Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/79816
Title: Aquisição de SE Anafórico por Aprendentes Chineses de Português L2
Authors: Yunfeng, Zhang 
Orientador: Rio-Torto, Graça Maria de Oliveira e Silva
Keywords: Clítico; Reflexo; Recíproco; Português; Mandarim; Sintaxe; Semântica
Issue Date: 5-Mar-2018
Citation: YUNFENG, Zhang - Aquisição de se anafórico por aprendentes chineses de Português L2. Coimbra : [s.n.], 2018. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/79816
Abstract: A presente dissertação tem como objetivo analisar o modo como se efetua a aquisição/aprendizagem de SE anafórico — designadamente SE reflexo (doravante SE REFLEX) e SE recíproco (doravante SE RECIPRO) — do Português Europeu (PE) por parte de aprendentes chineses cuja língua materna é o mandarim, pretendendo discutir, com base em dados empíricos, as seguintes questões: i) se existe [e em que condições] acesso à GU na aquisição de SE REFLEX (corporal) e de SE RECIPRO; ii) o grau de influência da L1 (mandarim) na omissão e no sobreuso de SE REFLEX e de SE RECIPRO; iii) outros fatores que também se associam a esta duas classes de desvios. A aquisição/aprendizagem de SE pode causar muitas dificuldades aos aprendentes de PE L2 devido à sua multifuncionalidade. O presente trabalho focaliza-se em SE anafórico, designadamente SE REFLEX e SE RECIPRO, que se distingue de outras funções do clítico SE, apresentando um comportamento sintático-semântico específico e as correspondentes dificuldades aos aprendentes. Defende-se o estatuto argumental de SE anafórico (cf. Secção 3.4.1 para SE REFLEX e Secção 3.5.1 para SE RECIPRO); porém, o comportamento de SE anafórico não é idêntico ao dos outros clíticos pronominais não-reflexos (o, os, a, as) e a transitividade das estruturas reflexas/recíprocas é reduzida, diferindo da transitividade plena de outras construções transitivas. A comparação entre estruturas reflexas e recíprocas em PE e em mandarim revela que a maior diferença reside no facto de em PE haver manifestação do marcador argumental (SE REFLEX e SE RECIPRO) em ambas as estruturas, ao passo que em mandarim o marcador argumental ocorre apenas nas estruturas reflexas não-corporais, mas não nas reflexas corporais (sendo o caso de marcador nulo) nem nas recíprocas (o marcador huxiang é advérbio, não tendo assim valor argumental), sendo também estes dois casos estruturas de objeto nulo. Pressupõe-se que este distanciamento se relaciona com a omissão e com o uso em excesso de SE anafórico por parte dos aprendentes chineses, hipótese que se testou com a aplicação de um inquérito aplicado a um conjunto de 90 alunos (jovens adultos universitários) estudantes da Beijing Language and Culture University (BLCU), distribuídos pelos níveis de proficiência A2-C1 do QECR. A análise dos resultados permite concluir o seguinte: i. Em relação ao acesso à GU, os resultados justificam a adquiribilidade de SE REFLEX corporal e de SE RECIPRO desde a fase inicial, estruturas que não são compatíveis com a L1 dos aprendentes (mandarim), permitindo validar o acesso à GU na aquisição de L2; ii. Relativamente à influência de L1 (mandarim) na aquisição/aprendizagem de SE REFLEX/RECIPRO, os resultados não correspondem às expectativas mais proto- típicas, invalidando a hipótese de transferência linear de L1. Chegou-se, assim, à conclusão de que os resultados da presente investigação coincidem com a hipótese Full Access No Transfer (Epstein, Flynn & Martohardjono, 1996, 1998); iii. Quanto aos hipotéticos fatores linguísticos que poderão explicar a omissão/sobreuso de SE REFLEX/RECIPRO, os resultados demonstram que a sua omissão se revela mais frequente com a coocorrência das expressões de redobro ‘a si próprio’ e ‘um prep. outro’; o sobreuso de SE REFLEX ocorre com verbos não-reflexos de ação corporal e com o pronome tónico SI, enquanto o uso em excesso de SE RECIPRO ocorre com verbos lexicalmente recíprocos. Os resultados do inquérito coincidem, também, com Ellis (1997: 19), que defende que tanto a omissão como o sobreuso não são manifestações de “transferência linguística”, mas resultados dos processos de omissão/simplificação e sobregeneralização adotados pelos aprendentes de L2, que se revelam universais na assimilação de estruturas de L2: os aprendentes poderão, por um lado, omitir certos itens de L2 que consideram redundantes ou desnecessários, adotando estruturas de L2 de uma forma simplificada; e por outro lado, proceder à extensão de certas regras/estruturas da L2 a contextos em que não se aplicam. Estas duas categorias de desvios suscitam, pois, desafios teóricos e metodológicos de grande alcance no ensino/aprendizagem de PE como L2.
Description: Tese de doutoramento em Linguística Portuguesa, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/79816
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Português - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Aquisição de SE Anafórico por Aprendentes Chineses de Português L2.pdf3.63 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

72
checked on May 21, 2019

Download(s)

98
checked on May 21, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.