Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/28147
Title: Ser, não ser, voltar a ser ou tornar-se? Uma reflexão sobre a (re)inserção social dos angolanos de ascendência portuguesa à luz dos estudos pós-coloniais
Authors: Peixoto, Carolina Barros Tavares 
Orientador: Santos, Boaventura de Sousa
Meneses, Maria Paula
Keywords: angolanos/as de ascendência portuguesa; identidade; (re)inserção social; (des)colonização; pós-colonialidade; angolans of Portuguese descent; social (re)integration; (de)colonization; postcoloniality
Issue Date: 26-Jun-2015
Citation: PEIXOTO, Carolina Barros Tavares - Ser, não ser, voltar a ser ou tornar-se? : uma reflexão sobre a (re)inserção social dos angolanos de ascendência portuguesa à luz dos estudos pós-coloniais. Coimbra : [s.n.], 2015. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/28147
Abstract: Esta tese de doutoramento pretende oferecer um contributo para complexificar os debates em torno dos processos de (re)construção da angolanidade, ou seja, de uma identidade nacional angolana. Um tema que tanto inspirou como desafiou os vários movimentos nacionalistas que se envolveram na luta pela independência de Angola e que, assim como outras heranças coloniais, transcendeu a conquista da soberania e da autonomia angolanas. Percebendo que a questão da legitimidade do pertencimento de pessoas não negras – nomeadamente indivíduos que, devido ao seu fenótipo ou suas características somáticas, são corriqueiramente descritos em Angola como ‘brancos’, ‘claros’, ‘cabritos’, ‘mestiços’ e ‘mulatos’ – à comunidade imaginada angolana continua a ser uma matéria sensível no presente, ao longo deste trabalho procurei recuperar os processos que informaram e/ou ainda informam as (re)construções identitárias dos/as angolanos/as de ascendência portuguesa. Quando o império colonial português chegou ao fim, em meados da década de 1970, Angola possuía a segunda maior população branca de todo o continente africano. Conquistada a independência de Angola, que lugares foram ocupados pelos ex-colonos portugueses e seus descendentes nascidos em território angolano? Partindo de uma perspectiva pós-colonial situada cujo enfoque recai sobre o processo de (des)colonização de Angola e o modo como as práticas e os discursos característicos do colonialismo português impregnaram os regimes identitários nas sociedades que dele participaram, tanto durante o período colonial como depois da independência das colônias (Santos, 2002), esta tese apresenta uma proposta de análise das múltiplas negociações culturais, sociais, econômicas e políticas associadas aos vários processos de (re)construção identitária e (re)inserção social vivenciados por angolanos/as de ascendência portuguesa, no novo país depois de conquistada a independência e/ou na antiga metrópole onde muitos buscaram refúgio durante a longa guerra civil angolana.
This doctoral thesis aims to offer a contribution in order to complexify the debates around the processes of (re)construction of Angolanity, that is an Angolan national identity. A topic that both inspired and challenged the various nationalist movements that were involved in the fight for the independence of Angola and, more than this, a subject that, like other colonial heritages, transcended the conquest of Angola’s sovereignty and autonomy. Understanding that the question of non-black people’s (including individuals routinely described in Angola as 'white', 'claros', 'cabritos', 'mestizos' and 'mulatto' because of their phenotype or their somatic characteristics) legitimacy of membership of the Angolan imagined community remains a sensitive issue in the present, throughout this work I sought to recover the processes that informed and / or inform the (re)construction of identity of the Angolan who are Portuguese descent too. When the Portuguese colonial empire ended in the mid-1970s, Angola had the second largest white population of the entire African continent. With the independence of Angola, which places were occupied by the former Portuguese settlers and their descendants born in Angola? From a situated postcolonial perspective, whose focus is on the process of (de)colonization of Angola and how the practices and discourses characteristic for the Portuguese colonialism permeated the identity regimes in the societies that participated, both during the colonial period as the independence of the colonies (Santos, 2002), this thesis presents a proposal for analysis of the multiple cultural, social, economic and political negotiations associated with the various processes of identity (re)construction and (re)integration experienced by the Angolans of Portuguese descent in the new country after independence and / or in the former metropolis where many sought refuge during the long Angolan civil war.
Description: Tese de doutoramento em Pós-colonialismo e Cidadania Global, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/28147
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Doutoramento
I&D CES - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Inserção social dos angolanos de ascendência portuguesa.pdf5.29 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

314
checked on Jul 2, 2020

Download(s) 10

2,880
checked on Jul 2, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.