Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/36191
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorSchurmans, Fabrice-
dc.date.accessioned2017-01-18T14:26:28Z-
dc.date.available2017-01-18T14:26:28Z-
dc.date.issued2008-
dc.identifier10.4000/eces.1284-
dc.identifier.issn1647-0737por
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/36191-
dc.description.abstractSe julgarmos o estado de uma sociedade à luz da relação que esta mantém com o seu passado, temos de concordar que a França da V República tem um problema com a gestão da memória do seu passado colonial. O ponto de vista oficial oscila entre a deformação dos factos e a denegação dos crimes e traduz-se numa lei (23 de Fevereiro de 2005) que pretende realçar no seu artigo 4 o papel positivo da colonização. Para mim, esta atitude, assim como a recusa de um pedido de desculpa às vítimas, revelam uma outra questão, mais essencial: o quadro epistemológico no qual se insere a maior parte dos discursos sobre África. De facto, grande parte destes manam de uma ideologia, o africanismo, que simultaneamente pretende facultar uma explicação totalizante/satisfatória e enclausura tanto o sujeito (o Africano é reduzido a algumas característica essenciais) como o produtor (que não consegue extrair-se do quadro em questão). Pretendo aqui examinar dois textos africanistas, As Origens do Totalitarismo (Arendt) e o Discurso de Dakar (Sarkozy), que com mais de cinquenta anos de distância entre si retomam os mesmos tópicos sobre a África para os transformar em veículos da ideologia africanista. Tentarei também analisar a fonte filosófica (Hegel) que irriga ambos os textos e mostrar a premência do africanismo (e por conseguinte a dificuldade em combatê-lo) no seio de uma certa sociedade ocidental. Apesar de cinquenta anos de refutação e desconstruções por parte de intelectuais e cientistas oriundos tanto do Sul como do Norte, o africanismo continua a prosperar numa multiplicidade de textos: da literatura popular à imprensa passando pelo cinema, ele reproduz-se não só pela utilização dos poucos estereótipos ao seu dispor como pela actualização sistemática da mesma estratégia discursiva. A força com a qual esta ideologia continua a se impor torna assim difícil, a meu ver, falar de uma relação de igualdade entre as partes.por
dc.language.isoporpor
dc.publisherCentro de Estudos Sociaispor
dc.rightsopenAccesspor
dc.titleDe Hannah Arendt a Nicolas Sarkozy: leitura pós-colonial do discurso africanistapor
dc.typearticle-
degois.publication.issue02por
degois.publication.locationCoimbrapor
degois.publication.titlee-cadernos CESpor
dc.relation.publisherversionhttp://eces.revues.org/1284por
dc.peerreviewedyespor
dc.identifier.doi10.4000/eces.1284por
uc.controloAutoridadeSim-
item.fulltextCom Texto completo-
item.languageiso639-1pt-
item.grantfulltextopen-
crisitem.author.researchunitCentre for Social Studies-
crisitem.author.parentresearchunitUniversidade de Coimbra-
crisitem.author.orcid0000-0001-8451-1921-
Appears in Collections:I&D CES - Artigos em Revistas Nacionais
Files in This Item:
File Description SizeFormat
De Hannah Arendt a Nicolas Sarkozy Leitura pós-colonial do discurso africanista.pdf285.44 kBAdobe PDFView/Open
Show simple item record

Page view(s) 10

695
checked on Mar 31, 2020

Download(s)

109
checked on Mar 31, 2020

Google ScholarTM

Check

Altmetric

Altmetric


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.