Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/31293
Title: Identificação individual : o contributo da osteopatologia
Authors: Coelho, Ana Sofia da Costa 
Orientador: Vieira, Duarte Nuno
Cunha, Eugénia
Keywords: Esqueleto humano - identificação; Antropologia forense
Issue Date: 2012
Abstract: A necessidade de proceder ao estabelecimento objetivo da identidade de cadáveres, em que a mesma é desconhecida, em contextos circunstanciais diversos, que incluem, entre outros, a descoberta de restos cadavéricos de pessoa singular (potencialmente pertencentes a indivíduos dados como desaparecidos, como sucede, com relativa frequência, relativamente a idosos ou indivíduos incapazes em razão de processos patológicos psiquiátricos ou neurológicos), ou de um conjunto de indivíduos (situação comummente verificada em cenários de guerra ou resultantes de catástrofes naturais), tem conduzido, ao longo dos tempos, à investigação, e dela decorrente, à criação de métodos científicos, que permitam a identificação positiva de restos cadavéricos não identificados emergentes. O objetivo do presente trabalho foi o de avaliar o potencial de contribuição da análise de alterações osteológicas, designadamente de índole patológico, existentes em restos esqueletizados humanos, no processo de identificação individual. Por estudo de patologia (estudo osteopatológico), entendeu-se a pesquisa, quer de elementos patológicos diretamente observáveis (como seja uma fratura consolidada), quer sinais indiretos de entidades nosológicas, afetando os diferentes sistemas e aparelhos orgânicos, que não somente o osteoarticular (como seja a presença de dispositivos terapêuticos a acompanhar os restos cadavéricos). Nesse sentido, foi efetuado o estudo osteopatológico de seis esqueletos, pertencentes a coleção osteológica identificada contemporânea (respeitante a indivíduos com datas de morte situadas num intervalo compreendido entre 1997 e 2001), proveniente do Cemitério os Capuchos (sito em Santarém), atual pertença do Departamento de Ciências da Vida da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, com posterior confrontação dos elementos constatados com os dados clínicos ante-mortem, passíveis de obter, o que apenas foi conseguido em quatro dos seis casos analisados. Um dos casos, em que tal exercício comparativo não foi possível, diz respeito a um cadáver submetido a autópsia médico-legal, no dia seguinte ao da morte, tendo sido efetuada a confrontação entre o estudo osteopatológico dos restos esqueletizados com o relatório descritivo da perícia forense realizada. Como resultados do presente estudo, apesar das limitações constatadas no sentido de dar cumprimento ao seu objetivo, decorrentes da parca, ou mesmo inexistente, informação clínica/circunstancial ante-mortem obtida, foi possível concluir que a presença de determinados achados osteológicos pode permitir o estabelecimento da identificação positiva, com níveis de confiança fidedignos, XIV podendo, nesses casos, evitar a necessidade de recurso a outros métodos de identificação biológica, mais morosos e onerosos, como seja o estudo do perfil genético. Tal depende essencialmente de duas variáveis – nível de correspondência entre dados ante e post-mortem e grau de exclusividade do elemento lesional sobre o qual incide o estudo comparativo – propondo a autora, a elaboração de uma escala de potencial identificativo, utilizando as variáveis supracitadas, como instrumento de avaliação e apresentação dos resultados do estudo osteopatológico de restos esqueletizados com objetivos identificativos, em sede de relatório pericial, como forma de conferir maior credibilidade, em termos de objetividade científica, perante o sistema judicial, ainda que se trate de uma escala de carater qualitativo.
In order to establish, under different circumstances, the positive identification of non-identified human remains, which may belong to a single person (as it succeeds with the discovery of human remains putatively belonging to known missing people, such as elderly or mentally ill individuals) or to a group of individuals (such as in war scenarios or as the result of environmental disasters), research has been made and distinct scientific methods have been created, throughout times. The aim of the present study was to evaluate the potential of the analysis of skeletonyzed human remains osteological, and namely pathological, findings, in the identification process. The osteopathological study included the identification of direct and indirect signs of disorders, affecting the different body systems, and not only the skeletal one, such as the presence of a healed bone fracture or of therapeutic devices, respectively. For that purpose, the osteopathological study of six skeletons was performed, and then compared with antemortem data, namely medical records. The analyzed skeletons are part of an identified contemporary osteological collection (death time ranging from the years of 1997 to 2001), taken from the Capucho’s cemetery (in Santarém - Portugal), nowadays belonging to the Department of Sciences of Life of the Sciences and Technology Faculty of the University of Coimbra. Antemortem data could only be obtained for four of the six study cases. In one of the remaining cases, it was possible to compare the osteopathological study findings with the elements described in the report of the forensic postmortem autopsy, which was, in this specific case, performed, the day after death. Despite the lack, or even, for same cases, absent, antemortem data obtained, which naturally limited the results of the present work, it was possible to conclude that, in the presence of certain osteological findings, one can establish a positive identification, with an acceptable level of confidence, which may, in those cases, avoid the need of applying other methods of biological identification, such as the genetic ones, therefore making the investigation less expensive and less time consuming. That will depend on two main variables – the matching consistency between ante and postmortem data and the uniqueness level of the recognized bone morphological and/or pathological finding. The author purposes the evaluation of the osteopathological study of human remains, for identification purposes, by using a “scale of identification potential”, using both the above cited variables. That scale would also be part of the study report, so, and though being of a qualitative nature, it would increase the reliability of the results before the judicial system.
Description: Dissertação de mestrado em Medicina (Medicina Legal e Ciências Forenses), apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/31293
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
TESE.FINAL.pdf5.08 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

670
checked on Jun 3, 2020

Download(s) 10

1,179
checked on Jun 3, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.