Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/86529
Title: Vinculação, psicopatia e personalidade
Other Titles: Attachment, psychopathy and personality
Authors: Torres, Liliana Catarina Alves 
Orientador: Paixão, Rui Alexandre Paquete
Keywords: psicopatia; vinculação do adulto; cinco fatores; personalidade; psychopathy; adult attachment; five factors; personality
Issue Date: 22-Feb-2019
Serial title, monograph or event: Vinculação, psicopatia e personalidade
Place of publication or event: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra
Abstract: A maioria da investigação que se encontra sobre a psicopatia diz respeito à etiologia do construto, com o objetivo de tornar a sua definição mais robusta (Hare, 2003; Patrick, Fowles & Krueger, 2009). Parece constante na literatura que a psicopatia é multideterminada, constituída por vários fatores biopsicossociais, tais como influências genéticas (Bezdjian et al., 2011; Viding et al., 2008), fatores ambientais e emocionais (Christian et al., 2016, 2018; Fisher & Brown, 2018; Gao et al., 2010) e facetas da personalidade dita normal (Miller et al., 2001; Vachon et al., 2013). Contudo, os resultados da investigação parecem não ser claros e, por vezes, até se mostram contraditórios acerca dos fenómenos que melhor predizem a psicopatia (Berg et al., 2013). Os traços psicopáticos não são exclusivos das populações clínicas e forenses, sendo por isso importante aceder à sua presença na comunidade (Hare, 2003; Reidy et al., 2015). Nesse seguimento, o objetivo principal deste estudo é perceber em que medida a vinculação e os diversos fatores da personalidade podem influenciar a manifestação de traços psicopáticos nos adultos da população geral. A vinculação insegura tem vindo a ser relacionada com psicopatologia nas suas mais diversas formas (e.g. Bakermans-kranenburg & van IJzendorn, 2009; Lyddon & Sherry, 2001), tendo também evidências da sua influência na psicopatia (Conradi et al., 2015; Mack, Hackney & Pyle, 2011). Por outro lado, a questão da personalidade manifesta-se relacionada com a psicopatia desde as teorias mais clássicas (e.g. Cleckley, 1988; Kraepelin, 1905), até às concetualizações atuais (e.g. Hare & Neumann, 2008), especialmente relacionadas com os cinco grandes fatores fundamentais da teoria dos traços (e.g. Miller & Lynam, 2015). Para concretizar o estudo dessa relação, foram utilizados os seguintes instrumentos de autorresposta: Experiências nas Relações Próximas (ECR), Escala de Vinculação do Adulto (EVA), ambas medidas da vinculação; a Escala de Autoavaliação de Psicopatia (SRP-III), constituindo a medida da psicopatia; e o Inventário dos Cinco Fatores NEO (NEO-FFI), relativamente à personalidade. O protocolo foi colocado online para tornar a amostra aleatória relativamente ao sexo e à idade, duas variáveis que parecem relevantes e influentes na psicopatia (Dolan & Völm, 2009; Gill & Crino, 2012; Wernke & Huss, 2008). Resumidamente, os resultados indicam que as dimensões da vinculação, num modo geral, têm relações pouco intensas com o construto da psicopatia, sendo a personalidade mais determinante, pois assume associações mais detalhadas relativamente aos traços psicopáticos. Além disso, nota-se a influência da variável sexo na interação das dimensões e fatores em relação à psicopatia. No entanto, este estudo apresenta algumas limitações, como por exemplo a anormal distribuição dos sujeitos pela idade e sexo, pelo que se recomenda a consideração de critérios para que seja possível a homogeneidade dos grupos do estudo em investigações futuras.
Most of the psychopathy research has been concerned about the etiology of the construct, in order to make its definition more robust (Hare, 2003; Patrick, Fowels & Krueger, 2009). It seems consistent in the literature that psychopathy is multidetermined, constituted by several biopsychosocial factors, such as genetic determinants (Bezdjian et al., 2011; Viding et al., 2008), environmental and emotional factors (Christian et al., 2016, 2018; Fisher & Brown, 2018; Gao et al., 2010), and facets of normal personality (Miller et al., 2001; Vachon et al., 2013). However, the results of the research seem to be unclear and sometimes even contradictory about the phenomena that best predicts psychopathy (Berg et al., 2013). Psychopathic traits are not exclusive to clinical and forensic populations, and it is therefore important to access their presence in the community (Hare, 2003; Reidy et al., 2015).In this regard, the main issue of this study is to understand to what extent attachment and the various personality factors can influence the expression of psychopathic traits in adults of the general population. Insecure attachment as long been associated with the several forms of psychopathology (Bakermans-kranenburg & van IJzendorn, 2009; Lyddon & Sherry, 2001), as well as evidence of its influence on psychopathy (Conradi et al., 2015; Mack, Hackney & Pyle, 2011). On the other hand, the question of personality reveals itself in relation to psychopathy from the most classical theories (e.g. Cleckley, 1988; Kraepelin, 1905) to the present-day approaches (e.g. Hare & Neumann, 2008), specially related to the big five fundamental factors of trait theory (e.g. Miller & Lynam, 2015).In order to carry out the study of this relationship, we used the following self-response instruments: Experiences in Close Relationships (ECR); Adult Attachment Scale (AAS), both measures of attachment; the Self-Report Psyhopathy Scale (SRP-III), constituting the measure of psychopathy; and the NEO Five Factor Inventory (NEO-FFI), related to personality. The protocol of this study was put online to make the sample random about sex and age, two variables that seems to be relevant and to influence psychopathy (Dolan & Völm, 2009; Gill & Crino, 2012; Wernke & Huss, 2008).In brief, the results show that the dimensions of attachment, in a general way, have weak relations with the construct of psychopathy, demonstrating that the personality factors are more determinant, because it assumes more detailed associations regarding the psychopathic traits. In addition, it is noted an influence of the gender variable on the interaction of the dimensions and factors in relation to psychopathy. However, this study presents some limitations, such as the abnormal distribution of the subjects by age and sex, so it is recommended to consider criteria for homogeneity of the groups under study in following investigations.
Description: Dissertação de Mestrado Integrado em Psicologia apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
URI: http://hdl.handle.net/10316/86529
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Dissertação MIP - Vinculação, Psicopatia e Personalidade - Liliana Torres.pdf1.09 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

316
checked on Jan 15, 2020

Download(s)

294
checked on Jan 15, 2020

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons