Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/15460
Title: Maturação e desempenho maximal numa prova de curta duração em cicloergómetro: Estudo em hoquistas masculinos sub-17
Authors: Marques, Marco Alexandre Fernandes 
Orientador: Silva, Manuel João Coelho e
Vaz, Vasco
Keywords: Hóquei em patins; Jovens hoquistas; Antropometria; Maturação; Teste Wingate; Composição corporal
Issue Date: 2010
Keywords: Hóquei em patins; Jovens hoquistas; Antropometria; Maturação; Teste Wingate; Composição corporal
Issue Date: 2010
Abstract: Objectivo: Determinar o efeito da variação associada à maturação numa prova maximal de curta duração em cicloergómetro em hoquistas de 14-16 anos de idade. Metodologia: Foram observados 122 jovens hoquistas do sexo masculino, todos pertencentes ao escalão etário de 14-16 anos a competir nos campeonatos distritais e nacionais no escalão de Juvenis. Consideraram-se variáveis morfológicas (Estatura, massa corporal, massa muscular absoluta, massa esquelética absoluta, massa gorda absoluta, massa muscular relativa, massa esquelética relativa, massa gorda relativa e índice de androginia), indicadores de maturação (maturação sexual). A determinação do desempenho numa prova maximal de curta duração realizada em laboratório através do teste Wingate. A análise de dados considerou a estatística descritiva. Foi testado efeito da maturação sexual através da ANOVA e ANCOVA. Recorreu-se à correlação de Pearson para estudar a associação entre os outputs de aptidão anaeróbia e os indicadores de morfologia externa. O nível de significância foi mantido em 5%. Resultados: A distribuição da amostra por estádios de pilosidade púbica enquadra 96% dos hoquistas nos estádios PH4 (n=58) e PH5 (n=59). A análise da variância para testar o efeito da maturação sobre as medidas morfológicas verificou-se um efeito significativo sobre as seguintes variáveis dependentes: estatura (F(2,118)=6,579 p<0.00 ²=0.10), massa corporal (F(2,118)=7.840, p<0.00, ²=0.12), índice de androginia (F(2,118)=9,468 p<0.00, ²=0.13), massa muscular em valores absolutos (F(2,118)=5,369 p<0.00, ²=0.08), percentagem de massa muscular (F(2,118)=10.429, p<0.00, ²=0.15) e massa esquelética expressa em kg (F(2,118)=3.148, p<0.05, ²=0.05. Na prova laboratorial de potência anaeróbia foram encontrados resultados igualmente significativos: APP (F(2,118)=26.340, p<0.01, ²=0.31, expressando os resultados em watts; F(2,118)=13.243, p<0.01, ²=0.18, quando os resultados são expressos por unidade de massa corporal), AMP (watts: F(2,118)=26.352, p<0.01, ²=0.31; watts.kg-1: F(2,118)=13.680, p<0.00, ²=0.19) e índice de fadiga (F(2,118)= 6.819, p<0.05, ²=0.10). Conclusões: O desempenho anaeróbio parece ser influenciado pelo estado de maturação. A massa corporal e o índice de androginia são as variáveis que mais contribuem para explicar o desempenho anaeróbio.
Description: Dissertação de mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens (Ciências do Desporto), apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/15460
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCDEF - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
MARCO ALEXANDRE FERNANDES MARQUES-01-11-2010 ( final2).pdf2.01 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

156
checked on Aug 19, 2019

Download(s) 50

171
checked on Aug 19, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.