Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/80694
Title: As histórias do depois: processos identitários na trajetória de moçambicanos “brancos” em Maputo e Tete após a independência de Moçambique
Authors: Rocha, Fabrício Dias da 
Orientador: Meneses, Maria Paula
Noa, Francisco Dos Santos
Keywords: (Re)construção de identidades; Estudos pós-coloniais; Moçambicanos “brancos”; Moçambique; Processos de identificação social; Identities (re)constructions; Postcolonial studies; “White Mozambicans”; Mozambique; Social identification processes
Issue Date: 17-Jul-2018
Citation: ROCHA, Fabrício Dias da - As histórias do depois : processos identitários na trajetória de moçambicanos “brancos” em Maputo e Tete após a independência de Moçambique. Coimbra : [s.n.], 2018. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/80694
Project: info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH/BD/91333/2012/PT/HISTÓRIA DO ‘DEPOIS’: MEMÓRIA E CONFORMAÇÃO DE IDENTIDADE NA TRAJECTÓRIA DE MOÇAMBICANOS BRANCOS EM MAPUTO APÓS A INDEPENDÊNCIA DE MOÇAMBIQUE. 
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Esta tese de doutorado procura contribuir para o debate sobre processos de identificação em contextos pós-coloniais, dando especial atenção aos micro-processos de (re)construção identitária de indivíduos entendidos como “brancos” ou não-negros em Moçambique. Reconhecendo que a categoria “branco” em Moçambique é fluida e variável, e que há uma pluralidade de elementos (históricos, culturais, legais, etc.) que conformam os processos identitários neste contexto geopolítico, o foco deste trabalho examina a conformação de identidades de pessoas “brancas” na moderna história moçambicana. Desse modo, este trabalho busca perceber como a partir da transição para a independência de Moçambique (1973-1975), os sujeitos deste estudo, nomeadamente pessoas de tez mais clara, de ascendências diferenciadas, aqui designados como moçambicanos “brancos”, vêm adequando suas pertenças sócio-identitárias nos últimos 40 anos da realidade do país. Considerando o processo histórico de violência colonial que marcou Moçambique no século XX, pergunto: qual foi o lugar reservado aos “brancos” da ex-colónia, com o advento da independência, na jovem nação? Neste sentido, é válido sublinhar que a inclusão e a participação dos “brancos” no novo projeto político nacional de Moçambique, implementado com a sua emancipação em 1975, foi essencial para a sua consecução. Essa nova conjuntura foi importante para se compreender as negociações identitárias avançadas por estes moçambicanos ao longo das últimas décadas. Para entender este projeto nacional, em um contexto africano, através de uma perspetiva pós-colonial, foi fundamental uma compreensão dos processos históricos, mas sobretudo a recolha e análise dos discursos biográficos dos sujeitos pesquisados por meio das narrativas orais em Maputo e Tete, a observação participante em contextos diversos e a recolha de documentos escritos em arquivos em Moçambique e Portugal. Para este fim, com contribuições teóricas dos estudos pós-coloniais e descoloniais, proponho uma reflexão crítica e interdisciplinar a respeito dos processos de identificação social no presente da realidade de Moçambique.
This PhD thesis seeks to contribute towards the debate on identification processes in postcolonial contexts, paying special attention to the micro-processes of identity (re)construction of individuals understood as "white" or non-black in Mozambique. Recognizing that the category "white" in Mozambique is fluid and variable, and that there are a plurality of elements (historical, cultural, legal, etc.) that shape the identity processes in this geopolitical context, the focus of this work examines the identity conformation of white people in modern Mozambican history. Therefore, the analytical core of this thesis aim to understand how, from the transition to independence of Mozambique (1973-1975), the subjects of this study, namely people with a lighter skin, of differentiated ancestry, here denominated as "white" Mozambicans, have been reconstructing their socio-identities in the last 40 years of the country's reality. Considering the historical process of colonial violence that marked Mozambique in the 20th century, I inquire: what was the place reserved for the "whites" of the ex-colony, with the advent of Independence, in the young nation? In this sense, it is worth emphasizing that the inclusion and participation of the "whites" in the new national political project of Mozambique, implemented through emancipation in 1975, was essential for its achievement. This new situation was important to comprehend the identity negotiations advanced by these Mozambicans over the last decades. In order to understand this national project, in an African context, through a postcolonial perspective, an understanding of the historical processes was fundamental, but specially the collection and analysis of the biographical discourses of the subjects researched through oral narratives in Maputo and Tete, participant observation in diverse contexts and the collection of written documents in archives in Mozambique and Portugal. To this end, with theoretical contributions from postcolonial and decolonial studies, I propose a critical and interdisciplinary reflection on the processes of social identification in the present reality of Mozambique.
Description: Tese de doutoramento em Pós-colonialismos e Cidadania Global, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/80694
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
As histórias do depois.pdf2.31 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

94
checked on Sep 18, 2019

Download(s)

34
checked on Sep 18, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.