Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/87533
Title: Since Why is Difficult: The Representation of Violence and Trauma in African-American and Afro-Caribbean Literature by Women: Autobiography, Fiction, and Subjectivity in the Bildungsroman
Authors: Cholant, Gonçalo Piolti
Orientador: Caldeira, Isabel
Keywords: Trauma; VIolence; Representations of Violence; Literature; African-American Literature; Afro-Caribbean Literature; Jamaica Kincaid; Edwidge Danticat; Toni Morrison; Bell hooks; Literatura Afro-Americana; LIteratura Afro-Caribenha; American Studies; Estudos Americanos; Violência; Representações da Violência; Literatura; Autobiografia; Coming-of-Age narratives; Narrativas de Formação
Issue Date: 24-May-2019
Project: SFRH/BD/103174/2014 
Abstract: The present work deals with the representation of trauma and violence in coming-of-age stories written by African-American and Afro-Caribbean women authors in the United States. The kinds of violence explored in this work are related to the post-colonial condition the women protagonists experience, in which racism, sexism, classism, among other kinds of discrimination, are co-created in an intersectional experience of oppression. The titles analyzed in this work are: Lucy (1990), written by Jamaica Kincaid; Breath, Eyes, Memory (1994), written by Edwidge Danticat; Bone Black – Memories of Girlhood (1996), written by bell hooks; and God Help the Child (2015), written by Toni Morrison. The Bildungsroman genre serves as the form with which the authors are able to display the different forms of violence experienced during the the process of growing up female and black in the United States, and also in the Caribbean islands of Antigua and Haiti, in the cases of Kincaid and Danticat respectively. The coming-of-age stories written by women, and more specifically by African-American and Afro-Caribbean women, tend to showcase narratives in which the tensions between the protagonists’ self-determination and the influence of social and cultural factors in their development opportunities are negotiated. The genre is adapted and subverted by the authors, deviating from its canonical European origins, becoming a site in which the authors are able to represent different kinds of violence, and the subsequent traumatic consequences caused by it. Through the perspective of the Sociology of Absences (Santos), the analisys focuses on bringing to the fore types of violence that have previously been made invisible by colonialism, as creative work may more clearly see beyond the abysmal line, serving as a form of analysing realities that are often not perceived in their entirety. Literature turns out to be a space of resistance, in which the representation of violence and trauma, to some extent, becomes possible, serving as a tool for the denounciation of violence and trauma, in addition to becoming a tool for the overcoming of trauma.
O presente trabalho lida com a representação do trauma e da violência em narrativas de formação escritas por autoras Afro-Americanas e Afro-Caribenhas nos Estados Unidos. Os tipos de violência explorados pelas neste trabalho estão relacionados com a condição pós-colonial vividas pelas protagonistas, na qual racismo, sexismo, classismo, dentre outras formas de discriminação são co-formadas em uma experiência interserccional de opressão. Os títulos analizados neste trabalho são: Lucy (1990), escrito por Jamaica Kincaid; Breath, Eyes, Memory (1994), escrito por Edwidge Danticat; Bone Black – Memories of Girlhood (1996), escrito por bell hooks; e God Help the Child (2015), escrito por Toni Morrison. O gênero literário Bildungsroman serve como a forma com a qual as autoras são capazes de demonstrar as differentes formas de violência vividas pelas protagonistas durante o processo de crescimento como mulheres e negras nos Estados Unidos, e também nas ilhas Caribenhas de Antígua e Haiti, nos casos de Kincaid e de Danticat respectivamente. As narrativas de fomação escritas por mulheres, e mais especificamente por mulheres afro-americanas e afro-caribenhas, tendem a demonstrar percursos em que as tensões entre a autodeterminação das protagonistas e as influências sociais e culturais que incidem sobre as suas oportunidades de desenvolvimento são negociadas. O gênero literário em questão é adaptado e subvertido pelas autoras, desviando-se de sua forma canônica europeia, tornando-se um espaço em que as autoras são capazes de representar diferentes formas de violência e as subsequentes consequências traumáticas causadas pela mesma. Através da perspectiva da Sociologia das Ausências (Santos), a análise concentra-se em trazer para o primeiro plano tipos de violência que foram previamente construídos como invisívies pelo colonialismo, já que a escrita de cariz criativo é capaz de mais claramente ver além da linha abissal, servindo como uma forma de análise de realidades que frequentemente não são inteiramente percebidas. A literatura acaba por ser uma espaço de resistência, no qual a representação da violência e do trauma, até algum ponto, torna-se possível, servindo como ferramenta para a denúncia da violência e do trauma, além de tornar-se uma ferramenta no processo de superação do trauma.
Description: Tese de Doutoramento em Línguas Modernas: Culturas, Literaturas, Tradução, no ramo de Culturas e Literaturas, apresentada ao Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/87533
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Estudos Anglo-Americanos - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s)

184
checked on Jun 23, 2021

Download(s) 50

681
checked on Jun 23, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.