Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/22442
Title: As acções ofensivas que resultam em golo : análise de variáveis associadas à eficácia da fase ofensiva na 1ª liga na época desportiva 2010-2011
Authors: Fonseca, João Nuno Raposo de Abreu 
Orientador: Silva, Manuel Coelho e
Figueiredo, António José Barata
Keywords: Futebol
Issue Date: 2012
Abstract: Objectivo: O presente trabalho pretende de forma prática e objectiva analisar os momentos que antecedem o golo, desde o momento em que a equipa recupera a bola até finalizar na baliza adversária. Metodologia: Foram observados 240 jogos da Liga Zon Sagres, onde surgiram 584 golos, marcados ao longo de 30 jornadas que completam a 1ª Liga Portuguesa de Futebol Profissional. A amostra foi constituída por 16 equipas, da denominada Liga Zon Sagres - FCPorto, Benfica, Sporting, SCBraga, V.Guimarães, Nacional, P.Ferreira, Rio Ave, Marítimo, UDLeiria, Olhanense, V.Setúbal, Beira-Mar, Académica-OAF, Portimonense e Naval 1º de Maio. A análise dos golos teve por base a metodologia observacional que considerou o início da posse de bola, quando se verifica uma recuperação da bola, de forma direta ou indireta, e o portador: 1) realiza pelo menos três contactos consecutivos com a bola; 2) executa um passe positivo permite manter a posse de bola). A manutenção/desenvolvimento da posse de bola é o momento onde há conservação da bola com progressão para a baliza adversária. A finalização do processo ofensivo, culmina com o golo através de um remate ou cabeceamento. As variáveis observadas foram numa parte do estudo divididas nas seis primeiras equipas classificadas (G1) e nas seis últimas classificadas (G2). Na outra parte do estudo foram utilizadas as variáveis consoante o resultado aquando o golo, ou seja, estando a perder, empatado ou a ganhar. Resultados: Da análise dos golos, verificou-se que a média de tempo entre a recuperação e o golo é de 13,94 segundos e o nº de bolas jogadas (passes) é de 4,58 passes. Verificaram-se mais golos marcados sob a forma de bola parada do que em bola corrida, com uma predominância de utilização de 2 corredores (60,8%). O Sector Defensivo surge como sendo o sector onde se recuperam mais bolas, havendo uma predominância da zona central como sendo mais propícia para a recuperação de bolas. O Sector Ofensivo, com predominância clara da zona central, surge como o sector onde é feito o último passe antes do golo, assim como o sector onde se marcam mais golos. Os períodos onde ocorrem maior número de golos, é |16- 30|, havendo uma maior tendência para os golos serem marcados na segunda parte do jogo. Em 70,2% das situações não houveram situações de um para um antes do golo, sendo que 80,3% (469 golos) das execuções do golo foram efectuadas com o pé sob a forma de remate. Conclusões: O presente estudo, permite dar uma visão global de que o momento que antecede o golo tem em média, em Portugal, cerca de 5 passes até ser golo e que o tempo médio é de aproximadamente 14 segundos. Verificamos que o padrão de golo em Portugal é a procura imediata de uma situação de finalização, sob a forma de transição.
Description: Dissertação de mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens, apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/22442
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCDEF - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Msc_JFonseca FINAL.pdf5.19 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

375
checked on Jun 9, 2021

Download(s) 50

414
checked on Jun 9, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.