Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/818
Title: Bases Fisiológicas da Diabetes Mellitus tipo 2 num modelo animal : aspectos clínicos e estudos morfológicos e de secreção de insulina de ilhéus da Langerhans.
Authors: Ceiça, Raquel Maria Fino 
Orientador: Pontes, Fausto Afonso
Santos, Rosa Maria Moreira Alves dos
Keywords: Ciências Fisiológicas (Fisiologia); Fisiologia
Issue Date: 1999
Citation: Bases Fisiológicas da Diabetes Mellitus tipo 2 num modelo animal : aspectos clínicos e estudos morfológicos e de secreção de insulina de ilhéus da Langerhans. 1 vol., Coimbra, 1998, 298 p.
Abstract: Diversos factores alteram a homeostasia da glicose na Diabetes Mellitus tipo 2. Para avaliar a evolução da síndrome diabética e a contribuição daqueles factores, foi feito um estudo cronológico comparativo entre ratos Wistar normais e ratos Goto-Kakizaki (GK), modelo animal de diabetes tipo 2 não obesa. A deficiência de insulina, devida à menor massa de células ß e à disfunção destas, é factor determinante. Foi feita a avaliação cronológica da massa celular por Citometria de Imagem e da dinâmica da secreção de insulina de ilhéus de Langerhans isolados em resposta à glicose e à arginina por Técnicas de Isolamento e de Perfusão de ilhéus e pela técnica de ELISA. Técnicas histológicas e imuno-histoquímicas permitiram caracterizar as lesões estruturais dos ilhéus diabéticos. Foi também feita a avaliação clínica : peso corporal, glicémia (jejum e PTGO), insulinémia e outros parâmetros bioquímicos do sangue. Os ratos GK foram intolerantes à glicose em qualquer idade ; a hiperglicémia em jejum surgiu à 6.ª semana e manteve-se estável desde então. A insulino-resistência expressou-se depois do 1.º mês de vida e a dislipidémia instalou-se só após as 32 semanas. A massa de células ß foi sempre menor. As lesões estruturais de uma subpopulação de ilhéus, que sugerem o envolvimento da vascularização destes, surgiram entre a 4.ª e 12.ª semanas e abrangeram progressivamente mais ilhéus. Os ilhéus diabéticos foram insensíveis à glicose e não adquiriram as características bifásicas da resposta normal ; a capacidade de responder à arginina manteve-se. Conclui-se que nos ratos GK da colónia de Coimbra : 1) a deficiência de insulina, por disfunção e redução da massa das células ß, constitui o factor primário da doença ; 2) a disfunção insular não resulta da lipo-glicotoxicidade ; 3) a resposta mantida à arginina sugere que a insensibilidade à glicose poderá envolver um ou mais defeitos dos mecanismos de acoplamento estímulo-secreção que antecedem a despolarização da membrana celular ; 4) a insulino-resistência expressa-se mais tarde e origina a hiperglicémia em jejum ; 5) as lesões estruturais dos ilhéus parecem inserir-se num quadro de microangiopatia ; 6) a ausência de obesidade poderá justificar o aparecimento tardio da dislipidémia.
URI: http://hdl.handle.net/10316/818
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Ficheiro_temporario.pdf8.8 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

454
checked on Sep 18, 2019

Download(s) 50

183
checked on Sep 18, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.