Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/13184
Title: O Abandono da Prática Desportiva na Modalidade de Futebol: Um Estudo no Escalão de Infantis
Authors: Neves, Saúl João Moreira Marques das 
Orientador: Silva, Manuel João Coelho e
Figueiredo, António
Keywords: Abandono desportivo; Prática desportiva; Futebol
Issue Date: 2006
Abstract: O presente estudo tem como objectivo a definição do perfil maturacional, somático, técnico e de desempenho físico dos atletas que abandonaram a prática do futebol, assim como a verificação dos motivos invocados para o abandono da prática do futebol dos mesmos. A amostra é constituída por 87 jovens futebolistas do sexo masculino, sendo que 24 abandonaram a prática desportiva e 63 se mantiveram no grupo de treino. A amostra relativa à análise dos motivos invocados para o abandono da prática de futebol é de 12 sujeitos. As medidas somáticas analisadas incluíram a altura, o peso, os perímetros, os diâmetros e pregas de adiposidade subcutânea. As provas físicas consistiram na realização de uma prova de agilidade – 10x5m, do salto vertical máximo a partir de uma posição estática (SE), do salto vertical máximo com contramovimento (SCM), dos 7 sprints e do yo-yo. As habilidades específicas da modalidade de futebol foram avaliadas através de toques com o pé; do M-test; do passe à parede e do remate. Para obtermos os dados relativos ao estado de maturação, os atletas em questão realizaram um raio-X ao pulso, de forma a determinarmos a idade óssea. O questionário aplicado foi o questionário de abandono da prática desportiva, elaborado por Gill et al. (1981) e Gould et al. (1982) e adaptado por Cruz et al. (1988; 1995). Os procedimentos estatísticos incluíram a média aritmética, desvio-padrão e t-teste de medidas independentes. Não existem diferenças estatisticamente significativas entre as características maturacionais dos atletas que não abandonaram e as dos ex-atletas, apesar da ligeira superioridade constatada no grupo de treino. A análise das características antropométricas mostra que apenas existem diferenças significativas no somatótipo, mais especificamente no ectomorfismo, entre os atletas do grupo de treino e os ex-atletas. Existem diferenças estatisticamente significativas nas provas físicas entre os atletas que não abandonaram e as dos ex-atletas, a favor do grupo de treino, com excepção para o SE e o SCM. Da mesma forma, e exceptuando o remate, existem diferenças significativas entre os dois grupos nas restantes habilidades específicas da modalidade, onde os resultados dos atletas que não abandonaram foram novamente superiores. De realçar as médias dos 5 motivos mais invocados. Neste sentido, o item mais apontado foi o 20 (“Tive que dar prioridade aos estudos”) com uma média de 3.25; em seguida foi o item 1 “Não tinha tempo disponível”) com média igual a 2.75; em terceiro lugar ficou o item 10 (“Interessei-me por outra modalidade desportiva”) com uma média de 2.50; em quarto lugar temos o item 9 (“Não me davam oportunidades para jogar”) com média igual a 2.50; e finalmente, o item 25 (“Não era convocado para os jogos ou provas”) com uma média de 2.33
Description: Disponível em suporte de papel na Biblioteca FCDEF/UC
URI: http://hdl.handle.net/10316/13184
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FCDEF - Vários

Files in This Item:
File Description SizeFormat
ÍNDICE GERAl.pdf34.57 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

517
checked on Dec 10, 2019

Download(s)

151
checked on Dec 10, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.