Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/86095
Title: Dieta nutrição e artrite reumatóide
Authors: Miranda, Patrícia Sofia Ferreira 
Orientador: Santos, Fernando José Lopes dos
Keywords: Artrite reumatóide; Dieta; Nutrição
Issue Date: Mar-2012
Abstract: A artrite reumatóide é uma doença auto imune, sistémica e idiopática, com envolvimento predominantemente articular, não descurando, no entanto, as repercussões, embora mais tardias, em múltiplos órgãos e sistemas extra-articulares, como é o caso da doença cardiovascular e a osteoporose. A caquexia reumatóide, condição traduzida por uma perda significativa da massa corporal, tende a surgir nos estádios avançados da doença, sendo também uma importante causa do aumento da morbi e mortalidade a ela associadas que merece especial destaque. Sendo a artrite reumatóide uma doença inflamatória crónica, o seu curso poderá ser influenciado por determinados nutrientes que, dotados de propriedades anti-inflamatórias, interferem nos mecanismos bioquímicos inerentes à fisiopatologia da doença. Múltiplos estudos têm revelado o benefício de determinados regimes dietéticos neste contexto. Como exemplo, refira-se a experiência realizada a 66 doentes com artrite reumatóide activa, submetidos a uma dieta vegetariana por um período de um ano. Registou-se uma significativa melhoria clínica, bem como uma redução dos marcadores inflamatórios, dos anticorpos antigliadina e anti-β-lactoglobulina. É indiscutível o valor terapêutico de intervenções de cariz dietético na clínica da artrite reumatóide. Os ácidos gordos ómega 3 têm revelado um impacto positivo na melhoria dos sintomas, bem como na redução da dose dos fármacos usados na terapêutica desta patologia. Nutrientes como a vitamina D também se têm mostrado eficazes na modulação do processo inflamatório que caracteriza a artrite reumatóide, podendo ser utilizados com segurança como terapêutica adjuvante da farmacoterapia. Outros elementos, tais como anti-oxidantes, vitaminas e sais minerais têm proporcionado resultados controversos, pelo que carecem de mais estudos para apurar o seu benefício clínico. Há ainda a destacar a importância do exercício físico, parte integrante de qualquer plano nutricional, na minimização das consequências nefastas resultantes da progressão da doença. Com este trabalho pretende-se demonstrar o contributo da intervenção nutricional na clínica da artrite reumatóide, bem como na minimização dos efeitos adversos decorrentes da farmacoterapia, avaliando assim o seu potencial terapêutico. Foi realizada uma revisão pormenorizada com base na literatura recente e disponível nas bases de dados da PubMed, Science Direct e b-On, utilizando as seguintes palavras-chave: artrite reumatóide, dieta, nutrição, caquexia reumatóide, inflamação e mecanismos bioquímicos.
Rheumatoid arthritis is an idiopathic, systemic, auto-immune disorder, affecting predominantly the articulations. It may also affect, lately, multiple extra-articular organs and systems leading to e.g. cardiovascular disease and osteoporosis. It is worth highlighting rheumatoid cachexia. It is a condition marked by severe weight loss and usually occurs in later stages of the disease being a major cause of the increased morbidity and mortality. Since rheumatoid arthritis is a chronic inflammatory disease, some nutrients with anti-inflammatory properties may interfere with the disease pathophysiological biochemical processes and alter its progression. A large number of studies have shown the beneficial effects of some diets in this context. An example is one study involving 66 patients with active rheumatoid arthritis. In this study patients were subjected to a vegetarian diet during a year. A significant clinical improvement was observed, as well as reduced levels of inflammatory markers, antigliadin and anti-β-lactoglobulin antibodies. Dietary interventions in the clinical practice of rheumatoid arthritis have a positive therapeutic value. Omega-3 fatty acids have been shown to ameliorate disease symptoms, as well as to contribute to the reduction of drug dosing used to treat this pathology. Nutrients such as vitamin D have also been found to effectively modulate the inflammatory process which characterizes rheumatoid arthritis. They can be safely used as adjuvant therapy to pharmacotherapy. However, reports including some vitamins, anti-oxidants, and minerals have yielded controversial data. Additional studies are required to evaluate its putative beneficial clinical effect. Furthermore, it is important to highlight the contribution of physical exercise to the success of any dietary therapy. It helps attenuating the adverse effects of disease progression. This work intends to review the contribution of nutritional intervention in the clinical practice of rheumatoid arthritis. The therapeutic potential of nutrition in the attenuation of the adverse effects of pharmacotherapy is also evaluated. A detailed review of recent literature available in PubMed, Science Direct, and b-On databases was performed. The following keywords were used: rheumatoid arthritis, diet, nutrition, rheumatoid cachexia, inflammation, and biochemical mechanisms.
Description: Trabalho final de mestrado integrado em Medicina área científica de Nutrição, apresentado á Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/86095
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Trabalho Final.pdf1.12 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

646
checked on Jun 15, 2021

Download(s) 20

1,429
checked on Jun 15, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.