Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/36699
Title: O Touro que nos puseram na Arena. Ou: O Desdobrar das Fronteiras nos Interstícios da Palavra - Gaguez, Ciência e Comunidades de Responsabilidades
Authors: Costa, Daniel Neves da 
Orientador: Nunes, João Arriscado
Keywords: Gaguez; Ciência e Sociedade; Indagação Colaborativa; Fronteira; Comunidades de Responsabilidades
Issue Date: 20-Jul-2017
Citation: COSTA, Daniel Neves da - O Touro que nos puseram na arena. Ou : o desdobrar das fronteiras nos interstícios da palavra - gaguez, ciência e comunidades de responsabilidades. Coimbra : [s.n.], 2017. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/36699
Project: info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH/BD/74000/2010/PT 
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: As últimas décadas assistiram a uma intensa transformação das relações entre a ciência e a sociedade, entre a ciência e a política. O papel da ciência nas sociedades democráticas contemporâneas tem sido alvo de uma extensa problematização. Este trabalho visa refletir sobre o papel da ciência e seus conhecimentos não apenas na relação com as instituições políticas de tomada de decisão, mas na composição do mundo comum, da sociedade e suas instituições, no quotidiano dos cidadãos, na construção identitária de indivíduos e coletivos sociais ou na construção de narrativas políticas de interpelação social, seja no combate das desigualdades, na desconstrução de estigmas sociais ou na definição de ativismos terapêuticos associados a condições de saúde. Numa parceria levada a cabo com a Associação Portuguesa de Gagos esta investigação faz uma problematização das condições que permitam desenvolver colaborações entre cidadãos, comunidades e organizações da sociedade civil e cientistas, centros de investigação e universidades, numa lógica democrática de coprodução de conhecimento que fomente o empoderamento de indivíduos, comunidades e organizações da sociedade civil através de um envolvimento participado com a tecnociência e inspirado no conceito de “Investigação e Inovação Responsáveis” (von Schomberg, 2011). Nesse sentido, problematizamos o desenho e implementação de dispositivos de indagação (Dewey, 1938) que se constituem como os espaços de fronteira onde a ciência e a sociedade se interpenetram na produção dos fenómenos que compõem o mundo, e dos públicos a eles associados. Recorremos às metáforas da fronteira e da cartografia. A metáfora da fronteira procura dar conta dos espaços e objetos de intersecção entre conhecimentos, indivíduos, coletivos e instituições que se constituem em dinâmicas de indagação coletiva onde a multiplicidade dos fenómenos é alvo de experimentação. A fronteira emerge como lugar do político (Rancière, 1999) ao questionar as relações entre entidades e corpos e da sua distribuição no mundo, e enquanto espaço de transgressão (Santos, 2000) que coloca em causa, indagando outras possibilidades de tradução e de assembleia do fenómeno e dos seus efeitos no mundo. A fronteira entre a ciência e a sociedade emerge como lugar de política ontológica (Mol, 2008), de exploração da multiplicidade e das escolhas possíveis nas dinâmicas de recomposição do mundo. Ao explorar a fronteira como espaço de indagação, experimentação e produção de fenómenos e de mundo, mobilizamos a metáfora cartográfica enquanto “metodologia da fronteira” para mapear a sua multiplicidade. A cartografia enquanto método de exploração dos fenómenos reflete a produção da narrativa da indagação como indissociável da produção do fenómeno, espelhando a polifonia de vozes que participam na indagação e de entidades que compõem o fenómeno. Para isso dá conta não apenas do que existe, mas também das versões possíveis do fenómeno que existem enquanto devir, em estado latente e em potência, que a indagação revela. A cartografia procura dar conta do desdobrar de efeitos e diferenças ontológicas que a indagação coletiva cria. A produção de um relato arriscado é problematizada numa reflexão sobre o papel performativo das ciências sociais nestas indagações coletivas onde se assiste a uma recomposição do mundo (Latour, 2005). A ecologia de dispositivos de indagação em torno da gaguez constitui o laboratório de experimentação destas dinâmicas colaborativas entre ciência e sociedade, analisando como co-realizam fenómenos, instituições, públicos e indivíduos. Este trabalho relata a emergência de uma tradução alternativa da gaguez através da articulação de conhecimentos experienciais, científicos e terapêuticos. Faz um relato da individuação (Simondon, 1992) de novas entidades associadas à emergente tradução da gaguez que se constituem como realidades colaterais (Law, 2009): uma nova subjetividade quanto ao que significa ser-se Pessoa que Gagueja, associada a um coletivo que se constitui como público deweyano vinculado à Associação Portuguesa de Gagos que, assim, se reconfigura enquanto organização de representação munida de uma narrativa ativista testada no quotidiano pelas Pessoas que Gaguejam. Finalmente, é problematizado como na indagação coletiva se constitui uma “comunidade epistémica” (Akrich, 2010) que agrega Pessoas que Gaguejam, Pais, Terapeutas da Fala, Psicólogos e outros profissionais, em torno de uma posição epistémica comum sobre a gaguez que interpela a posição hegemónica dominante na sociedade e na comunidade profissional de terapeutas da fala. A análise à ecologia de pessoas, conhecimentos, instituições que se desenvolveu em torno da gaguez propicia uma reflexão final sobre a constituição de uma “comunidade de responsabilidades”, fundada num compromisso moral plural vinculado à indagação e à gaguez enquanto fenómeno múltiplo e heterogéneo, num contexto de mútuo reconhecimento e envolvimento responsivo entre os participantes.
Description: Tese de doutoramento em Governação, Conhecimento e Inovação, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/36699
Rights: openAccess
Appears in Collections:I&D CES - Teses de Doutoramento
FEUC- Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
O Touro que nos Puseram na Arena.pdf2.22 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

314
checked on Sep 17, 2019

Download(s) 50

374
checked on Sep 17, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.