Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/1754
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCosta, Ernesto Jorge Fernandes-
dc.contributor.authorFerreira, José Luís da Silva-
dc.date.accessioned2008-12-05T09:59:34Z-
dc.date.available2008-12-05T09:59:34Z-
dc.date.issued1999-10-29en_US
dc.identifier.citationContribuição para a aprendizagem por instrução em sistemas de planeamento. Coimbra, ed. aut., 1999. 292 p.-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/1754-
dc.descriptionTese de doutoramento em Engenharia Informática apresentada à Fac. de Ciências e Tecnologia da Univ. de Coimbra-
dc.description.abstractA capacidade de planear é uma característica de alguns agentes inteligentes, envolvendo o raciocínio sobre a utilização de acções, para alcançar objectivos pré-definidos. A capacidade de aprendizagem é outra característica de alguns agentes inteligentes, os quais são capazes de adquirir ou refinar o conhecimento de que necessitam para a resolução de problemas. Raciocinar sobre as acções exige o conhecimento de modelos das mesmas, os operadores, os quais necessitam ser codificados por um utilizador humano, ou adquiridos pelos sistema. Aprender a resolver problemas de planeamento pode envolver a aquisição ou refinamento dos operadores, a reutilização de soluções, ou outros mecanismos que permitam mais eficiência na resolução de problemas. A tese propõe a integração do utilizador no processo de aprendizagem, através de mecanismos de instrução e validação de experiências, como uma solução interessante para o problema da transferência de conhecimento do perito humano para o agente inteligente artificial, não experimentada anteriormente. A aprendizagem por instrução, através de uma estratégia de iniciativa mista, tira partido do utilizador, o qual instrui o agente, valida soluções e apresenta os seus próprios problemas e alternativas de solução. O agente tenta resolver os problemas, através do conhecimento de que dispõe, validando o mesmo, por experimentação, numa interacção dirigida por exemplos concretos de resolução de problemas. A aprendizagem por instrução exige do aprendiz capacidades de observação e de experimentação, iniciativa, e capacidade crítica relativamente à qualidade do que lhe é transmitido. O agente é ainda capaz de aprender com a experiência, mediante a aquisição de macro-operadores, para simplificar a construção de soluções futuras. Assim, a construção dos macro-operadores é guiada pela satisfação de objectivos, através de uma hierarquia que permitirá, utilizando processos adequados, a eficiente construção de novas soluções.en_US
dc.language.isoporpor
dc.rightsembargoedAccesseng
dc.subjectEngenharia Informáticaen_US
dc.titleContribuição para a aprendizagem por instrução em sistemas de planeamentoen_US
dc.typedoctoralThesisen_US
uc.controloAutoridadeSim-
item.fulltextSem Texto completo-
item.languageiso639-1pt-
item.grantfulltextnone-
crisitem.advisor.deptFaculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade de Coimbra-
crisitem.advisor.parentdeptUniversidade de Coimbra-
crisitem.advisor.researchunitCENTRE FOR INFORMATICS AND SYSTEMS OF THE UNIVERSITY OF COIMBRA-
crisitem.advisor.orcid0000-0002-8460-4033-
Appears in Collections:FCTUC Eng.Informática - Teses de Doutoramento
Show simple item record

Page view(s)

216
checked on Jun 30, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.