Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/23327
Title: O informal e o artesanal : pescadores e revendedeiras de peixe na Guiné-Bissau : fronteiras pós-coloniais : rigidez, heterogeneidade e mobilidade
Authors: Fernandes, Raul Mendes 
Orientador: Santos, Boaventura de Sousa
Meneses, Maria Paula
Issue Date: 10-Apr-2013
Publisher: FEUC
Citation: Fernandes, Raul Mendes - O informal e o artesanal : pescadores e revendedeiras de peixe na Guiné-Bissau : fronteiras pós-coloniais : rigidez, heterogeneidade e mobilidade. Coimbra, 2012
Abstract: Procura-se saber nesta tese o que significam o ‘informal’ e o ‘artesanal’ de que tanto se fala e pouco se sabe, situando a nossa compreensão nas experiências vividas na Guiné- Bissau. Quem são as pessoas do ‘informal’ e do ‘artesanal’? Como vivem e que percepções têm do seu modo de vida? Quais são as suas expectativas? Para responder a estas questões a nossa escolha recai sobre uma actividade particular, a pesca ‘artesanal’ na Guiné-Bissau. Esta actividade comporta três dimensões interligadas, as duas primeiras, a produção e a transformação, correspondem às dimensões recobertas pela classificação ‘artesanal’ e a terceira, a comercialização, recai sob a classificação de ‘informal’. Recorrendo aos estudos pós-coloniais e feministas, a tese visa, por um lado, desconstruir estas duas categorias homogeneizantes do discurso hegemónico, o informal e o artesanal, e, por outro, mostrar através das narrativas biográficas dos agentes desses espaços de subordinação, os pescadores e as revendedeiras de peixe na Guiné-Bissau, como os representam, como os vivem e como se afirmam como sujeitos sociais. O estudo parte da ideia de que a relação epistemológica é uma relação entre sujeitos e o conhecimento científico resulta da intersubjectividade como condição de inteligibilidade. A escuta da voz dos sujeitos é não só um procedimento metodológico, mas uma condição do próprio conhecimento dos sujeitos e da cidadania, quer seja da do autor na sua reflexividade, quer seja a voz dos “outros” sujeitos, ou das “outras”, com os quais o autor se relaciona nesta aventura epistemológica. Por conseguinte, a voz dos diversos sujeitos que se procura restituir neste estudo, a partir das suas “histórias de vida”, é uma prática de inter-relacionamento, de mútua tradução e de interconhecimento. A pesquisa foi realizado em quatro principais mercados e portos, Bissau, Bubaque, Cacheu, Farim. O inter-relacionamento que permitiu este estudo foi facilitado pelas trocas de experiência vivenciadas durante muitos anos entre o autor e os pescadores e as mulheres vendedeiras de pescado, efectuadas entre as ilhas Bijagós e Bissau, e viagens a Cacheu e Farim. Podemos assim dizer que o estudo procura participar na desconstrução da epistemologia colonial e sexista e contribuir para a emergência de novas “epistemologias do Sul”, sem as quais não haverá justiça social. A tese que se defende nesta dissertação consiste em afirmar que existe uma equivalência entre a dicotomia da diferença colonial, civilizado/indígena, e as dicotomias industrial/artesanal, formal/informal. Estas antinomias e hierarquias são produzidas pela colonialidade do poder. As realidades recobertas por estas duas categorias, informal e artesanal, fixadas pela razão colonial não podem, no entanto, ser apreendidas de forma disciplinar ou sectorial na medida em que as subjectividades e experiências dos sujeitos sociais a elas associadas transbordam os limites e as fronteiras impostas pelas lógicas de produção da não-existência inerentes à colonialidade de poder. As identidades diferenciadas desses sujeitos sociais são, ao mesmo tempo, respostas às diferentes formas de subordinação e expressões de um novo cosmopolitismo, o ‘cosmopolitismo no quotidiano’, construídas de forma transgressiva, multiforme e plural, isto é, heterárquica. A subordinação dos pescadores e das revendedeiras de peixe, a desvalorização dos seus conhecimentos, estão interligadas com uma política de transformação da natureza em recurso, do mar em recursos haliêuticos. O prosseguimento desta política poderá pôr em risco a sobrevivência destes grupos sociais e a sustentabilidade do ambiente onde agem e vivem.
Description: Tese de doutoramento em Sociologia (Pós-Colonialismos e Cidadania Global), apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra , sob a orientação de Boaventura de Sousa Santos e Maria Paula Meneses.
URI: http://hdl.handle.net/10316/23327
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Doutoramento
I&D CES - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
TESE - RAUL MENDES.pdf4.68 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

469
checked on Jan 29, 2020

Download(s) 5

2,115
checked on Jan 29, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.