Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/5869
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorTondela, João Paulo dos Santos-
dc.date.accessioned2008-10-10T09:45:01Z-
dc.date.available2008-10-10T09:45:01Z-
dc.date.issued1998-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/5869-
dc.descriptionTrabalho de Síntese das Provas de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científicaen_US
dc.description.abstractAo virar do milénio, a investigação de biomateriais continua a desenvolver materiais com propriedades cada vez mais próximas do biomaterial “ideal”. Na última década as cerâmicas sofreram uma grande evolução com o desenvolvimento de novas formulações, cerâmicas sintéticas e cerómeros. São muitos os sistemas cerâmicos ao nosso dispor, os quais, apesar da sua diversidade, apresentam características comuns: (1) a estrutura formada por uma fase cristalina envolvida por uma fase vitrosa e que, tal como o esmalte (cristais de hidroxiapatite envolvidos numa matriz proteica), lhe confere um excelente comportamento óptico; (2) a natureza quebradiça (característica dos vidros), que as torna um material frágil e com baixa resistência à deformação. Estas duas características, de interesse antagónico para a Medicina Dentária, têm relegado as restaurações cerâmicas para segundo plano e as restaurações metalo-cerâmicas continuam a ser o tipo de restauração mais usado em próteses fixas. A subestrutura metálica das restaurações metalo-cerâmicas contribui para o reforço das propriedades mecânicas da cerâmica, mas, ao mesmo tempo, retira-lhe grande parte do seu potencial estético. Os sistemas cerâmicos mais recentes constituem não só uma alternativa como também uma indicação de tratamento. As restaurações cerâmicas, devido à ausência da subestrutura metálica opaca, permitem melhor difusão e transmissão da luz incidente e, por isso, apresentam um comportamento óptico muito natural. Para além disso, a cerâmica é um material muito estável e resistente à corrosão e, ao contrário das restaurações metalo-cerâmicas, não existe o perigo de oxidação e libertação de iões metálicos na cavidade oral. No entanto, as restaurações cerâmicas trazem alguns estigmas antigos e são, ainda, olhadas com incerteza e desconfiança. Numa época em que as exigências estéticas são enormes, poderemos negar aos nossos pacientes tal benefício com base em alguns pontos mal esclarecidos e que devem merecer a nossa dúvida? É em relação a alguns “dogmas” estabelecidos que pretendemos trazer alguma luz. A informação encontra-se dispersa e é, muitas vezes, complexa. Por isso, é importante seleccionar dados com interesse e relevância clínica para mais fácil compreensão. Este Trabalho de Síntese, porque acreditamos que as restaurações cerâmicas são uma alternativa terapêutica com cada vez mais indicações, surge orientado para aspectos com implicação clínica e pode estabelecer uma base para uma selecção criteriosa dos materiais a usar.en_US
dc.format.mimetypeaplication/PDFen
dc.language.isoporen_US
dc.rightsopenAccesseng
dc.subjectCoroasen_US
dc.subjectCerâmicaen_US
dc.titleSistemas cerâmicos : as cerâmicas de alumina vitro-infiltradas e as vitro-cerâmicas com cristais de leuciteen_US
dc.typedoctoralThesisen_US
item.languageiso639-1pt-
item.fulltextCom Texto completo-
item.grantfulltextopen-
Appears in Collections:FMUC Med. Dentária - Vários
Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tesedefinitiva Joao Paulo Tondela.pdf2.24 MBAdobe PDFView/Open
Show simple item record

Page view(s) 50

455
checked on Jul 28, 2021

Download(s) 50

605
checked on Jul 28, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.