades de 4,40 ± 0,50. Do grupo de indivíduos com Síndroma de Down, 8 frequentam o ensino regular, enquanto que os restantes frequentam delegações da Associação Portuguesa dos Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental. Todos os indivíduos da amostra obtiveram pontuações elevadas, percepcionando-se de forma bastante positiva. Relativamente às diferenças entre géneros, constatámos que não existem evidências estatísticas que nos permitam concluir que os rapazes se percepcionam de forma diferente das raparigas. No entanto, os rapazes possuem uma tendência para se percepcionarem de forma mais positiva do que as raparigas em ambas as competências. Relativamente à comparação entre os indivíduos com Síndroma de Down e os indivíduos ditos normais, aferimos que as raparigas com Síndroma de Down obtiveram médias de pontuações, na competência física, superiores às raparigas ditas normais, enquanto que para a competência académica não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas. Em contrapartida verificámos que não existem diferenças estatisticamente significativas entre as pontuações obtidas pelos rapazes com Síndroma de Down e pelos rapazes ditos normais. No que diz respeito às correlações entre todas as variáveis do presente estudo, constatámos que existem correlações entre a competência académica e a competência física e entre a condição (com ou sem Síndroma de Down) e a competência física
URI: http://hdl.handle.net/10316/13182
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCDEF - Vários

Files in This Item:
File Description SizeFormat
1- Introdução.pdf51.28 kBAdobe PDFView/Open
2 -Revisão de literatura.pdf188.14 kBAdobe PDFView/Open
3 - Metodologia.pdf85.35 kBAdobe PDFView/Open
4 - Apresentação dos resultados.pdf129.98 kBAdobe PDFView/Open
5 - Discussão dos resultados.pdf69.8 kBAdobe PDFView/Open
6 - Conclusões.pdf57.89 kBAdobe PDFView/Open
7 - Bibliografia.pdf69.51 kBAdobe PDFView/Open
Índice.pdf84.02 kBAdobe PDFView/Open
Agradecimentos.pdf36.91 kBAdobe PDFView/Open
Capa.pdf27.32 kBAdobe PDFView/Open
Anexos.pdf79.76 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

195
checked on Aug 21, 2019

Download(s) 5

2,333
checked on Aug 21, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.