Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/785
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorRibeiro, Maria Manuela Tavares-
dc.date.accessioned2008-12-05T15:01:26Z-
dc.date.available2008-12-05T15:01:26Z-
dc.date.issued1988-04-13en_US
dc.identifier.citationRIBEIRO, Maria Manuela Tavares - Portugal e a Revolução de 1848. Coimbra, 1987.-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/785-
dc.descriptionTese de doutoramento em Letras (História Moderna e Contemporânea) apresentada à Fac. de Letras da Univ. de Coimbra-
dc.description.abstractA autora faz uma análise da repercussão em Portugal dos movimentos nacionalistas europeus de 1848, particularmente da revolução que, em França, conduziu à instauração da II República.> A obra divide-se em duas grandes partes, com um total de cinco capítulos.> Na Parte I a autora faz uma reflexão sobre a actuação dos agentes propulsionadores do movimento oposicionista ao cabralismo, enquadrada numa complexa situação socioplolítica e económica dos fins da década de 40 (Capítulo I). Expõe as tentativas de insurreição que ocorreram no país em 1848 e dá particular relevo à criação da Carbonária Lusitana em Coimbra, à adesão dos estudantes ao movimento revolucionário e à influência de cidadãos portugueses que, em Paris, assistiram à instauração da República (Capítulo II). Na parte II a autora trata de algumas questões que demonstram, claramente, o impacto ideológico das revoluções de 1848. Através da discussão do projecto eleitoral na Câmara dos Deputados detectam-se as posições dos liberais radicais que defendem a prática dom sufrágio universal e para os quais a soberania popular se torna um dogma político. Mas é sobretudo a imprensa panfletária e periódica e a literatura socializante e política que melhor dão a conhecer a recepção das concepções ideológicas de uma revolução essencialmente social (Capitulo I). Esse impacto ideológico está patente nos conceitos que enformam o discurso dos autores socializantes, dos democratas e dos defensores teóricos da República. A sua formação resulta da síntese de elementos românticos e socialistas cristãos.A doutrina cristã, portadora dos ideais de filantropia e solidariedade, conceitos tão caros aos espíritos democratas, tornando-se o modelo de todo um ideário que fundamenta a ideologia de 1848. Há, porém,uma transposição laica dos conceitos da teologia e escatologia cristãs. Transposição que se opera também no campo da linguagem e figuração simbólicas. A aprendizagem da prática igualitária e fraterna faz-se pela educação e instrução, aspecto que mereceu também o maior interesse aos > e > portugueses (Capítulo II). O nosso operariado assimilou, ainda que de forma ténue, os ideais de emancipação. À linguagem operária de meados do século XIX é inerente o ideário romântico, matrizado dos anseios de reformismo social e material. Resalta nos seus escritos, sobertudo na poesia e nos artigos de jornal, um sentimento religioso, ténue no plano teocêntrico mas que ganha vigor como princípio de acção social (Capítulo III). O estudo apresenta ainda um vasto inventário de fontes manuscritas e impressas que inclui um número considerável de obras estrangeiras.en_US
dc.language.isoporpor
dc.rightsembargoedAccesseng
dc.subjectHistória Moderna e Contemporâneaen_US
dc.titlePortugal e a Revolução de 1848en_US
dc.typedoctoralThesisen_US
uc.controloAutoridadeSim-
item.languageiso639-1pt-
item.fulltextSem Texto completo-
item.grantfulltextnone-
crisitem.author.researchunitCentre for 20th Century Interdisciplinary Studies-
crisitem.author.orcid0000-0001-7471-2164-
Appears in Collections:FLUC Secção de História - Teses de Doutoramento
Show simple item record

Page view(s) 10

713
checked on Oct 20, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.