Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10316/715
Title: Norma e codificação. A produção linguístico-gramatical portuguesa
Authors: Santos, Isabel Maria de Almeida 
Orientador: Maia, Clarinda de Azevedo
Keywords: Linguística Portuguesa; Língua portuguesa -- gramática
Issue Date: 13-Nov-2006
Abstract: Partindo da íntima associação entre os conceitos de norma e de codificação pretende-se observar, considerando os contributos de modernos quadros de análise, o modo como, num conjunto de textos de referência da produção linguístico-gramatical portuguesa se depreende ou define uma noção de norma e se desenvolvem, no domínio do metalinguístico, discursos para a sustentar. Assim, começam por se equacionar as "incomodidades" que a (des)consideração da dimensão normativa da linguagem levanta no âmbito dos estudos linguísticos e consideram-se as potencialidades de modelos destinados à análise da língua standard e da estandardização. Constatado que os fenómenos em avaliação correspondem a questões intemporais, procede-se, seguidamente, à retrospectiva do que, na história das reflexões metalinguísticas, revela a percepção do carácter organizado dos idiomas e da relação desta propriedade com a também reconhecida dinâmica social da linguagem ou resulta da reflexão sobre a fundamentação da actividade gramatical. Definido o enquadramento, passa-se à análise de um conjunto de textos (gramaticais, ortográficos e apologéticos) portugueses, localizados entre o séc. XVI e o início do séc. XIX. Mostra-se, então, que a codificação do português integrou e traduziu o processo de definição de uma norma e promoveu o fenómeno da estandardização associado àquele: antes de mais, essa actividade parte da explicitição do carácter regulamentado do idioma nacional,assim colocado em pé de igualdade com as línguas clássicas; depois, assume a defesa e demonstração da sua eficácia funcional e da sua versatilidade estilística; por outro lado integra a noção da diversidade de usos e promove a definição de uma variedade de referência; finalmente, atribui-se uma função essencial no processo de preservação e enriquecimento do idioma e na afirmação das Nações civilizadas. O gramático- ortografista assume a responsabilidade de definir ( por observação do uso ou, mais exactamente, de um uso) as regras às quais a língua obedece e, porque a dinâmica destas envolve situações de incumprimento, de identificar a fonte de onde emana a autoridade.
Description: Tese de doutoramento em Letras, área de Línguas e Literaturas Modernas (Linguística Portuguesa) apresentada à Fac. de Letras de Coimbra
URI: https://hdl.handle.net/10316/715
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Português - Teses de Doutoramento
UC - Teses de Doutoramento
I&D CELGA - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese-IMAS-Sumário e Introdução.pdf110.95 kBAdobe PDFView/Open
Santos, 2006_Norma e codificação.pdf54.98 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

868
checked on May 29, 2024

Download(s) 20

947
checked on May 29, 2024

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.