Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/81848
Title: Liver Transplantation outcome prediction - A retrospective analysis on donor and recipient factors
Other Titles: Previsão de mortalidade e morbilidade em Transplantação Hepática - Uma análise retrospectiva de factores do dador e do recipiente
Authors: Cardoso, João Luís Fernandes Lopes 
Orientador: Alexandrino, Henrique Miguel Marques Bom Borges
Silva, Nuno José Marques Mendes da
Keywords: Transplantação Hepática; Complicações Pós-operatórias; Modelos Preditivos; Disfunção primária do enxerto; Liver transplantation; Postoperative complications; Predictive models; Primary graft dysfunction
Issue Date: 10-Apr-2017
Serial title, monograph or event: Liver Transplantation outcome prediction - A retrospective analysis on donor and recipient factors
Place of publication or event: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
Abstract: Introdução: A disfunção primária do enxerto (Primary graft dysfunction - PGD) pode ter um impacto significativo na sobrevivência quer do enxerto, quer do paciente. No entanto, falta ainda uma definição consensual de PGD. Os objetivos deste estudo assentaram na validação de definições já propostas de má função inicial do enxerto (initial poor graft function – IPGF) na população do nosso centro hospitalar e na procura de métodos de previsão de complicações pós-operatórias que necessitem de intervenção. Métodos: Foram analisados 93 pacientes transplantados no nosso centro entre maio de 2012 e dezembro de 2014. Os pacientes menores de 18 anos, submetidos a retransplantação, transplantação parcial ou que sofreram falência hepática aguda foram excluídos. Foram colhidas informações do dador, período pré-operatório, intraoperatório e pós-operatório do primeiro ano de follow-up de todos os pacientes. As classificações previamente descritas de IPGF, D-MELD, Model for Early Allograft Function (MEAF), MELD-Lactate, de Nanashima, de Olthoff e de Rosen foram aplicadas a todos os pacientes. Todas as complicações pós-transplante foram classificadas segundo a classificação de Dindo et al. Resultados: No nosso estudo, o D-MELD revelou-se um bom preditor pré-transplante de sobrevivência do enxerto (p=0,009). O MEAF (AUC = 0,886, Cut-off = 7,368, p=0,025) mostrou ter uma associação estatisticamente significativa com a mortalidade do paciente. Um índice de resistência da artéria hepática inferior a 0,55 em qualquer um dos primeiros cinco dias de pós-operatório demonstrou uma associação significante com a mortalidade no período pós-operatório precoce (p=0,016). Através de análise multivariada, foi também possível concluir que as variáveis AST pré-operatória, a PCR e a AST pós-operatória, o IMC do recetor e o status de imunidade do CMV são fatores de risco independentes para complicações pós-operatórias que requeiram intervenção. A transplantação de enxertos CMV positivos para recetores CMV negativos mostrou um aumento de nove vezes do risco de desenvolvimento de complicações que requeiram retransplantação. Conclusão: O D-MELD demonstrou ser um preditor pré-transplante consistente de sobrevivência do enxerto auxiliando a melhor correspondência entre dador e recipiente. O MEAF revelou ser altamente preditivo da mortalidade do paciente e deve ser adotado no acompanhamento pós-transplante da prática clínica. As estratégias clínicas deverão ser revistas e melhoradas no sentido de evitar o aumento do risco de complicações decorrente da utilização de enxertos CMV positivos em recetores CMV negativos. Os resultados clínicos pós-transplantação deverão ser avaliados não só pela sobrevivência dos pacientes e do enxerto, mas também pela incidência de complicações que requeiram intervenção. As classificações clínicas deverão, num futuro próximo, ser adaptadas para a previsão deste tipo de complicações.
Introduction: Primary graft dysfunction (PGD) can significantly impact graft and patient outcomes. However, we are still lacking a consensual definition of PGD. The aims of this study were to validate proposed PGD definitions in our centre population and to find methods to predict post-transplant complications requiring intervention. Methods: We analysed 93 patients transplanted in our centre between May 2012 and December 2014. Patients aged less than 18 years old, retransplantations, split liver transplants and acute liver failure were excluded. First year follow-up data were collected on donor, preoperative, intraoperative and post-operative periods of all patients. Previously described D-MELD, Model for Early Allograft Function (MEAF) Score, MELD-Lactate, Nanashima’s, Olthoff’s and Rosen’s IPGF scores were applied to all patients. All post-transplant complications were classified according to Dindo et al. classification. Results: In our series, D-MELD was shown to be a good pre-transplant graft outcome predictor (p=0.009). MEAF Score (AUC = 0.886, Cut-off value = 7.368, p=0.025) was proven to have a significant association with patient mortality. Hepatic artery resistance index below 0.55 on any of the first five postoperative days was also shown to have a significant association with early post-transplant mortality (p=0.016). Through multivariate analysis preoperative AST, postoperative CRP and AST, recipient body mass index and CMV status were also shown to be independent risk factors for post-transplant intervention-requiring complications. CMV positive graft transplantation to CMV negative recipients was shown to be independently associated with a nine-fold increase in intervention-requiring post-transplant complications. Conclusion: D-MELD was shown to be a solid pre-transplant graft outcome predictor aiding in the refinement of donor-recipient matching. MEAF score was found to be highly predictive of patient mortality and should be routinely included in the clinical management of post-transplant periods. Clinical strategies should be reinforced in order to avoid donor-recipient CMV mismatch-related complication risk increase. Clinical results after liver transplantation should include not only patient and graft survival, but also the incidence of intervention-requiring complications. Clinical scores should, in the near-future, be adapted to accurately predict these complications.
Description: Trabalho de Projeto do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/81848
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese João Cardoso.pdf2.03 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

361
checked on Jan 28, 2020

Download(s) 50

355
checked on Jan 28, 2020

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons