Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/87607
Title: Composição corporal e desempenho em protocolos ergométricos de curta e média duração: estudo em atletas masculinos de desportos de combate
Authors: Silva, Miguel Alexandre Guerreiro Leitão da
Orientador: Coelho-e-Silva, Manuel
Valente-dos-Santos, João
Keywords: Desportos de combate; morfologia; composição corporal; tecido ósseo; vias metabólicas; aeróbio; anaeróbio; limiares ventilatórios; alometria; modelos alométricos
Issue Date: 9-Jul-2019
Abstract: A popularidade e mediatização dos desportos de luta tem originado fortes mudanças ao nível da dimensão científica do treino e da convivência interdisciplinar. A presente tese foca-se na caracterização multidimensional de atletas de desportos de combate, nomeadamente a nível morfológico, composição corporal e vias metabólicas. Sete são as disciplinas estudadas, das quais quatro são olímpicas (Boxe, Taekwondo, Lutas Amadoras, Judo). A amostra foi de 59 atletas que nem sempre foram considerados na sua totalidade. Para os estudos 1 e 2 fez-se uma divisão em dois grandes grupos, designados por “Percussão” (Boxe, Kickboxing, Karaté, Taekwondo), e “Preensão” (Judo, Jiu-jitsu Brasileiro e Lutas Amadoras). O critério para a divisão foi o gesto técnico de base das modalidades. No primeiro grupo as ações baseiam-se na aplicação de golpes contundentes, utilizando os membros superiores e inferiores para atingir o adversário, marcando assim mais pontos, provocando a sua desistência ou o knockout. Já o segundo, os golpes não são permitidos e as ações são de puxar, derrubar, imobilizar, tendo como objetivo marcar mais pontos que o oponente, provocar a sua imobilização ou desistência por submissão. A tese é dividida em três estudos distintos que se projetam numa sequência lógica. O objetivo do estudo 1 circunscreve-se à caracterização morfológica e à comparação destes dois grupos distintos de modalidades de combate (percussão: n=31; preensão: n=24), utilizando metodologias concorrentes de avaliação da composição corporal. Assim os sujeitos foram submetidos a avaliações multimodais, onde se pode observar as variações dos valores médios obtidos na avaliação pelas diferentes metodologias. Foi utilizada a bioimpedância, onde foi possível aceder à água corporal total, intracelular e extracelular; a pletismografia de ar deslocado, obtendo assim os resultados do volume corporal; por fim a absorciometria de raios-X de dupla energia (DXA), a qual forneceu os valores do conteúdo mineral ósseo total e por regiões. No segundo estudo, caracterizou-se e comparou-se o perfil metabólico dos atletas destas modalidades, onde se faz igualmente a divisão entre percussão (n=20 e n=31, VO2max e Wingate, respetivamente) e preensão (n=24). Para avaliar o consumo máximo de oxigénio (VO2max) foi utilizado um teste de corrida incremental por patamares de um minuto, numa passadeira monitorizada, em que o primeiro patamar se inicia a uma velocidade de 8km.h-1, com incrementos subsequentes de 1km.h-1 a cada minuto, mantendo durante todo o teste, a inclinação inicial de 2% até à exaustão. Já para a avaliação do pico de potência (W; W.kg-1) e potência média (W; W.kg-1), foi usado o teste de Wingate de 30 segundos para os membros inferiores, com recurso a um cicloergómetro monitorizado. Para concluir, o estudo 3 (n=59) teve como objetivo examinar a variabilidade interindividual do VO2max, usando técnicas de alometria para explorar o efeito de descritores de tamanho de corpo inteiro e apendiculares concorrentes na totalidade da amostra (n=59). A partir dos resultados dos três estudos, retiram-se as seguintes conclusões principais: (i) níveis reduzidos de massa gorda como característica transversal nas modalidades de combate; (ii) níveis de densidade mineral óssea elevados, quando comparados com a população em geral, sendo que as modalidades de preensão, quiçá devido à sua componente de quedas, apresentam valores ligeiramente superiores no trem superior, comparativamente às modalidades de percussão; (iii) contributo essencial da via aeróbia, tanto na recuperação entre rounds, como na recuperação entre lutas, sendo que não existem diferenças nos parâmetros ventilatórios (VO2max e respetivos limiares) entre os dois grupos de modalidades; (iv) contributo essencial da via anaeróbia, essencial nas ações decisivas nos combates, sejam elas nas sequências explosivas de golpes ou projeções que podem ditar o fim da luta ou ao aguentar as investidas e contra-atacar de forma vigorosa. Aqui também a tendência se manteve, não existindo diferenças nos resultados do teste de Wingate, quer ao nível do pico de potência ou da potência média; (v) a massa dos membros inferiores produziu os coeficientes alométricos mais pronunciados e combinada com a massa isenta de gordura produziu a solução multiplicativa mais eficaz para explicar o VO2max em atletas de desportos de combate. Já os modelos alométricos simples mostraram que a massa isenta de gordura foi o fator mais explicativo para o VO2max.
Description: Tese de Doutoramento em Ciências do Desporto, no ramo de Treino Desportivo, apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física
URI: http://hdl.handle.net/10316/87607
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCDEF - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s)

379
checked on Jun 8, 2021

Download(s)

226
checked on Jun 8, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.