Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/23406
Title: Uma acção vale mais que mil sensações?: O impacto da actuação, da multimodalidade e do tempo na memória de acções de adultos jovens e adultos idosos
Authors: Jordão, Magda Inês Oliveira 
Orientador: Pinho, Maria Salomé
Keywords: Envelhecimento; Componente motora
Issue Date: 2012
Serial title, monograph or event: Uma acção vale mais que mil sensações?: O impacto da actuação, da multimodalidade e do tempo na memória de acções de adultos jovens e adultos idosos
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Desde os anos 80 que a investigação (e.g., para revisão ver Zimmer, 2001), numa situação experimental que configura o paradigma subjectperformed task (SPT), tem vindo a dar conta da superioridade na evocação de instruções simples na condição de codificação actuada, comparativamente à condição de codificação verbal. Esta superioridade, designada de efeito de actuação, tem-se verificado para adultos jovens e, de modo menos consistente, para adultos idosos (e.g., Feyereisen, 2009). O presente estudo procurou aprofundar a compreensão do contributo da multimodalidade, implicada na presença do objecto, e da componente motora, implicada na acção, para o efeito de actuação, através dos conceitos de “recodificação” e “compensação”, propostos por Bäckman (1985a). Para tal, aplicou-se o paradigma SPT com manipulação do estado do objecto (presente ou ausente) e do tempo de codificação (rápido ou devagar). A amostra foi constituída por 32 adultos idosos, com idades entre os 63 e os 73 anos, sem sintomatologia depressiva nem indícios de declínio cognitivo, e 32 adultos jovens, com idades entre os 19 e os 27, também sem sintomatologia depressiva. Os grupos foram comparados em termos de aptidão verbal, não tendo sido encontradas diferenças. Os resultados revelaram que o efeito de actuação se mantém, mesmo sem objecto, apontando para o papel não necessário da multimodalidade, para adultos jovens e idosos. Nestes últimos, registou-se uma redução do tamanho do efeito para metade. Não parecem estar em causa processos de recodificação, apesar de subsistirem dúvidas em relação à sua efectiva restrição pela variável tempo. Quanto à compensação, para os adultos idosos, sem restrições de tempo, adicionar a multimodalidade à apresentação verbal levou a melhor desempenho do que adicionar a componente motora. Com restrições de tempo, o padrão inverteu-se. Já adicionar multimodalidade e componente motora à apresentação verbal é a mais benéfica das condições para a melhoria de desempenho dos adultos idosos. Além disto, apesar de não se revelar necessária para a obtenção do efeito de actuação, a multimodalidade parece ser necessária para não se detectarem diferenças entre grupos etários, no desempenho da memória de acções.
Since the 80s, the litterature (e.g., for a review see Zimmer, 2001), using an experimental setting referred to as subject-performed task (SPT) paradigm, has been reporting an enhancement in recall for the encoding of simple instructions when they are performed, compared with just verbal encoding. This superiority, termed as enactment effect, has been verified for younger adults, and, in a less consistent way, for older adults (e.g., Feyereisen, 2009). The present study attempted to explore the role of multimodality, engaged in the presence of objects, and the motor component, engaged in the action, in accounting for the enactment effect, using the concepts of “recoding” and “compensation”, proposed by Bäckman (1985a). With this purpose, the SPT paradigm was applied along with the manipulation of state of the object (present or absent) and time of encoding (fast or slow). Thirty-two older adults, aged between 63 and 73 years-old, without depressive symptoms neither signs of cognitive decline, and thirty-two younger adults, with ages between 19 and 27, also without depressive symptoms, participated in the experiment. These groups were compared with respect to their verbal skill, having showed no significant differences. The results showed an enactment effect, despite the absence of the object, pointing to the not necessary role of multimodality in the effect, for younger and older adults. For this last group, the magnitude of the effect was reduced in half. There is no direct evidence that recoding processes are taking place. Nevertheless, some doubts remain about time being actually restricting that processes. Concerning compensation, to older adults, with no time restrain, joining multimodality to verbal presentation of items resulted in a best performance compared to joining the motor component. With time restrain, the pattern reversed. Joining multimodality and motor component to the verbal presentation is the most advantageous condition to older adults’ memory improvement. Furthermore, despite multimodality does not reveal to be necessary for the enactment effect, it seems to be necessary to the absence of detected differences in the memory performance of groups.
Description: Dissertação de mestrado em Psicologia (Psicologia Clínica e Saúde - Psicogerontologia Clínica), apresentada à Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/23406
Rights: openAccess
Appears in Collections:FPCEUC - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Jordão2012_Uma acção vale mais que mil sensações.pdf685.82 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

419
checked on Oct 15, 2019

Download(s)

105
checked on Oct 15, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.