Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/27610
Title: Nada sobre mim! : a insubordinação da pessoa na democracia moderna
Authors: Rodrigues, Clayton Emanuel 
Orientador: Ferreira, Virgínia
Keywords: Democracia; Protestos no Brasil e na Grécia; Novos movimentos sociais; Revolução tecnológica; Estado; Racionalismo
Issue Date: 17-Sep-2014
Publisher: FEUC
Citation: Rodrigues, Clayton Emanuel - Nada sobre mim! : a insubordinação da pessoa na democracia moderna, Coimbra, 2014.
Abstract: Recentemente o mundo foi surpreendido com mobilizações em diferentes países, apresentando diferentes reivindicações, com diversos formatos de manifestações, tendo, como ponto comum, formas de divulgação, utilização de rede computacional, contatos e organizações descentralizadas. As perspectivas de análise dos protestos sociais que utilizam categorias coletivas articuladas com a ideia de cidadania parecem não dar conta da complexidade das novas cenas e das novas formas de protestos, porque se articulam com a formação social do Leviatã, cujas bases filosóficas e metafísicas ergueram o Estado moderno, os conceitos de autonomia, hierarquia, produção e desenvolvimento, oriundos das organizações fabris e comerciais, quer dizer, do liberalismo político burguês. Propusemo-nos a analisar as mudanças sociais e potenciais transformações diante do impacto das novas tecnologias na base teórica e prática que construiu o sujeito abstrato em que se fundou o Estado e, por conseguinte, suas implicações teóricas e metodológicas na teoria social. Assim, a partir do questionamento das teorias que sustentam o Estado e a cidadania, elabora-se a categoria central de análise desta dissertação: a pessoa realmente existente na democracia moderna, nos movimentos sociais e o papel das novas tecnologias comunicativas em suas interfaces com as emancipações sociais. No percurso de elaboração da análise dos novos movimentos sociais notamos que o sistema capitalista implicou em uma mudança no conceito de ação, que saiu do campo da pessoa que age, para o campo das organizações que agem em seu nome e nas quais é preciso estar, associar-se para agir. Tal fórmula é questionada pelos novos protestos sociais. Tais discussões foram desencarnadas das mudanças operadas na ação concreta das pessoas realmente existentes e suas formas de agrupamentos, normalmente vinculadas às possibilidades reais e às tecnologias que permitem, facilitam ou dificultam a ação, o entendimento e a partilha de informações, lutas, conceitos, conteúdo e, por fim, dos códigos culturais dos dominantes. Nosso objetivo, portanto, é analisar essas mudanças, enquanto conflitos, questionando os métodos atualmente utilizados para analisá-los. Focalizamos o ressurgir do fazer específico da pessoa realmente existente nos novos protestos sociais - particularmente nas revoltas de junho de 2012, no Brasil, e a revolta grega de 2008. Utilizando as novas tecnologias tornaram-se não comutáveis por médias, quebraram os filtros sociais, o hermetismo dos campos e das abstrações inventadas no processo de representacionismo da vida e apassivação da pessoa realmente existente. Tal obrigou-nos não somente a novas inflexões metodológicas, como uma revisão dos conceitos que relegaram o indivíduo realmente existente a uma abstração formal no Estado moderno, o Leviatã e o seu cidadão constitucional. Questionamos o foco analítico em coletivos formais, e concluímos, provisoriamente, que os conceitos de sociabilidade, de produção e transmissão de cultura, voltados para uma noção de Estado e democracia como herança iluminista e capitalista estão em crise, talvez uma crise de morte. Outra importante conclusão foi que os novos protestos, ao se contraporem às organizações tradicionais, substituíram o formato associativo institucionalizado pela forma “adesiva” das redes sociais, mais adequadas às tecnologias comunicativas e aos novos tipos de relacionamentos entre pessoas e grupos, sem hierarquia e sem centro decisório, ao mesmo tempo não permanente, flexível e dependente da vontade individual de adesão, indicando outras maneiras e métodos de olhar a emancipação social, as sociabilidades, o fazer pessoal e as transformações sociais, antes capitaneadas por entidades formais e abstratas, próprias do capitalismo e da democracia iluminista.
Description: Dissertação de mestrado em Democracia e Governação - Roads to Democracy(ies), apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob a orientação de Virgínia Ferreira.
URI: http://hdl.handle.net/10316/27610
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
CLAYTON RODRIGUES versão final 4 set.pdf1.43 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

623
checked on Jan 15, 2020

Download(s) 50

232
checked on Jan 15, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.