Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/25373
Title: Adult attachment and dyadic adjustment: the mediating role of shame
Authors: Martins, Teresa Maria Caldeira 
Orientador: Moreira, Helena
Keywords: Relações amorosas; Vinculação; Vergonha
Issue Date: 19-Sep-2013
Serial title, monograph or event: Adult attachment and dyadic adjustment: the mediating role of shame
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Nas últimas décadas, o funcionamento das relações amorosas e a satisfação conjugal têm sido alvo de muitos estudos, nomeadamente numa tentativa de compreensão dos principais factores que podem contribuir para a qualidade dos relacionamentos amorosos. A problemática da satisfação e qualidade conjugal assume cada vez maior relevância devido ao aumento progressivo das taxas de divórcio, que se tem também tornado mais precoce. Compreender o que pode comprometer o funcionamento diádico é importante para o desenho de estratégias de intervenção eficazes que conduzam a uma maior satisfação conjugal e qualidade dos relacionamentos amorosos. A maior parte dos estudos desenvolvidos neste contexto usou a teoria da vinculação como quadro conceptual. Esta teoria tenta explicar o modo como formas mais ou menos saudáveis de relações amorosas surgem como adaptações razoáveis a experiências sociais precoces. Mas se a relação entre a vinculação e a qualidade dos relacionamentos amorosos está já bem documentada, os mecanismos envolvidos continuam por esclarecer. Estes podem incluir variáveis individuais que são moldadas precocemente na interacção com figuras de vinculação e que afectem o funcionamento diádico, como é o caso da vergonha. No entanto, esta questão nunca foi investigada. Desta forma, o objectivo deste trabalho foi investigar o possível papel mediador da vergonha externa e interna na relação entre a vinculação do adulto e o ajustamento diádico. Para tal, foi desenvolvida uma bateria de instrumentos de auto-resposta para medir a vinculação do adulto, a vergonha externa e interna e o ajustamento diádico, e um questionário sócio-demográfico, que foram disponibilizados na internet. Estes foram acompanhados por um texto introdutório em que foram explicitadas todas as questões éticas, nomeadamente as garantias de confidencialidade e anonimato dos dados. A divulgação do trabalho e o convite para participação no mesmo foram feitos por correio electrónico. Através deste procedimento foi recolhida uma amostra composta por 228 sujeitos, maiores de 18 anos e envolvidos numa relação amorosa há pelo menos seis meses. Os dados obtidos foram sujeitos a análise estatística usando o programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS, versão 20.0) e a ferramenta informática PROCESS para análises de mediação (modelo de mediação 6 – mediação múltipla em série com duas variáveis mediadoras). Os resultados mostraram que níveis mais elevados de ansiedade e evitamento de vinculação estão associados a um pior ajustamento diádico através de níveis elevados de vergonha externa, que, por sua vez, está associada a uma elevada vergonha interna. Adicionalmente, observou-se que a vergonha interna pode actuar, de forma isolada, como mediador desta relação, o que já não acontece no caso da vergonha externa. Estes resultados salientam, então, a vergonha, particularmente, a vergonha interna, como um importante mediador da associação entre a vinculação do adulto e o ajustamento diádico. Estes dados são importantes não apenas pelo seu carácter inovador, mas também porque se identifica um processo psicológico que pode ser trabalhado com sucesso em contexto terapêutico e que é mais manejável do que os esquemas relacionais do indivíduo, nomeadamente os modelos dinâmicos internos. Ajudar o indivíduo a lidar com a vergonha de forma mais adaptativa poderá contribuir para um melhor funcionamento interpessoal e para uma vivência mais gratificante das relações amorosas e, desta forma, promover uma revisão dos esquemas interpessoais.
During the last decades, romantic relationships and marital functioning have been the target of many studies, namely in the attempt to clarify the main factors contributing to relationship quality. Intimate relationship functioning is gaining increasing scientific attention due to progressive increases in divorce rates, which is also occurring at earlier marriage times. Understanding of the factors that may compromise intimate relationships is critically important for the design of intervention strategies aimed at promoting a higher marital satisfaction and relationship quality. The majority of the studies has used the attachment theory as the conceptual framework, as it is believed that the enduring quality of attachment is a critical underlying feature of adult relationships and capacity for intimacy. Although the association between adult attachment and intimate relationship functioning is already well established, the mechanisms involved are still poorly understood. These may include individual factors that are shaped in early interactions with attachment figures and also impact dyadic functioning, such as shame. However, this issue has never been addressed. The present study aimed at investigating the mediating role of external and internal shame on the association between adult attachment and dyadic adjustment. For that, a battery of self-report measures of adult attachment, external and internal shame and dyadic adjustment, and a socio-demographic questionnaire were developed and made available online. This was accompanied by an introductory text in which all ethical issues and information regarding confidentiality were explained. An invitation for the participation in this study was spread by e-mail. This procedure allowed for the collection of a sample composed by 228 individuals, older than 18 years old and committed to a romantic relationship for at least six months. The data analyses were conducted using the Statistical Package for the Social Sciences (SPSS, version 20.0) and the computational tool for path-analysis based mediation analysis, PROCESS (model 6 – serial multiple mediation model with two mediator variables). The results showed that increased levels of attachment anxiety and avoidance are associated with a poorer dyadic adjustment, through higher levels of external shame, which is associated with high internal shame. In addition, the data demonstrated that internal shame alone may act as a mediator of the association between adult attachment and dyadic adjustment, which does not hold true for external shame. These findings highlight the importance of shame, particularly internal shame, as a mediator of the association between adult attachment and dyadic adjustment. Besides being an innovative contribution, these data are important because they allowed the identification of a psychological process that may be successfully targeted in therapy and is easier to handle than relational schemata, namely the internal working models. Helping individuals to deal with shame in a more adaptive fashion may contribute to a better interpersonal functioning and to a more gratifying experience of romantic relationships, which may promote revision of interpersonal schemata.
Description: Dissertação de mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde (Intervenções Cognitivo-Comportamentais nas Perturbações Psicológicas e da Saúde), apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/25373
Rights: openAccess
Appears in Collections:FPCEUC - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese_MIP_Teresa Martins_2013.pdf877.88 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

484
checked on Dec 10, 2019

Download(s) 50

340
checked on Dec 10, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.