Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/12003
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorFerreira, José Pedro Leitão-
dc.contributor.advisorGaspar, Pedro Miguel Pereira-
dc.contributor.authorCerdeira, Rui Filipe Fernandes-
dc.date.accessioned2009-11-16T14:15:21Z-
dc.date.available2009-11-16T14:15:21Z-
dc.date.issued2009-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/12003-
dc.descriptionDisponível em suporte de papel na Biblioteca da FCDEF-UCen_US
dc.description.abstractO presente estudo insere-se no âmbito do seminário “Motivação, ansiedade e burnout em jovens atletas” e teve como objectivo principal a realização de um estudo acerca das dimensões das variáveis psicológicas, burnout, ansiedade e motivação em jovens atletas, praticantes da modalidade de Basquetebol, na época 2008/2009. Ele teve, além disso, como objectivos específicos: 1) Descrever, caracterizar e discutir as médias obtidas pelos jovens atletas, para cada uma das variáveis psicológicas estudadas; 2) Observar a relação existente entre as escalas de burnout, ansiedade e motivação; 3) Estudar a relação existente entre, anos de experiência, número de sessões semanais, sexo e a importância do evento e as habilidades psicológicas em estudo. Este estudo contou como uma amostra de 49 atletas, de ambos os géneros (18 do sexo feminino e 31 do sexo masculino), praticantes da modalidade de Basquetebol, a competir no campeonato nacional – iniciados femininos – e no campeonato distrital – iniciados masculinos –, com idades compreendidas entre os 11 e os 14 anos. Num primeiro momento, foram aplicados os questionários TEOSQ – “Questionário de Orientação Motivacional para o Desporto”, o SAS2d – “Questionário de Reacções à Competição ” e ainda o de recolha de dados demográficos dos atletas. Seguidamente, cerca de uma semana antes de um jogo considerado pouco importante pelos atletas, foi aplicado o RESTQ – “Questionário de Stress e Recuperação para Atletas” e ainda, cerca de uma hora antes do desafio, o CSAI-2d – “Questionário de Auto-Avaliação Pré- Competitiva”. Por último, cerca de uma semana antes de um desafio considerado fácil pelos atletas, foi aplicado, novamente o RESTQ e, cerca de uma hora antes desse desafio, novamente o CSAI-2d. Para análise e tratamento estatístico dos dados recorreu-se ao programa “Statistical Package for Social Siences” – (S.P.S.S.) –, para Windows (versão 16.0). Os principais resultados encontrados foram: 1) No que diz respeito às sub-escalas do Traço de ansiedade, é a preocupação que apresenta valores mais elevados, enquanto que a que apresenta valores mais baixos é a perturbação da concentração (embora com valores muito inferiores aos encontrados nos estudos); 2) No que concerne às sub-escalas do Estado de ansiedade, aquela que apresenta valores médios mais elevados é a auto-confiança, enquanto que a ansiedade somática apresenta valores médios mais baixos (também em ambos os momentos). [Escrever texto] 3) Num primeiro momento, constatou-se que existe uma relação positiva entre o traço de ansiedade, estado de ansiedade e stress geral, sendo que a valores mais elevados de traço de ansiedade correspondem valores aumentados de estado de ansiedade e stress geral. No entanto, num segundo momento, essa relação positiva não foi demonstrada, pois as três sub-escalas do traço de ansiedade relacionaramse de forma negativa e significativa com algumas das sub-escalas do estado de ansiedade (ansiedade cognitiva). Esses valores poderão dever-se ao facto de os atletas terem aprendido a controlar os seus níveis de ansiedade; 4) Relativamente às hipóteses 2,3,4,5 e 6 não se obtiveram quaisquer valores significativos, não se confirmando, deste modo, as hipóteses propostas. No entanto, no que diz respeito à hipótese 3, os valores médios demonstram uma ligeira relação negativa entre os anos de prática e a ansiedade somática e a ansiedade cognitiva. Do mesmo modo, no que diz respeito à hipótese 4, embora também não se obtenham diferenças significativas, os valores médios indicam uma leve tendência para que quanto mais anos de experiência os atletas tiverem, maior seja a sua orientação para a tarefa. Por último, no que diz respeito à hipótese 5, embora também não se tivessem verificado diferenças significativas entre o sexo dos atletas e os níveis de stress, os valores médios indicam uma leve tendência para as atletas do sexo feminino apresentarem maiores níveis de stress, quando comparados com os atletas do sexo masculino.en_US
dc.language.isoporen_US
dc.rightsopenAccessen_US
dc.subjectPsicologia do desportoen_US
dc.subjectJovens atletasen_US
dc.subjectStressen_US
dc.subjectAnsiedadeen_US
dc.subjectQuestionáriosen_US
dc.titleMotivação, Ansiedade e Burnout em Jovens Atletasen_US
dc.typebachelorThesisen_US
item.fulltextCom Texto completo-
item.grantfulltextopen-
Appears in Collections:FCDEF - Vários
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Agradecimentos e Resumo.pdf15.58 kBAdobe PDFView/Open
capa.pdf321.73 kBAdobe PDFView/Open
contra-capa.pdf311.12 kBAdobe PDFView/Open
Trabalho final.pdf254.5 kBAdobe PDFView/Open
Show simple item record

Page view(s)

181
checked on May 22, 2019

Download(s) 20

619
checked on May 22, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.