Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/20800
Title: Percepção subjectiva de esforço e estilos de vida saudáveis em jovens adolescentes de ambos os sexos
Authors: Vaz, João Guilherme C. L. Dias 
Orientador: Martins, Raúl
Keywords: Estilos de vida; Percepção subjectiva de esforço
Issue Date: 2003
Abstract: Este trabalho tem como objectivo central, estudar a relação entre, a sensação subjectiva de esforço, e a frequência cardíaca, com vista à determinação do nível de percepção de esforço em jovens adolescentes. Verificou-se também hipotéticas relações entre a percepção do nível de esforço e algumas variáveis associadas com estilos de vida saudáveis. Para todos os sujeitos foi efectuado o controlo do desempenho cognitivo às disciplinas de Matemática e Português. Metodologia: Para a realização do estudo recorreu-se a uma amostra constituída por 30 indivíduos (18 do sexo masculino e 12 do sexo feminino), frequentadores do 12º ano da Escola Secundária de Avelar Brotero, em Coimbra, com idades compreendidas entre os 16 e os 20 anos. Para identificar os estilos de vida dos sujeitos foi usado um questionário, adaptado do questionário utilizado no projecto Aventura Social e Saúde, desenvolvido na Faculdade de Motricidade Humana. Relativamente à parte da percepção subjectiva de esforço, foi utilizado um teste máximo (Luc-Léger). Durante o decorrer da prova (final de cada patamar de esforço), e no final da mesma foi solicitado aos sujeitos que atribuíssem um valor à sua percepção de esforço, de acordo com a escala de Borg que lhes foi apresentada – CR-10. Simultaneamente foram registados os valores da frequência cardíaca, obtidos através do uso de um Polar Avantage NT . Para tratamento estatístico dos dados, foi utilizada a estatística descritiva e inferencial (correlação momento – produto de Pearson). Resultados: Os sujeitos em estudo tiveram uma fraca capacidade de percepcionar o seu esforço, revelando uma tendência para o subestimar. No entanto os rapazes comparativamente ás raparigas tiveram tendência para uma melhor percepção de esforço. Os indivíduos do sexo masculino que retiraram positiva a matemática tiveram uma boa percepção de esforço, ao contrário dos que retiraram negativa. Os rapazes que praticam actividade física semanal superior a 1 hora possuem boa percepção de esforço, mas no geral e em ambos os grupos, constatamos que um maior tempo de prática de actividade física leva a uma melhor percepção de esforço. Relativamente aos estilos de vida, os rapazes dormem mais, praticam mais actividade física, consomem mais álcool, drogas e fruta. Por outro lado o grupo das raparigas consoEste trabalho tem como objectivo central, estudar a relação entre, a sensação subjectiva de esforço, e a frequência cardíaca, com vista à determinação do nível de percepção de esforço em jovens adolescentes. Verificou-se também hipotéticas relações entre a percepção do nível de esforço e algumas variáveis associadas com estilos de vida saudáveis. Para todos os sujeitos foi efectuado o controlo do desempenho cognitivo às disciplinas de Matemática e Português. Metodologia: Para a realização do estudo recorreu-se a uma amostra constituída por 30 indivíduos (18 do sexo masculino e 12 do sexo feminino), frequentadores do 12º ano da Escola Secundária de Avelar Brotero, em Coimbra, com idades compreendidas entre os 16 e os 20 anos. Para identificar os estilos de vida dos sujeitos foi usado um questionário, adaptado do questionário utilizado no projecto Aventura Social e Saúde, desenvolvido na Faculdade de Motricidade Humana. Relativamente à parte da percepção subjectiva de esforço, foi utilizado um teste máximo (Luc-Léger). Durante o decorrer da prova (final de cada patamar de esforço), e no final da mesma foi solicitado aos sujeitos que atribuíssem um valor à sua percepção de esforço, de acordo com a escala de Borg que lhes foi apresentada – CR-10. Simultaneamente foram registados os valores da frequência cardíaca, obtidos através do uso de um Polar Avantage NT . Para tratamento estatístico dos dados, foi utilizada a estatística descritiva e inferencial (correlação momento – produto de Pearson). Resultados: Os sujeitos em estudo tiveram uma fraca capacidade de percepcionar o seu esforço, revelando uma tendência para o subestimar. No entanto os rapazes comparativamente ás raparigas tiveram tendência para uma melhor percepção de esforço. Os indivíduos do sexo masculino que retiraram positiva a matemática tiveram uma boa percepção de esforço, ao contrário dos que retiraram negativa. Os rapazes que praticam actividade física semanal superior a 1 hora possuem boa percepção de esforço, mas no geral e em ambos os grupos, constatamos que um maior tempo de prática de actividade física leva a uma melhor percepção de esforço. Relativamente aos estilos de vida, os rapazes dormem mais, praticam mais actividade física, consomem mais álcool, drogas e fruta. Por outro lado o grupo das raparigas consome mais tabaco, vegetais, fast-foods e bebe mais café e refrigerantes.
Description: Dissertação de licenciatura apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/20800
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCDEF - Vários

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese final.pdf2.01 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

203
checked on May 21, 2019

Download(s) 10

1,508
checked on May 21, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.