Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/18459
Title: Polimorfismos genéticos e doenças cardiovasculares : estudo caso-controlo de um grupo de individuos vítimas de enfarte agudo do miocárdio
Authors: Machado, Ana Isabel Pessoa Pinto 
Orientador: Corte-Real, Francisco
Keywords: Enfarte do miocárdio; Doenças cardiovasculares; Polimorfismo genético
Issue Date: 2009
Citation: MACHADO, Ana Isabel Pessoa Pinto - Polimorfismos genéticos e doenças cardiovasculares : estudo caso-controlo de um grupo de individuos vítimas de enfarte agudo do miocárdio. Coimbra : [s.n.], 2011
Abstract: O Enfarte Agudo do Miocárdio é, em mais de 90% dos casos, uma manifestação clínica resultante de um processo aterosclerótico, que culmina, por processos embólicos ou trombóticos, na oclusão das artérias coronárias. As doenças cardiovasculares, incluindo o EAM, são uma das principais causas de mortalidade em Portugal e a nível global; prevê-se que a sua incidência continue a aumentar até ao ano 2025, especialmente nos países em vias de desenvolvimento. O controlo dos factores de risco (modificáveis) não se tem revelado totalmente eficaz na profilaxia do EAM, o que sugere que a predisposição genética pode ter um papel importante na sua etiologia. No presente estudo, recorreu-se a variantes genéticas causais putativas do EAM (SNPs) e procedeu-se a um estudo de associação directa. Seleccionaram-se cinco polimorfismos, supostamente funcionais, em genes candidatos biologicamente relevantes para a etiopatogenia do EAM, a saber: os genes que codificam a COX-2, a eNOS, o VEGF, o RAGE e o NPY. A COX-2 catalisa a conversão oxidativa do ácido araquidónico em prostaglandinas e tromboxano A2. Estas moléculas possuem efeitos vasculares muito diversos, como angiogénese, vasodilatação ou vasoconstrição, indução da produção de metaloproteinases da matriz ou da agregação plaquetar. A sobre-expressão de COX-2 em placas de ateroma sintomáticas foi relacionada com a instabilidade das mesmas. O polimorfismo T8473C do gene da COX-2 parece influenciar a estabilidade e degradação do seu RNAm e, assim, os níveis de expressão da enzima. A eNOS, em situações fisiológicas, converte L-arginina em Óxido Nítrico, um forte vasodilatador, anti-trombótico e anti-inflamatório. Na patologia aterosclerótica, a enzima produz sobretudo ião superóxido, que origina peroxinitrito por reacção com o Óxido Nítrico. Este produto promove a oxidação de LDL e de lípidos, aumenta a proliferação da íntima vascular, é trombogénico e pró-inflamatório. O polimorfismo G894T do gene da eNOS parece alterar a conformação da eNOS, aumentando a sua susceptibilidade à clivagem proteolítica, alterando assim a sua biodisponibilidade e a sua actividade. O VEGF e actua como citocina pró-inflamatória, potenciando o crescimento das lesões ateromatosas e é angiogénico, por activação do crescimento endotelial. Os neovasos produzidos no local das lesões possuem paredes frágeis e sofrem frequentemente hemorragia; nesta altura, o VEGF exerce uma acção trombogénica. Estudos demonstram que níveis elevados de VEGF estão relacionados com risco acrescido de EAM. O polimorfismo 936CT do gene do VEGF parece ter influência nos níveis de transcrição e na actividade do VEGF, uma vez que cria um local de ligação para a proteína activadora 4 (AP-4). O RAGE é o receptor dos produtos finais de glicosilação avançada. Da sua associação a estes produtos resulta quimiotaxia, acumulação e activação de células inflamatórias, proliferação de células de músculo liso e consequente estenose vascular, trombose e acumulação de LDL oxidadas. O aumento dos níveis de RAGE em placas de ateroma está associado a um maior desenvolvimento destas. O polimorfismo T-374A demonstrou estar relacionado especificamente com o grau de estenose vascular, o que poderá dever-se ao facto de influenciar a ligação de uma série de factores de transcrição, alterando a transcrição da proteína. O NPY é vasoconstritor, regula o metabolismo do colesterol, promove a activação plaquetária, a migração e activação de monócitos e é angiogénico. Pensa-se que níveis elevados de NPY estão associados a a progressão acelerada de aterosclerose, a níveis elevados de colesterol total e LDL e a isquémia do miocárdio. O polimorfismo T1128C no gene do NPY altera o péptido-sinal da proteína. Assim, este polimorfismo poderá alterar a expressão, o armazenamento e a cinética da libertação do NPY; de facto, parece influenciar as concentrações séricas de colesterol total e LDL e o grau de espessamento da íntima-média vascular. No presente estudo, não se encontrou associação estatisticamente significativa entre qualquer das variantes estudadas e a susceptibilidade à ocorrência de EAM, quando estudadas isoladamente. Encontrou-se, isso sim, uma associação estatisticamente significativa entre a presença simultânea do alelo C do polimorfismo T8473C da COX-2 e do alelo T do polimorfismo T-374A do RAGE e o risco de ocorrência de EAM. A homozigotia simultânea CC para o polimorfismo T8473C e TT para o polimorfismo T-374A esteve também significativamente associado a risco de ocorrência de EAM. O alelo C do polimorfismo T1128C do gene que codifica o NPY não foi encontrado na amostra estudada, pelo que esta variante continua por identificar na população portuguesa.
Description: Dissertação de mestrado em Medicina (Medicina Legal e Ciências Forenses), apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/18459
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese Final.pdf823.96 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

397
checked on Feb 25, 2020

Download(s) 50

410
checked on Feb 25, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.