Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/87497
Title: Mundo funerário romano sob o prisma da cremação: análise antropológica de amostras alto-imperiais da Lusitânia
Authors: Silva, Filipa Alexandra Vaz Cortesão e
Orientador: Santos, Ana Luísa
Keywords: Ossos cremados; Cremated bones; Augusta Emerita; Salacia; Perfil biológico; Biologic profile; Paleopatologia; Paleopatologia; Tafonomia; Taphonomy
Issue Date: 18-Jul-2019
Project: SFRH/BD/31943/2006 
Abstract: A descoberta de áreas funerárias pertencentes à província romana da Lusitania tem suscitado estudos centrados nas caraterísticas das sepulturas e do espólio que as integra. A nível antropológico a análise tende a restringir-se às inumações, não abarcando os restos ósseos cremados, conquanto estes últimos representem a maioria dos enterramentos datados entre os séculos I e II d.C. Face a esta realidade, o presente trabalho tem como propósito colmatar lacunas nos conhecimentos sobre o mundo funerário romano sob o prisma da cremação na Lusitania. Para tal, procedeu-se ao exame de espólio osteológico de áreas funerárias associadas a duas importantes cidades, nomeadamente, da zona sul de Augusta Emerita, a capital da província, correspondente à atual cidade de Mérida, Espanha, assim como da necrópole da Azinhaga do Senhor dos Mártires, localizada na parte oeste/noroeste de Salacia, em Alcácer do Sal, Portugal. Da primeira foram estudadas 60 sepulturas de cremação dos séculos I a II d.C., enquanto a segunda integrou 74 enterramentos de cremação coevos, sendo que 57 corresponderiam a sepulturas e os remanescentes 17 a depósitos de natureza diversa e/ou indeterminada, onde se inclui uma possível área de cremação. Os vestígios ósseos e dentários foram sujeitos a análise macroscópica, radiológica e métrica a fim de reunir informações mormente sobre o perfil biológico dos indivíduos e eventuais indícios de patologias, mas também acerca do processo de cremação e de gestos funerários associados. A amostra emeritense integra um mínimo de 67 indivíduos, ao passo que, na salaciense figuram, pelo menos, 65 associados a sepulturas de cremação, um deles não cremado. Os outros depósitos de Salacia possibilitaram discernir 22 indivíduos, caso os vestígios ósseos pertencessem a sujeitos distintos. Ao nível das sepulturas, o estudo dos depósitos ósseos emeritenses permitiu identificar 11 não adultos, 44 adultos (10 homens, 9 mulheres e 25 de sexo indeterminado), sendo os restantes 11 de grupo etário indeterminado, enquanto nos salacienses residem 14 não adultos, 40 adultos (9 homens, 12 mulheres e 19 indeterminados) e 11 indeterminados. Nestas duas séries as lesões mais notadas dizem respeito à perda de dentes ante mortem e à doença periodontal, bem como a sinais de patologia degenerativa vertebral, seguidos pela patologia traumática. Destaquem-se ainda os indícios de patologia infeciosa, de neoplasias, de hiperostose porótica e de hiperostose idiopática difusa assinalados em depósitos salacienses assim como de hiperostosis frontalis interna num indivíduo emeritense. Em termos do rito de cremação, salvo um caso referente a Salacia, não foram detetados indivíduos menores de seis meses, em conformidade com os costumes da época. Aproximadamente metade dos indivíduos destas séries foi alvo de cremações incompletas, ainda que a de Salacia, denuncie, na esfera dos depósitos individuais, combustões mais eficientes do que as de Augusta Emerita. Não foram registadas diferenças significativas por grupo etário e por sexo relacionadas com o grau de combustão, conquanto este se tenha revelado inferior em indivíduos masculinos. Outros sinais de fogo como sejam a deformação e as distintas fraturas térmicas foram, de igual modo, mais expressivos em Salacia. Por outro lado, os depósitos emeritenses revelaram, regra geral, maiores pesos médios e menor fragmentação, ainda que o tamanho médio do maior fragmento fosse superior nos salacienses. O teor com que estão representadas as distintas regiões anatómicas na maioria dos depósitos de adultos emeritenses e salacienses afigura-se, por norma, abaixo dos valores de referência de crematórios atuais, sobretudo ao nível do tronco, seguido pelos membros. Já o crânio encontra-se em mais de três quartos dos depósitos salacienses dentro ou acima destes valores, circunstância que só ocorre em cerca de metade dos emeritenses. Os indícios recolhidos em termos de coloração óssea, assim como as elevadas percentagens de deformação e de fraturas transversais encurvadas sugerem que a maioria dos indivíduos destes dois sítios seria cremado na fase de cadáver, isto é, pouco tempo após o óbito, sendo que a recolha óssea da pira, no caso dos enterramentos secundários, far-se-ia de forma exaustiva. Já a análise conjunta das caraterísticas das sepulturas e do perfil biológico dos indivíduos (idade e sexo) das duas amostras apenas revelou diferenças significativas no tratamento funerário dado aos infantes I (um a seis anos) emeritenses que tendiam a figurar em enterramentos secundários em urna, ao contrário dos adultos que costumavam ser alvo de enterramentos primários em fossa. No caso de Salacia quase todos os indivíduos da amostra integravam sepulturas secundárias em urna. Através da análise antropológica de enterramentos de cremação de duas áreas funerárias com caraterísticas distintas, designadamente, da capital, a colónia Augusta Emerita, e de Salacia, entreposto comercial com povoamento pré-romano, foi possível incrementar os conhecimentos existentes sobre esta prática funerária em duas das mais importantes urbes da Lusitania.
