Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/87630
Title: Sons do Império, vozes do Cipale: canções tucokwe, poder e trabalho durante o colonialismo tardio na Lunda, Angola
Authors: Valentim, Isabel Cristina Sá Gonçalves
Orientador: Martins, Catarina
Roque, Ricardo
Keywords: Angola – Lunda; Cokwe; Diamang – Museu do Dundo; Folclore Musical; Trabalho Contratado; Colonialismo Português; Diamang – Dundo Museum; Folk Music; Forced Labour – Portuguese Colonialism
Issue Date: 21-Mar-2019
Project: eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH%2FBD%2F85530%2F2012/PT 
Abstract: Esta tese explora as complexidades das relações coloniais de dominação e resistência a partir de práticas que tiveram como denominador comum a música africana e o trabalho forçado no nordeste angolano. O objeto de estudo são as canções coletadas pela “Missão de Recolha de Folclore Musical” (1950-1960) da Companhia de Diamantes de Angola (Diamang), com particular ênfase nas canções evocativas do cipale (designação local africana para o trabalho forçado ou contratado) gravadas durante a década de 1950 no seio do povo Cokwe. Essas canções, interpretadas por africanos, incluindo trabalhadores contratados, foram integradas nos repertórios dos chamados “Grupos Folclóricos Indígenas” organizados pelo Museu do Dundo. Na forma de discos e bobinas em coleções de “Folclore Musical de Angola”, essas canções africanas foram divulgadas a nível nacional e internacional entre África, Europa e América através de exposições, concertos, conferências, estudos musicológicos, programas na rádio e notícias na imprensa e na televisão. Dessa forma, as canções do leste angolano, folclorizadas no contexto das relações coloniais capitalistas da Diamang, passaram a circular fora de África, em diferentes espaços e a diferentes escalas. O objetivo geral deste estudo é duplo. Por um lado, pretende-se compreender as múltiplas formas pelas quais as canções, coletadas no âmbito da “Missão de Recolha”, participaram no sistema colonial português, extractivista e capitalista, visto a partir da Lunda e a partir das circulações das canções gravadas. Por outro lado, pretende-se contribuir para conferir visibilidade às experiências e significados propriamente africanos associados a essas canções, do ponto de vista dos idiomas culturais das sociedades tucokwe da Lunda. Apesar de sujeitas aos modos coloniais de folclorização, argumenta-se, as canções do cipale permitiram aos/às africanos/as ter voz própria no seio de uma realidade violenta e opressora contrária, em princípio, à expressão das suas subjetividades. Para tanto, este estudo reconstrói criticamente a história da produção colonial das canções gravadas, que contempla os processos de criação, de recolha, de gravação, de classificação e de circulação de canções convertidas em coleções coloniais de Folclore Musical de Angola; ao mesmo tempo que recupera, a partir de trabalho etnográfico e história oral, os significados e os usos africanos das canções no seio das vivências coloniais quotidianas do passado. Sugere-se que parte dessas canções gravadas, e o processo de folclorização de que foram alvo, serviram tanto propósitos de dominação colonial como responderam a vários interesses das comunidades africanas. Essas canções não só funcionaram como ferramentas complexas de dominação colonial úteis ao projeto colonial português, como também foram instrumentos de expressão cultural autónoma e, até, de crítica ao poder colonial, para os/as africanos/as. As canções revelam uma pletora de modos africanos de participação no regime capitalista colonial português da Diamang, denotando várias formas de apropriação e de ressignificação africana da opressão colonial e do trabalho contratado/forçado. Esta investigação recorre a uma metodologia interdisciplinar combinando uma interpretação antropológica orientada por pesquisa etnográfica com fontes arquivísticas escritas, visuais e sonoras, e testemunhos orais de atores angolanos e portugueses.
This dissertation explores the complexities of the colonial relations of domination and resistance arising from practices that had in common African music and forced labour in the Angolan northeast. This study focus on the songs collected by the "Mission of Folk Music Collection" (1950-1960) of the Diamond Company of Angola (Diamang), with particular emphasis on the evocative songs of the cipale (local African designation for forced labour) recorded during the 1950s within the Cokwe people. These songs, sung by Africans, including forced laborers, were put into the repertoires of the so-called "Indigenous Folk Groups" organized by the Dundo Museum. Recorded on discs and reels in collections of "Angolan Folk Music", these African songs were released between Africa, Europe and America throughout exhibitions, concerts, conferences, musicological studies and also on radio, press and television broadcast. Through these circulations, the Angolan East songs, folklorized in the context of the capitalist colonial relations of Diamang, began to spread outside Africa, in different spaces and at different scales. The general propose of this study is twofold. On the one hand, the aim is to understand the multiple ways in which the songs collected within the "Mission of Folk Music Collection" participated in the Portuguese colonial system, both extractive and capitalist, seen from Lunda and from the circulations of the recorded songs. On the other hand, it intends to visibilize the experiences and meanings of the African people associated with these songs, from the point of view of the cultural languages of the Tucokwe societies of Lunda. Although subjected to the colonial modes of folklorization, it is argued that the songs of the cipale allowed the Africans to have their own voices within a violent and oppressive reality, in principle, contrary to the expression of their subjectivities. In order to do so, this study critically reconstructs the history of the colonial production of the recorded songs, which contemplates the processes of conception, collection, recording, classification and circulation of songs converted into the colonial collections of Angolan Folk Music; at the same time it recovers, from ethnographic fieldwork and oral history, the meanings and the African uses of the songs within the colonial experiences of the past. It is suggested that part of these recorded songs, and the process of folklorization that they were aimed at, served both purposes of colonial domination and responded to various interests of African communities. These songs not only functioned as complex tools of colonial domination useful to the Portuguese colonial project, but also functioned for Africans as instruments of agency and, even, of critique of colonial power. The songs reveal a plethora of African ways of participating in the Portuguese colonial capitalist regime of Diamang, denoting various forms of African appropriation and re-signification of colonial oppression and forced labour. This research uses an interdisciplinary methodology combining an anthropological interpretation and ethnographic research with written, visual and sound archival sources, and oral testimonies of Angolan and Portuguese actors.
Description: Tese de Doutoramento em Pós-Colonialismos e Cidadania Global, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/87630
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat Login
Sons do Império.pdf11.09 MBAdobe PDFEmbargo Access    Request a copy
Show full item record

Page view(s)

131
checked on Jul 29, 2020

Download(s)

5
checked on Jul 29, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.