Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/30561
Title: Resposta clínica tardia à fibrinólise endovenosa no acidente vascular cerebral isquémico agudo
Authors: Cruz, Claudina Sofia Santiago Vicente 
Orientador: Cunha, Luís Augusto Salgueiro
Freitas, João Sargento
Keywords: recanalização precoce; melhoria tardia; NIHSS; idade; glicémia; resistência isquémica
Issue Date: 2015
Abstract: Introdução: Em doentes com acidente vascular cerebral (AVC) isquémico agudo, a resposta clínica à fibrinólise endovenosa poderá ser bastante heterogénea. Alguns doentes com recanalização arterial precoce apresentam melhoria clínica apenas tardiamente. O principal objectivo deste estudo foi identificar preditores clínicos independentes de resposta tardia, em doentes com AVC isquémico agudo, com recanalização arterial precoce após a fibrinólise endovenosa. Metodologia: Efectuámos um estudo de coorte histórico incluindo todos os doentes, consecutivamente admitidos por AVC isquémico agudo e submetidos a fibrinólise endovenosa. A recanalização precoce foi avaliada por Ecografia-Doppler Transcraniana Codificada a Cores, definida como pontuação ≥ 4 na escala Thrombolysis in Brain Ischemia (TIBI) ou Angiografia por Tomografia Computadorizada com visualização de todas as artérias do território vascular sintomático. Definimos melhoria imediata como redução ≥ 4 pontos na National Institute of Health Stroke Scale (NIHSS) às 2 horas após a fibrinólise e modified Rankin Scale (mRS) ≤ 2 pontos aos 3 meses após o AVC; melhoria tardia como redução < 4 pontos, agravamento ou ausência de alteração na NIHSS às 2 horas, mas com mRS ≤ 2 pontos aos 3 meses após o AVC; e ausência de melhoria como mRS > 2 aos 3 meses após o AVC. Efectuámos análise estatística utilizando os seguintes testes: χ2, t-Student e análise de regressão logística multivariável. Resultados: Estudámos uma amostra de 269 doentes, com idade média de 72.57±11.27 anos, sendo 148(55%) do sexo masculino. Identificámos 91(33.83%) doentes com melhoria imediata, 73(27.14%) com melhoria tardia e 105(39.3%) sem melhoria. Pela análise de regressão logística multivariável identificámos três preditores clínicos independentes: NIHSS à entrada (OR = 0.824; IC 95%: 0.763-0.889, p < 0.001), idade (OR = 0.924; IC 95%: 0.884-0.966; p = 0.001) e glicémia à entrada (OR = 0.990; IC 95%: 0.981-0.998; p = 0.017). Discussão e Conclusões: NIHSS à entrada, idade e glicémia à entrada são preditores clínicos independentes de resposta tardia em doentes com AVC isquémico agudo e recanalização arterial precoce após a fibrinólise endovenosa. Sugerimos que esta resposta tardia esteja associada ao fenómeno de “atordoamento” cerebral, sendo influenciada por mecanismos fisiopatológicos que diminuem a resistência à isquémia.
Description: Trabalho final de mestrado integrado em Medicina, apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/30561
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Claudina Cruz-MIM 2015-Fevereiro-final-c8.pdf2.51 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

253
checked on Jan 21, 2020

Download(s)

142
checked on Jan 21, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.