Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/20031
Title: Emoções na vida grupal: porque os grupos também sentem
Authors: Pinto, Elsa Cristina Fernandes 
Orientador: Lourenço, Paulo Renato
Keywords: Grupos; Convergência emocional; Emoções
Issue Date: 2009
Serial title, monograph or event: Emoções na vida grupal: porque os grupos também sentem
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Os grupos/equipas de trabalho são, hoje, realidades indissociáveis do mundo organizacional. Torna-se, por isso, importante conhecer o seu funcionamento e compreender as suas dinâmicas. O presente trabalho, partindo de uma perspectiva evolutiva dos grupos, teve como objectivo central analisar em que medida as diferentes fases de desenvolvimento grupal propostas pelo Modelo Integrado de Desenvolvimento Grupal de Miguez e Lourenço (2001) diferem entre si no que respeita às emoções manifestadas, falseadas, e suprimidas. Sob um ponto de vista exploratório, procurou-se, também, averiguar se os grupos diferem no grau de convergência emocional, em função da sua fase de desenvolvimento. Na prossecução deste objectivo, foi conduzido um estudo empírico, de natureza não experimental e centrado no nível de análise grupal, sustentado pelo recurso a dois questionários (a PJAWSN e o PDE). A amostra foi constituída por 71 equipas de trabalho, de diferentes tipos de organizações. No global, os resultados obtidos sugerem que a manifestação de emoções positivas e negativas se altera ao longo do percurso evolutivo do grupo e que, os grupos no início do seu desenvolvimento tendem a suprimir emoções. No que respeita ao falseamento de emoções e à convergência emocional não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas.
Today, the groups / working teams are inseparable realities of the organizational world. Therefore, it is important to understand its operation and its dynamics. The present work, basing on an evolutionary perspective of the groups, had as main purpose to analyze in what extent the different stages of group development proposed by the Integrated Model of Group Development of Miguez and Lourenço (2001) differ with regard to the emotions expressed, faked, and suppressed. In the sequence of this purpose, we lead an empirical study, with a non-experimental design, on team level, supported by the use of two questionnaires (PJAWSN and the PDE). The sample was consisted by 71 work teams, from different types of organizations. In general, the results suggest that the manifestation of positive and negative emotions changes during the evolution path of the group and that they tend to suppress those emotions at the beginning of their development. Concerning to the forgery emotions and emotional convergence in the statistics level, there were no significant differences.
Description: Dissertação de Mestrado Integrado em Psicologia das Organizações e do Trabalho apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/20031
Rights: openAccess
Appears in Collections:FPCEUC - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Elsa Pinto.pdf1.1 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

569
checked on Oct 20, 2020

Download(s)

40
checked on Oct 20, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.