The discovery of funerary areas belonging to Lusitania Roman province has led to studies focusing on the characteristics of burials and their accompanying grave goods. From an anthropological viewpoint, analysis tends to be confined to inhumations and does not include cremation burials, although the latter represent most of the burials dated between the first and second centuries AD. Taking this into account, the present work aims to deepen the understanding of cremation funerary practices in Lusitania. In order to do so, cremated bone remains from funerary areas associated with two important cities, namely, the southern zone of Augusta Emerita, the capital of the province corresponding to the current city of Mérida in Spain, as well as the necropolis Azinhaga do Senhor dos Mártires, in the west/northwest of Salacia, in Alcácer do Sal, Portugal were examined. On the first one, 60 cremation graves were studied, dated from the first to the second century AD, while the second comprised 74 coeval cremation burials, of which 57 would correspond to graves and the remaining 17 to deposits of diverse and/or undetermined nature, including a possible cremation area. The cremated bones and teeth were subjected to macroscopic, radiological and metric analysis in order to gather information about the biological profile of individuals and signs of disease, but also about the cremation process and funerary practices involved. The sample from Augusta Emerita includes a minimum of 67 individuals, while on the one from Salacia there are at least 65 on cremation graves, one of them not cremated. The other cremation deposits of Salacia allowed to distinguish 22 individuals, if the bone remains belonged to different individuals. The study of bone deposits on the graves from Augusta Emerita allowed to identify 11 non-adults, 44 adults (10 men, 9 women and 25 of undetermined sex), the remaining 11 being of an undetermined age group, while in the Salacia graves there were 14 nonadults, 40 adults (9 men, 12 women and 19 undetermined) and 11 of an undetermined age group. In these two series, the lesions most observed are ante mortem tooth loss and periodontal disease, as well as signs of degenerative vertebral pathology, followed by traumatic pathology. In addition, signs of infectious pathology, neoplasms, porotic hyperostosis and diffuse idiopathic hyperostosis were identified on individuals from Salacia, as well as hyperostosis frontalis interna on one individual from Augusta Emerita. Regarding cremation ritual, except a case referring to Salacia, no individuals under six months were detected, in accordance with the customs at the time. Approximately half of the individuals in these locations were subjected to incomplete cremations, although individual deposits in Salacia show more efficient combustions than those in Augusta Emerita. Concerning the burning degree there were no significant differences by age group and sex, although it was lower in males. Other fire signals such as deformation and heat-related fractures were also more significant in Salacia. On the other hand, the deposits from Augusta Emerita presented, in general, bigger average weights and less fragmentation, although the average size of the biggest fragment was superior in those from Salacia. The representativeness of the distinct anatomical regions on most of the adult burials from Augusta Emerita and Salacia usually stands below the reference values achieved on modern crematories, especially on the trunk, followed by the members. The skull, on the other hand, is inside or above those values on more than three quarters of the burials from Salacia and on, approximately, half of the adult burials from Augusta Emerita. The bone color, as well as the high percentage of deformation and curved transverse fractures suggest that most individuals studied from those two sites would be cremated in the cadaver phase, which means shortly after death, and the bone collection from the pyre on secondary burials was exhaustive. On the other hand, the co-analysis of the characteristics of the graves and the biological profile of individuals (age and sex) of the two samples only revealed significant differences in the funerary treatment given to infants I (one to six years old) from Augusta Emerita, who tended to be in secondary urn burials, unlike the adults who usually were put on pit primary burials. In the case of Salacia, almost all individuals of the sample integrated secondary urn burials. Through the anthropological analysis of cremation burials of two Roman funerary areas with distinct characteristics, namely, the capital, Augusta Emerita, and Salacia, a commercial emporium with pre-Roman settlement, it was possible to increase the understanding about this funerary practice in two of the most important cities of Lusitania.
Description: Tese de Doutoramento em Antropologia, na especialidade de Antropologia Biológica, apresentada ao Departamento de Ciências da Vida da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/87497
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCTUC Ciências da Vida - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Mundo funerário romano sob o prisma da cremação.pdf20.03 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

46
checked on Nov 13, 2019

Download(s)

30
checked on Nov 13, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.