Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/30665
Title: Mortalidade e independência um ano após fratura da anca
Authors: Marques, Paula Filipa Borges 
Orientador: Silva, José António Pereira da
Keywords: Comorbilidade; Fratura da Anca; Fraturas Proximais do Fémur; Índice de Charlson; Índice de Katz; Mortalidade; Osteoporose
Issue Date: 2015
Abstract: Introdução: A osteoporose tem vindo a apresentar uma prevalência crescente em paralelo com o aumento da esperança média de vida. As fraturas proximais do fémur (FPF) são a complicação da osteoporose com maior impacto socio-económico. Este trabalho tem como objetivo determinar a taxa de mortalidade em internamento e no ano subsequente à FPF e quais os fatores de risco que lhe estão associados, assim como avaliar o impacto da FPF na funcionalidade e independência dos doentes, um ano após a fratura. Métodos: Procedeu-se ao levantamento dos dados dos doentes internados no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (polo HUC) entre 1 de maio de 2013 e 31 de outubro de 2013 por FPF, com idade superior a 40 anos. De seguida, procedeu-se ao contacto telefónico dos doentes ou seus cuidadores, e realização de um inquérito sobre dados socio-epidemiológicos, fatores de risco para a osteoporose, índice de Charlson e Katz. Realizou-se também a análise do processo único, de modo a validar e completar os dados do inquérito. Resultados: Dos 201 resultados obtidos, 5 optaram por não participar no estudo e não foi possível estabelecer contacto telefónico com os restantes 66. Foram então incluídos 130 doentes (31% homens e 69% mulheres), com uma média de idades de 82±8.7 anos. Após a fratura da anca a dependência dos doentes agravou-se relativamente ao estado prévio (Média Katz prévio = 1; Média Katz 1 ano após FPF = 3; p<0.001). Menores níveis de dependência estão estatisticamente relacionados com o tratamento cirúrgico da fratura e com idades mais baixas. A taxa de mortalidade a um ano foi de 30%. Observa-se menor mortalidade em associação com estado civil casado, tratamento cirúrgico com substituição total da anca, alta para o domicílio, realização de fisioterapia e níveis inferiores do índice de Katz e Charlson previamente à fratura (p<0.05). Conclusão: Os resultados encontrados neste estudo vêm realçar o impacto das FPF na morbimortalidade das suas vítimas e sublinhar a importância das medidas de prevenção primária e secundária.
Background: Osteoporosis has presented a rising prevalence in parallel with the increase in average life expectancy. Hip fractures are osteoporosis’ complication responsible for the major community and financial burden. This paper aims to define mortality rate during hospitalization and 1 year after hip fracture and which factors are associated with it. It also aims to evaluate its impact in the patient functional status one year after hip fracture. Methods: We collected the data of the patients that were hospitalized in Coimbra University Hospital between May 1st 2013 and October 31th 2013 with the diagnosis of hip fracture and an age >40 years-old. Then, we phoned either the patient or the caretaker to inquire about epidemiological data, osteoporosis risk factors, Charlson Comorbidity Index and Katz Index. We also analyzed the clinical process of each patient, to validate and complete the inquiry information. Results: Of the 201 results, 5 patients didn’t want to participate in the study and it wasn’t possible to contact the remaining 66. 130 patients were included (31% male and 69% female), with an average age of 82±8.7 years-old. One year after hip fracture, patients dependence aggravated when compared to the previous state (previous Katz mean = 1; 1yr after hip fracture mean = 3; p<0.001). Lower dependence levels are statistically associated with surgical treatment of the fracture and younger ages. One year mortality rate was 30%. Lower mortality rate is associated with being married, surgical treatment, home discharging, physiotherapy after discharge and lower Katz and Charlson levels previous to the fracture (p<0.05). Conclusions: This paper shows hip fractures have an important impact in morbidity and mortality for its victims and the importance of primary and secondary prevention measures.
Description: Trabalho final de mestrado integrado em Medicina (Reumatologia), apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/30665
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Mortalidade e independência um ano após fratura da anca FMUC 2015 Paula Marques.pdf581.77 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

430
checked on Nov 12, 2019

Download(s) 50

171
checked on Nov 12, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.