Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/30869
Title: Imunohistoquímica na investigação médico-legal: contributo real ou ficção?
Authors: Ramos, Daniela Alexandra Malaquias 
Orientador: Corte Real, Francisco
Gouveia, Rosa Henriques de
Keywords: Medicina legal; Imunohistoquímica
Issue Date: 2015
Abstract: A Anatomia Patológica Forense – vertente fundamental do exame necrópsico médico-legal – recorre a técnicas complementares, tais como a Imunohistoquímica (IHQ), face a casos complexos e/ou com características particulares. A IHQ – processo baseado em reacções antigénio-anticorpo – é uma ferramenta diagnóstica imprescindível em Anatomia Patológica não-forense (hospitalar/privada). Conhecem-se estudos e aplicações na área forense; mas qual é o seu contributo real para a investigação médico-legal? Este trabalho pretende demonstrar a sua relevância, utilizando como material 47 amostras tecidulares de 42 casos das 1141 autópsias com exame anátomo-patológico realizadas na Delegação do Centro do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses, I.P. no ano de 2011. Estes casos correspondem a 25 vítimas do género masculino com idade média de 55,85 anos e a 17 do género feminino, cuja idade média é de 61,59 anos. Foi utilizada imunomarcação segundo o “Two-Step Indirect Method, em material fixado e parafinado de lesões / alterações patológicas. Esta técnica permitiu não apenas para comprovar diagnósticos anteriormente estabelecidos, como também concluir casos em aberto não solucionados pela observação de lâminas coradas com HE e/ou Histoquímica, nomeadamente na área oncológica; contribuindo para a determinação da causa e da etiologia médico-legal da morte
Forensic Anatomo-Pathology – a main area of the medico-legal postmortem examination – uses ancillary techniques, such as Immunohistochemistry (IHQ), when the cases are complex and/or unusual. IHQ – a procedure based on antigen-antibody reaction – is a major diagnostic tool in Non-Forensic Anatomo-Pathology (hospitalar/private practice). There are studies concerning its applicability on the forensic field; yet, which is IHQ real contribution to the medico-legal death investigation? This work aims to show its relevance, by using 47 tissue samples of 42 cases out of the 1141 autopsies with histopathology examination performed at the Central Branch of Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses, I.P., during the year 2011. The victims were males (n=25) with a mean age of 55.85 years and females (n=17), whose mean age was 61.59 years. “Two-Step Indirect Method” immunostaining was performed in formalin-fixed, paraffin-embedded material from tissue lesions / pathologic alterations. This technique, not only confirmed diagnosis already made in the routine histopathological examination, but also allowed to conclude unsolved cases, namely within the oncologic area; thus contributing to the establishment of the cause and manner of death
Description: Dissertação de mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses, apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/30869
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Imunohistoquímica na investigação médico-legal contributo real ou ficção.pdf2.46 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 10

701
checked on Mar 31, 2020

Download(s) 20

1,114
checked on Mar 31, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.