Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/15475
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorFonseca, Pedro Miguel Pereira-
dc.contributor.advisorSilva, Manuel João Coelho e-
dc.contributor.authorVitorino, Ricardo Precatado-
dc.date.accessioned2011-07-07T15:18:28Z-
dc.date.available2011-07-07T15:18:28Z-
dc.date.issued2005-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/15475-
dc.descriptionDissertação de licenciatura apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbrapor
dc.description.abstractO propósito deste estudo foi correlacionar vários testes de tempo de reacção, de modo a verificar a magnitude das correlações. Foi caracterizado o tempo de reacção, nas suas componentes de tempo de reacção simples e complexo, em jovens de 11 e 12 anos, relativamente a factores de sexo, prática desportiva federada e idade. Para a concretização do estudo foram aplicados três testes de tempo de reacção simples com apresentação de um estímulo auditivo (Régua de Nelson, 1974; Jung e Wilkner, 1987 e Reflex), quatro testes de tempo de reacção simples com apresentação de um estímulo visual (Régua de Nelson,1974; Jung e Wilkner, 1987; Reflex e ERTS Lab Simples), dois testes de tempo de reacção complexo (ERTS Lab – Discriminativo e ERTS Lab - Escolha) A amostra foi constituída por 74 sujeitos, com 11 e 12 anos de idade, sendo 27 indivíduos federados do sexo masculino, 22 não federados do sexo masculino e 25 não federados do sexo feminino. As principais conclusões deste estudo foram: Verificámos que os coeficientes de correlação obtidos na maioria dos testes de tempo de reacção apresentaram uma baixa magnitude; Os sujeitos responderam mais rapidamente nos testes que apresentavam estímulos auditivos que nos testes que apresentavam um estímulo visual; Os sujeitos do sexo masculino revelaram, de uma forma significativa na maioria dos testes de tempo de reacção simples, um menor tempo de reacção. Contudo, os resultados dos testes de tempo de reacção complexo, parecerem indiciar uma tendência do sexo feminino em obter um tempo de reacção mais rápido; Os valores obtidos nos testes de tempo de reacção simples e complexo, revelaram que os sujeitos federados apresentam um menor tempo de reacção. Contudo, apenas nos testes de tempo de reacção simples é que se verificaram diferenças estatisticamente significativas; Relativamente à idade, não se verificaram diferenças estatisticamente significativas, apesar de os sujeitos de 12 anos terem sido mais rápidos a responder na maioria dos testes de tempo de reacção simples e complexo.por
dc.language.isoporpor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectCapacidades coordenativaspor
dc.subjectDesenvolvimento motorpor
dc.subjectTempo de reacçãopor
dc.titleAvaliação do tempo de reacção simples e complexo em jovens de 11 e 12 anospor
dc.typebachelorThesispor
dc.peerreviewedYespor
item.fulltextCom Texto completo-
item.grantfulltextopen-
item.languageiso639-1pt-
Appears in Collections:FCDEF - Vários
Files in This Item:
File Description SizeFormat
Dissertação de licenciatura.pdf635.64 kBAdobe PDFView/Open
Show simple item record

Page view(s) 20

628
checked on Jan 15, 2020

Download(s) 20

763
checked on Jan 15, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.