Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/11814
Title: Abordagem Invasiva versus Conservadora nas Síndromes Coronárias Agudas sem Supradesnivelamento do Segmento ST – Contributo para o Conhecimento e Avaliação da Realidade Nacional
Other Titles: Invasive versus conservative strategy in non-ST elevation acute coronary syndromes: data from a single Portuguese center
Authors: Teixeira, Rogério 
Lourenço, Carolina 
Baptista, Rui 
Jorge, Elisabete 
António, Natália 
Monteiro, Sílvia 
Gonçalves, Francisco 
Monteiro, Pedro 
Freitas, Mário 
Providência, Luís A. 
Keywords: Síndromes coronárias agudas sem supra-desnivelamento do segmento ST; Abordagem invasiva; Prognóstico no final do primeiro ano
Issue Date: Apr-2009
Publisher: Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Citation: Revista Portuguesa de Cardiologia. 28:4 (2009) 355-373
Abstract: Introdução: As recomendações mais recentes reforçam a importância de uma abordagem invasiva no contexto das síndromes coronárias agudas (SCA) sem supradesnivelamento do segmento ST. No entanto, o prognóstico deste tipo de abordagem é ainda objeto de discussão. Objectivo: Comparar o prognóstico intra- -hospitalar e a médio prazo de uma abordagem invasiva versus conservadora nas SCA sem supradesnivelamento do segmento ST. População e métodos: Estudo prospectivo, observacional e longitudinal de 802 doentes consecutivamente admitidos com SCA sem supradesnivelamento do segmento ST numa única unidade de cuidados intensivos coronários. Os doentes foram divididos em dois grupos: Grupo A (n=418) – abordagem invasiva; Grupo B (n348) – abordagem conservadora. Foi realizado um seguimento clínico de um ano para avaliar a mortalidade de qualquer etiologia e o resultado combinado de eventos cardiovasculares significativos. Resultados: Os doentes do grupo B eram mais frequentemente do género feminino, mais idosos [64,0 (27 – 86) versus 73,0 (29 – 93) anos, p<0,001], mais diabéticos (26,0 versus 35,9% p=0,002), tinham maior prevalência de enfarte agudo do miocárdio, insuficiência cardíaca e fibrilhação auricular prévios. Apresentaram valores médios inferiores de creatinina, hemoglobina iniciale mínima, e de fração de ejeção do ventrículo esquerdo [57,0 (50 – 60) versus 53,0 (45-59) %, p<0,001]. Os doentes do grupo A eram mais fumadores, tinham mais antecedentes de intervenção coronária prévia, estavam em classes Killip inferiores na admissão, e apresentavam um score de risco TIMI também inferior. Durante o internamento receberam mais anti-agregantes plaquetares, inibidores das glicoproteínas IIb/IIIa, beta bloqueantes e iECAs. A taxa de mortalidade intra-hospitalar foi significativamente superior no grupo B (1,9% versus 5,7%, p=0,0041). O género feminino (OR ajustado 0,46; 95% CI 0,27 – 0,78), e uma idade superior a 66,5 anos (OR ajustado 0,55; 95% CI 0,31 – 0,99) foram preditores independentes para a opção por uma abordagem conservadora durante o internamento. A sobrevida no final do primeiro ano foi superior para os doentes admitidos numa abordagem invasiva (95,9% versus 86,2%, log rank p <0,001), bem como a sobrevida livre de “MACE” (88,3% versus 75,7%, log rank p <0,001). De acordo com dois modelos de análise multivariada de Cox, a opção por uma abordagem invasiva durante o internamento conferiu uma redução de 57% do risco relativo de morte (HR 0,43; 95% CI 0,20 – 0,94), e de 56% do risco relativo de “MACE” (HR 0,44; 95% CI 0,26 – 0,77) no final do seguimento clínico. Conclusões: Apesar das diferenças entre os grupos, na nossa população foi verificada em análise multivariada o benefício da abordagem invasiva no prognóstico intra-hospitalar e a médio prazo.
URI: http://hdl.handle.net/10316/11814
ISSN: 0304-4750
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Artigos em Revistas Nacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Abordagem Invasiva versus Conservadora nas Síndromes Coronárias Agudas.pdf564.89 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

202
checked on Dec 10, 2019

Download(s)

64
checked on Dec 10, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.