Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10316/111491
Title: O papel da microbiota na Síndrome do Intestino Irritável
Other Titles: The role of microbiota in irritable bowel syndrome
Authors: Fernandes, Inês de Sousa
Orientador: Santos, Lélita Conceição
Mendes, Patrícia Filipa Afonso Pais Pacheco
Keywords: SII; Microbiota; Disbiose; Dieta; IBS; Microbiota; Dysbiosis; Diet
Issue Date: 12-Jun-2023
Serial title, monograph or event: O papel da microbiota na Síndrome do Intestino Irritável
Place of publication or event: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
Abstract: Irritable Bowel Syndrome (IBS) is a chronic functional gastrointestinal pathology, without an identifiable organic cause, characterized by various symptoms such as abdominal pain and discomfort, abdominal distension, flatulence and changes on the frequency and consistency of stools. The diagnosis is made with the ROME IV criteria which is a symptom-based diagnostic method defined in June 2016.This pathology as a prevalence of 9-23% of the world population and is more common in women. The prevalence has been increasing due to the growth of the amount of information that people have access to and by the massive adoption of western diets. Therefore, it is important to have a better understanding of the pathophysiology of the disease, to achieve better symptomatic control and increase the patient's quality of life.Despite the multifactorial component of IBS, it is thought that the microbiota has a very important role in the pathogenies of the disease. This review focuses on the differences between the composition of the microbiota of an individual with IBS and the microbiota of an healthy control, explains the pathophysiological mechanism associated with these alterations and describe how they provoke the symptomatic complaints of patients.The obtained results allow us to deduce which therapeutic hypotheses can be applied. To reach safer conclusions more studies will be needed, however this review intends to be a starting point, gathering the most recent information on the pathology and pointing the subjects where future investigations should focus.
A Síndrome do Intestino Irritável (SII) é uma patologia gastrointestinal funcional crónica, sem uma causa orgânica identificável, caracterizada por sintomas como dor ou desconforto abdominal, distensão abdominal, flatulência e alterações na frequência e consistência de dejeções. O diagnóstico é realizado através dos critérios de ROMA IV, estes são um método de diagnóstico baseado em sintomas, definido em junho de 2016. É uma patologia com uma prevalência de 9-23% na população mundial, mais comum em mulheres. A prevalência tem vindo a aumentar devido ao crescente acesso a informação por parte da população e também a adoção massiva de dietas ocidentais. Sendo assim, é importante compreender melhor a fisiopatologia da doença, de forma a conseguir fazer um melhor controlo sintomático e aumentar a qualidade de vida dos doentes. Apesar do componente multifatorial da SII pensa-se que a microbiota desempenha um papel muito importante na sua patogénese. Esta revisão incide sobre quais as diferenças de composição entre a microbiota de um indivíduo com SII e um controlo saudável, quais os mecanismos fisiopatológicos associados a essas alterações e como estes provocam as queixas sintomáticas dos doentes.Os resultados obtidos permitem fazer elações acerca das várias hipóteses terapêuticas que podem ser aplicadas. Serão necessários mais estudos para se atingirem conclusões mais seguras, no entanto esta revisão é um ponto de partida que resume toda a informação mais recente acerca da patologia e apresenta os pontos nos quais devem incidir as investigações futuras.
Description: Trabalho Final do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: https://hdl.handle.net/10316/111491
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File SizeFormat
Inês Fernandes- Tese Mestrado MIM.pdf558.34 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

23
checked on May 15, 2024

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons