Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/1576
Title: Paleobiologia das populações medievais portuguesas : os casos de Fão e S. João de Almeida
Authors: CUNHA, Eugénia Maria Guedes Pinto Antunes da 
Keywords: Populações medievais -- Portugal; Paleoantropologia; Paleodemografia; Paleopatologia; Cemitérios medievais
Issue Date: 4-Nov-1994
Citation: CUNHA, Eugénia - Paleobiologia das populações medievais portuguesas : os casos de Fão e S. João de Almeida. Coimbra, 1994.
Abstract: Pretende-se reconstruir a vida e a morte do homem medieval português com base no que realmente resta dele: o seu esqueleto. É o esqueleto humano a base de toda a investigação deste trabalho. Há duas perspectivas fundamentais, a do mundo dos mortos e a do mundo dos vivos, sendo o esqueleto a ponte entre os dois mundos. Relativamente ao primeiro, são os dados da antropologia funerária que se tornam especialmente reveladores e é este o tipo principal de análise explorado para a Necrópole medieval de Fão. As condições desta Necrópole, que terá sido utilizada desde o século XI até ao século XIV inclusivé, por uma população dita natural de baixo nível sócio-económico, permitiram sobretudo analisar o mundo dos mortos: a grande fragmentação dos esqueletos limitou seriamente a reconstrução da vida. Assim, do trabalho de escavação, por nós realizado, de grande parte da que constitui, até ao momento, a maior necrópole medieval portuguesa (reune, pelo menos, cerca de 170 sepulturas) retiraram-se dados relativos, principalmente, à organização espacial do cemitério, posição de inumação, frequência de indivíduos por sepultura. Foi ainda assim possível determinar alguns parâmetros paleodemográficos inéditos tais como a esperança média de vida à nascença (27.7 anos) e proceder a uma estimativa do tamanho populacional. A outra população analisada, proveniente da Igreja de S. João de Almedina em Coimbra, datada dos séculos XII-XV, é constituída por cerca de uma centena de esqueletos num estado de preservação relativamente bom. Se para este caso não foi possível falar sobre o mundo dos mortos, já que não acompanhámos o trabalho de escavação, foi possível uma boa reconstrução da vida. Esta vai bem além da mera reconstrução morfológica. É sobretudo através das vertentes demográfica e patológica da análise paleobiológica que se tenta realmente entrar no mundo dos vivos. Assim tornaram-se conhecidas várias facetas do modus vivendi desta população medieval citadina com base em dados que vão desde a estrutura etária (pela primeira vez na Europa, obtém-se uma população medieval com uma proporção significativa de idosos), proporção sexual, patologia oral (reveladora, também, do tipo de dieta), patologia degenerativa articular e não articular ( esta última a tornar-se particularmente informativa relativamente ao tipo de ocupação profissional), patologia infecciosa, patologia traumatica e, finalmente, através da análise dos indicadores de stress, nomeadamente, linhas de Harris, hipoplasias do esmalte e hiperostose porótica.
Description: Tese de doutoramento em Antropologia, apresentada à Fac.de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/1576
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FCTUC Ciências da Vida - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ficheiro_temporario.pdf8.8 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

523
checked on Jul 16, 2019

Download(s)

73
checked on Jul 16, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.