Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/36811
Title: Avaliação do efeito da anfetamina num modelo experimental de movimentos mastigatórios não funcionais
Authors: Coutinho, Joana Maria Martins 
Orientador: Fonseca, Júlio André Ramalho da
Pereira, Frederico Guilherme de Sousa da Costa
Keywords: Anfetamina; Bruxismo; Stresse; Atrição Dentária; Cortisol; Creatina-Cinase
Issue Date: 2012
Keywords: Anfetamina; Bruxismo; Stresse; Atrição Dentária; Cortisol; Creatina-Cinase
Issue Date: 2012
Abstract: Introdução: Apesar de recentemente ter sido sugerida uma etiologia central para o bruxismo esta ainda não é consensual na comunidade científica. Foi sugerido que o consumo crónico de anfetamina produz bruxismo reforçando a hipótese da etiologia central. Objetivos: Avaliação da atrição dentária, dos movimentos mastigatórios não funcionais (MMNF), da concentração sérica da creatina cinase (CK, marcador de lesão muscular) e cortisol (hormona do stresse) e da evolução do peso corporal num novo modelo experimental de MMNF com anfetamina. Materiais e métodos: Foram utilizados 30 ratos Wistar machos com 9 semanas de idade, divididos em 3 grupos. O grupo I(GI; de controlo) não sofreu qualquer manipulação experimental, o Grupo II (GII) foi submetido a um protocolo de indução de stresse e injeção de soro fisiológico e o Grupo III (GIII) submetido a stresse e injeção de anfetamina segundo um protocolo de doses crescentes durante 14 dias. Com o objetivo de avaliar a influência do stresse na atrição incisal realizaram-se marcas dentárias nos incisivos centrais inferiores dos ratos. Foram também realizadas três colheitas sanguíneas nos dias 1, 7 e 14 (Análises 1, 2 e 3, respetivamente) de modo a avaliar as variações das concentrações séricas da CK e do cortisol. O comportamento dos animais, incluindo o MMNF, foi monitorizado ao longo do estudo. Resultados: A d-anfetamina potenciou o efeito do stresse no aumento do comportamento MMNF, e consequentemente, da atrição: GI (6.4±0.2mm), GII (6.8±0.3mm) e GIII (7.2±0.4mm). Enquanto que os animais do GII não aumentaram de peso, a anfetamina produziu uma diminuição do peso entre o dia 0 e o dia 14 no GIII (-21.3±16.4g). Relativamente a concentração sérica da CK, observou-se que o stresse produziu um aumento dos teores séricos desta enzima relativamente ao grupo controlo em função do tempo, atingindo o valor máximo ao 14º dia (análise 3): GI (1752.4 U/L), GII (2573.2 U/L) e GIII (3416.9 U/L). Os presentes resultados demonstram ainda que a anfetamina potencia a ação do stresse no aumento da CK sérica nos dias 7 e 14. Os valores do cortisol para os grupos GII e GIII são superiores ao GI (p<0.0001) nos 3 tempos medidos. No entanto, não há diferenças estatisticamente significativas entre os grupos GII e GIII. Conclusões: A anfetamina potencia o efeito do stresse no comportamento MMNF, na atrição e no aumento da CK mas sem expressão significativa no aumento do cortisol circulante sugerindo que a expressão de MMNF atenua a ativação do eixo hipófise-hipotálamo-suprarrenal.
Description: Trabalho final do 5º ano com vista à atribuição do grau de mestre no âmbito do ciclo de estudos de Mestrado Integrado em Medicina Dentária apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/36811
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Med. Dentária - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
tese de mestrado JoanaCoutinho.pdftese de mestrado JoanaCoutinho2.55 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

150
checked on Aug 19, 2019

Download(s) 50

217
checked on Aug 19, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.