Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/589
Title: Em defesa da arte do quotidiano : a estética socialista e humanista de William Morris
Other Titles: A defence of the art of daily life : the socialist and humanist aesthetics of William Morris
Authors: Ribeiro, Maria Isabel da Cunha Donas Botto 
Orientador: Kayman, Martin Andrew
Keywords: Cultura Inglesa; Arte vitoriana; Morris, William -- arte -- Inglaterra -- séc.19
Issue Date: 27-Nov-1998
Abstract: Esta dissertação centra-se no estudo da obra política e da obra artística de William Morris [1834-96], realçando a ligação entre a arte e a política como um dos mais importantes contributos deste artista para a cultura inglesa. Partindo de uma análise das circunstâncias político-económicas e sócio-culturais da Inglaterra vitoriana, tal como esta se representa na Grande Exposição de 1851, este trabalho começa por se debruçar sobre a controversa questão do design industrial inglês do século XIX (cap. I e II). O movimento de reforma do design industrial liderado por Henry Cole [1802-82] é contraposto às influentes críticas do medievalista Augustus W. N. Pugin [1812-52]. No capítulo III são analisadas as críticas à sociedade industrial e às propostas de reforma artística e social de John Ruskin [1819-1900], com realce para a sua poderosa influência sobre duas gerações de artistas e escritores, nomeadamente os Pré-Rafaelitas - cuja estética medievalista é o foco do capítulo IV. A análise da obra de Morris ocupa os restantes capítulos, centrando-se em primeiro lugar na sua produção artística, com destaque para a firma de artes decorativas, fundada em 1861, cuja influência se estende para além do final do século. Segue-se uma análise aprofundada das suas conferências sobre arte e dos seus escritos políticos, a qual revela uma teoria da arte que transcende a sua frequente caracterização como "pré-rafaelita". Defende-se que a estética morrisiana, apesar de nunca ter sido formalmente enunciada pelo autor, não é por isso menos consistente, alicerçada numa concepção da arte genuína e simples, resultante do trabalho feito com prazer e saber, e empenhada na sua sobrevivência perante o avanço do capitalismo industrial. A concluir, aborda-se a influência directa desta "arte do quotidiano" na formação do Movimento Artes e Ofícios, assim como a sua alegada e controversa influência na Bauhaus. Apesar de certas limitações, resultantes da sua recusa de alguns imperativos da sociedade industrial e pós-industrial, a obra de Morris é valorizada pela sua crítica ao consumismo, o qual, aliás, tudo tem feito para transformar o próprio Morris - as suas ideias quase tanto como os seus padrões decorativos - em mercadoria.
Description: Tese de doutoramento em Línguas e Literaturas Modernas (Cultura Inglesa) apresentada à FLUC
URI: http://hdl.handle.net/10316/589
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Estudos Anglo-Americanos - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MICDBRibeiro.pdf1.56 MBAdobe PDFView/Open
MICDBRibeiro-PrCompl.pdf153.5 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 10

706
checked on Jul 16, 2019

Download(s) 10

1,062
checked on Jul 16, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.