Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/31581
Title: Uma identidade perdida no mar e reencontrada nos ossos: Avaliação das afinidades populacionais de uma amostra de escravos dos séculos XV-XVI
Authors: Coelho, Catarina Raquel Saraiva 
Orientador: Cunha, Eugénia
Wasterlain, Sofia
Keywords: Ancestralidade; Métodos Morfológicos; Métodos Métricos; Escravos; Lagos
Issue Date: 2012
Citation: COELHO, Catarina Raquel Saraiva - Uma identidade perdida no mar e reencontrada nos ossos: Avaliação das afinidades populacionais de uma amostra de escravos dos séculos XV-XVI . Coimbra : [s.n.], 2012
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: O presente estudo tem como objetivo comprovar cientificamente as afinidades populacionais duma amostra osteoarqueológica, cujo contexto histórico aponta inequivocamente para uma origem Africana, relacionada com os primeiros escravos que aportaram ao país. A coleção, que se encontra ao cargo da Dryas Arqueologia, Lda., tem uma datação por radiocarbono dos séculos XV-XVI. O facto dos métodos desenvolvidos para ancestralidade só poderem ser aplicados em espécimes adultos e os métodos aplicados à amostra requererem que o material se encontre num bom estado de conservação, estes foram condicionantes da seleção da amostra, constituída por 35 crânios, 52 fémures e 52 calcâneos. Os métodos aplicados para avaliação da ancestralidade foram os seguintes: métodos morfológicos na avaliação do crânio e calcâneo; métodos métricos aplicados ao crânio e fémures. Este estudo também incluiu a utilização do programa Fordisc 3.0 na avaliação da ancestralidade. Para todos os métodos o erro intra e inter-observador foi avaliado e os resultados obtidos apresentaram valores aceitáveis, para que as medidas e os caracteres morfológicos fossem aplicados nos diferentes métodos. Para a utilização do programa Fordisc 3.0 foram realizadas 24 medidas nos crânios da amostra. O programa classificou 50% da amostra em Negroides Americanos através da base de dados Forensic Data Bank (FDB). Já a base de dados séries de Howells, classificou 37,5% dos espécimes em grupos Negroides. Foram ainda observados 38 caracteres morfológicos no crânio que permitiram classificar a amostra como Negroide, apesar de se ter verificado uma grande variação morfológica dentro da mesma. Quando foi utilizado o fémur, apenas 30% dos indivíduos foram classificados como Negroides. Por sua vez, o método morfológico aplicado ao calcâneo classificou a amostra como Negroide com valores acima dos 90%. Tendo por base estes resultados, depreende-se que muitos outros estudos futuros são necessários. Se por um lado, será necessário recorrer-se a metodologias diferentes, com base noutras peças ósseas para continuar a aceder à ancestralidade dos indivíduos desta coleção (incluindo os que não foram abarcados pelo presente estudo) e entender a sua variabilidade morfológica (parâmetros de extrema importância para a compreensão das questões da escravatura de então) por outro, torna-se imprescindível mais estudos que se debrucem sobre a ancestralidade de populações de origem africana, de forma a aferir metodologias mais adequadas. Palavras
The global goal of the current study is to prove scientifically the population affinities of osteoarchaeological sample which the historical context points unmistakably to an African origin, related to the first slaves who arrived in the country. The collection, which is in the position of Dryas Archaeology Ltd., has a radiocarbon dating of the XV-XVI centuries. The fact that the methods developed for ancestry may only be applied to adults and the methods require a good condition of the material were constraints of the sample selection, consisting of 35 skulls, 52 femurs and 52 calcaneus. The methods used to evaluate the ancestry were: morphological evaluation of the skull and calcaneus, and metric methods applied to the skull and femur. This study also included the use of software Fordisc 3.0. For all methods the intra and inter-observer error was evaluated and the results showed acceptable values for all measures and morphological characters used. For application of the software Fordisc 3.0, 24 measures were taken in the skulls. The program classified 50% of the sample in the American Black with Forensic Data Base (FDB). The Howell’s database classified 37.5% of the specimens into groups of Blacks. Thirty-eight morphological characters were observed in the skull, which allowed classifying the sample as Negroid, although it was registered a great variation within the sample. The results of the methods applied to the femur classified less than 30% of the individuals as having an African origin. In turn, the morphological method applied to the calcaneus classified the sample as Negroid with values above 90%. From these results it appears that many more studies will be necessary. On one hand, different methodologies based on other bone pieces must be resorted to continue to access the ancestry of these individuals (including those not analyzed in the present study) and to understand their morphological variability (extremely important parameters for understanding the issues of slavery at the time). On the other hand, more studies looking at the ancestry of African populations should be performed, in order to develop more efficient methodologies.
Description: Dissertação de Mestrado em Evolução e Biologia Humanas, apresentada ao Departamento de Ciências da Vida da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/31581
Rights: openAccess
Appears in Collections:I&D CIAS - Dissertações de Mestrado
FCTUC Ciências da Vida - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
MEBH_Dissertação_Catarina_Coelho.pdf2.33 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

434
checked on Nov 13, 2019

Download(s) 50

475
checked on Nov 13, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.