Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/41351
Title: A importância e a aceitação de aconselhamento contracetivo pós-parto na maternidade do Hospital Nacional Simão Mendes Guiné
Authors: Costa, Inácio Alfredo da 
Orientador: Moura, Paulo
Bombas, Teresa
Keywords: Contracepção; Planeamento familiar; Saúde pública, Guiné Bissau; Saúde materno-infantil, Guiné Bissau
Issue Date: Jun-2016
Abstract: Introdução: Milhões de mulheres no mundo ficam grávidas de forma não planeada e não desejada. África tem a maior taxa de fertilidade do mundo para a qual também contribui a verificada menor prevalência de uso de contraceção resultante da elevada necessidade não satisfeita em planeamento familiar. A Guiné-Bissau é um dos países do continente com a maior taxa de fertilidade e de mortalidade materna e infantil. O espaçamento da gravidez diminui o risco de complicações e melhora a qualidade da assistência da mãe à família, contribuindo deste modo para a diminuição da morbilidade e mortalidade materno-infantil. Um dos desafios da OMS é a melhoria da saúde materna. O pós-parto constitui uma oportunidade de promoção do planeamento familiar possibilitando assim prevenir uma gravidez não desejada, programar o espaçamento entre as gestações permitindo melhorar as condições de saúde maternas até uma nova gravidez. Objetivos: Avaliar a importância e a aceitação do aconselhamento contracetivo no pós-parto na maternidade do Hospital Nacional Simão Mendes / Bissau, Guiné- Bissau. Material e Métodos: Estudo descritivo, observacional de tipo transversal realizado através da aplicação de um questionário anónimo, pré-codificado, maioritariamente com perguntas fechadas, às mulheres que tiveram o parto no período de Outubro a Novembro de 2015. Resultados: Foram incluídas 725 puérperas. Tinham idade inferior a 30 anos 76,1%. Tinham conhecimento. Eram adolescentes 22,4% das quais 44,5% eram casadas. Metade da população estudada era analfabeta ou tinha a escolaridade básica. Afirmaram conhecer a existência de métodos de contraceção 65,5% das mulheres. Apenas 37,5% usam ou usaram em alguma fase da sua vida um método de contraceção. A prevalência de respostas afirmativas aumentou com o nível de escolaridade, residência em meio urbano, primeira gravidez fora da adolescência. Afirmaram não esperar engravidar / não planear engravidar 50,3% das mulheres. Aceitaram a hipótese de usar um método contracetivo no futuro 83,4%. Conclusões: A maioria das mulheres conhecem os métodos contracetivos mas, não os utiliza. A baixa literacia, a residência em meio rural, primeira gravidez na adolescência, casamento na adolescência e a grande multiparidade foram as características predominantes associadas à menor utilização de contraceção, elevada prevalência de gravidez não planeada e com um intervalo inferior a dois anos conforme recomendado. A maioria das mulheres se tiver oportunidade aceita o uso de contraceção após o parto.
URI: http://hdl.handle.net/10316/41351
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Dissertação_INÁCIO ALFREDO DA COSTA.pdf1.19 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

188
checked on Oct 2, 2019

Download(s) 50

163
checked on Oct 2, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.