Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/81826
Title: AVC ARTERIAL ISQUÉMICO NEONATAL: O QUE SABEMOS?
Other Titles: Neonatal arterial ischemic stroke: what do we know so far?
Authors: Jorge, Cátia Filipa Silva Mano
Orientador: Vasconcelos, Ana Mónica Venâncio Pereira de
Oliveira, Guiomar Gonçalves
Keywords: AVC arterial isquémico neonatal; fatores pró-trombóticos; ressonância magnética cerebral; convulsões; paralisia cerebral; Neonatal arterial ischemic stroke; prothrombotic risk fators; magnetic resonance imaging of the head; seizures; cerebral palsy
Issue Date: 7-Jun-2017
Serial title, monograph or event: AVC ARTERIAL ISQUÉMICO NEONATAL: O QUE SABEMOS?
Place of publication or event: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
Abstract: Introdução: O AVC pediátrico encontra-se atualmente entre as dez primeiras causas de morte na criança. Estudos recentes revelam que este evento afecta cerca de 1 em 1600 a 4000 recém-nascidos (RN) de termo por ano, sendo a esmagadora maioria (80%) de origem isquémica. Segundo dados dos grupos de estudo da Sociedade Portuguesa de Pediatria e da Sociedade Portuguesa de Neuropediatria, entre Janeiro de 2009 e Dezembro de 2011 foram registados 114 AVCs em doentes até aos 18 anos. Destes, metade ocorreu até aos 28 dias de vida. Embora o AVC no RN tenha baixa incidência e apresente uma fisiopatologia distinta da adulto, escasseiam orientações clínicas para a melhor abordagem destes doentes.Atualmente os avanços na qualidade dos exames complementares de diagnóstico, nomeadamente da ressonância magnética (RM) cerebral, e a melhoria dos cuidados perinatais tornam cada vez mais precoce e eficaz a identificação destes eventos em idade neonatal, o que tem acarretado um aumento no número destes casos. No entanto, a sua deteção permanece um grande desafio, sobretudo pela escassez e pouca especificidade da sua semiologia nos recém-nascidos, o que leva a que ainda seja uma patologia muito subdiagnosticada. O presente trabalho constitui uma revisão sistemática da literatura sobre o tema AVC arterial isquémico neonatal.Materiais e métodos: Foi efetuada uma pesquisa bibliográfica na plataforma Pubmed. Os dados obtidos baseiam-se nos resultados da análise de artigos de revisão, científicos e casos clínicos. Após análise crítica e cuidada, criou-se esta revisão da literatura.Resultados: Verificou-se que a taxa de incidência do AVC arterial isquémico em período neonatal está a aumentar. Este aumento encontra-se sobretudo relacionado com a melhoria dos estudos de neuroimagem, nomeadamente com a crescente recurso à ressonância magnética cerebral, e com maior consciencialização dos clínicos para esta entidade.Devemos considerar o AVC neonatal como uma entidade nosológica independente, uma vez que nos recém-nascidos a apresentação clínica e os fatores de risco envolvidos são distintos dos encontrados na população adulta e nas outras crianças.O impacto a longo prazo na qualidade de vida dos doentes ainda se encontra pouco explorado e a sua reabilitação e acompanhamento a longo prazo são deficitários.Conclusão: O reconhecimento precoce do AVC é importante, assim como uma melhor compreensão dos fatores de risco, achados clínicos e radiológicos de forma a desenvolver e melhorar estratégias de prevenção e tratamento.
Introduction: Pediatric stroke is currently among the top 10 causes of death in children. Recent studies show that this event affects about 1 in 1600 to 4000 term newborns per year, the overwhelming majority (80%) are ischemic. Between January 2009 and December 2011, and according to data from the Pediatrics Portuguese Society and the Neuropediatrics Portuguese Society study groups, 114 strokes were recorded in patients up to 18 years of age. Half of them took place at neonatal period (first 28 days of life).Although stroke has low incidence and presents a distinct pathophysiology from that of the adult and other children, there are few clinical guidelines for the best approach of these patients.Advances in the quality of complementary exams such as magnetic resonance imaging (MRI) of the head and the improvement of perinatal care have made the identification of these neonatal events increasingly precocious and effective, which has led to an increase in the number of these cases. However, its detection remains a major challenge, mainly due to the scarcity and low specificity of the semiology in newborns, resulting in an underdiagnosed pathology.The present work is systematic review of the literature on the subject of neonatal ischemic arterial stroke.Materials and Methods: A bibliographic research was done, using the Pubmed platform, to elaborate this work. The data collected includes reviews, scientific articles and case reports. After a critical and careful analysis, this review article was created. Results: The incidence of neonatal ischemic arterial stroke has been increasing. This increase is mainly related to the improvement of neuroimaging studies, particularly with the use of magnetic resonance imaging of the head, and with greater awareness among clinicians to this subject.Neonatal stroke should be considered as an independent nosocomial entity, since in neonates the clinical presentation and the risk factors involved are distinct from those found in the adult population.The long-term impact on patients' quality of life is still under-explored and their long-term rehabilitation and follow-up are poor.Conclusion: In order to develop and improve prevention and treatment strategies, it is important to recognize stroke early, as well as have a better understanding of risk factors, clinical and radiological findings.
Description: Trabalho de Projeto do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/81826
Rights: closedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat Login
Catia.pdf1.3 MBAdobe PDFEmbargo Access    Request a copy
Show full item record

Page view(s) 50

663
checked on Mar 31, 2020

Download(s) 50

388
checked on Mar 31, 2020

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons