Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/27154
Title: O estudo da psicopatologia numa perspectiva transdiagnóstica da regulação emocional
Authors: Dinis, Alexandra Margarida Borges 
Orientador: Gouveia, José Augusto da Veiga Pinto de
Keywords: Regulação emocional; Sistema tripartido de regulação de afecto; Psicopatologia; Perturbação borderline da personalidade; Modelos transdiagnósticos
Issue Date: 14-Apr-2015
Citation: DINIS, Alexandra Margarida Borges - O estudo da psicopatologia numa perspectiva transdiagnóstica da regulação emocional. Coimbra : [s.n.], 2014. Tese de doutoramento. Disponível na WWW em: <http://hdl.handle.net/10316/27154>.
Abstract: Nos últimos anos, assiste-se a um interesse crescente pelo estudo da regulação emocional devido à relevância que esta pode assumir na compreensão da natureza e no tratamento da psicopatologia. Neste âmbito, a conceptualização da regulação emocional como um importante factor transdiagnóstico tem vindo a reunir consenso entre teóricos, clínicos e investigadores. De entre os diversos processos de regulação emocional, a ruminação, a aceitação/evitamento experiencial, o mindfulness, a auto-compaixão e os esquemas emocionais, têm vindo a ganhar um lugar de destaque, e são diversos os estudos que procuram compreender melhor a natureza da relação que cada um destes processos estabelece com variadas formas de psicopatologia. É no contexto desta diversidade de constructos/processos de regulação emocional que o presente projecto de investigação foi estruturado. Os dez estudos empíricos que integram a presente dissertação foram delineados com o intuito de contribuírem para uma melhor compreensão dos processos de regulação emocional, nomeadamente, no que concerne ao seu papel enquanto factores protectores ou, pelo contrário, enquanto factores de risco associados ao desenvolvimento e manutenção da psicopatologia. O Estudo I e II tiveram como objectivos adaptar, validar e analisar as características psicométricas de uma versão modificada do Leahy Emotional Schemas Scale (LESS) e do Questionário de Experiências de (In)Validação Emocional (QEVE), sendo que este último é um novo instrumento retrospectivo que foi desenvolvido para a presente dissertação. Os estudos III e IV foram desenvolvidos à luz do modelo tripartido dos sistemas de regulação do afecto e pretendem contribuir para uma melhor compreensão da origem desenvolvimental do sistema de protecção contra as ameaças e do sistema de contentamento, segurança e tranquilização. Os Estudos V, VI e VII foram desenvolvidos com o intuito de averiguar em que medida é que o evitamento experiencial se revela como um preditor mais robusto da psicopatologia comparativamente a outros processos de regulação emocional amplamente investigados na literatura. Os Estudos VIII, IX e X tiveram como objectivos gerais: (i) investigar o papel do evitamento experiencial na explicação da severidade geral da perturbação borderline de personalidade; (ii) averiguar em que medida o evitamento experiencial é capaz de diferenciar doentes com patologia borderline com comportamentos de auto-dano vs. sem história de comportamentos de auto-dano; (iii) averiguar em que medida é que os processos de regulação emocional são melhor conceptualizados como sendo específicos de um determinado quadro clínico ou enquanto factores transdiagnósticos, comparando três amostras (doentes com diagnóstico de perturbação borderline de personalidade; doentes com diagnóstico de ansiedade social; população não-clínica). Cada um dos estudos que compõe a presente dissertação foi realizado numa sub-amostra da população geral (N=1244, n=890 do género feminino e n=354 do género masculino) ou numa sub-amostra da população clínica (N =315 participantes, n=253 do género feminino e n=62 do género masculino) ou em amostras mistas. Recorreu-se ao uso de questionários de auto-resposta e entrevistas clínicas semi-estruradas. Foi usado um design transversal. Os resultados dos Estudos I e II mostraram que ambos os questionários de auto-resposta, LESS-modificado e QEVE, são úteis e robustos na avaliação das crenças emocionais e de experiências de validação/ invalidação emocional vividas na relação com as figuras parentais durante a infância e adolescência, respectivamente. No Estudo III os resultados salientam o papel mediador do evitamento experiencial na relação entre a vergonha e as crenças de perigosidade acerca das emoções na sintomatologia depressiva e ansiosa. O Estudo IV apontou no sentido de que as experiências precoces de validação/invalidação emocional têm um impacto diferencial na vergonha externa, nas crenças de perigosidade acerca das emoções, nas crenças de validação emocional e no afecto positivo de segurança, de acordo com amostra (clínica vs. não-clínica). Nos Estudos V, VI e VII os resultados sugerem que o constructo de evitamento experiencial apresenta um poder preditivo independente nos modelos de psicopatologia, que vai para além do que já é explicado por outros processos auto-regulatórios amplamente difundidos na literatura. O Estudo VIII mostrou que o evitamento experiencial está positivamente associado a uma maior severidade dos traços borderlines, ao afecto negativo, à vergonha interna e às crenças de validação emocional. Um resultado interessante foi a importância que a vergonha interna revelou ter na explicação dos traços da patologia borderline. No Estudo IX a vergonha interna constitui-se mesmo como um forte preditor para o desenvolvimento dos comportamentos de auto-dano; sendo que, as crenças de invalidação emocional e uma baixa auto-compaixão parecem actuar como factores de manutenção deste comportamento. O Estudo X mostrou que a vergonha interna, as crenças negativas acerca das emoções e o evitamento experiencial são processos-chave capazes de diferenciar significativamente os grupos clínicos dos não-clínicos. Em suma, os resultados da presente dissertação ressaltam a importância do modelo tripartido de regulação do afecto, enquanto perspectiva integradora, na compreensão da psicopatologia. É discutida ainda a importância de se desenvolverem modelos transdiagnósticos de regulação emocional, que possam incluir processos transdiagnósticos mais integradores e abrangentes que se sabe serem transversais a uma variedade de condições clínicas.
In the last years, there has been a growing interest regarding the study of emotion regulation due to its relevance in understanding the nature and treatment of psychopathology. In this context, the conceptualization of emotion regulation, as an important transdiagnostic factor, has been collected consensus among theorists, clinicians and researchers. Among various emotion regulation processes, rumination, acceptance/ experiential avoidance, mindfulness, self-compassion and emotional schemas have been gaining a remarkable role. Thus, several studies aims to better understand the nature of the relationship between each of these constructs and psychopathology. Thus, the present research project was structured in the context of this diversity of constructs /emotion regulation processes. The ten empirical studies that comprise the present dissertation were designed to contribute for a better understanding of emotion regulation processes, particularly their role as protective factors or, on the contrary, as risk factors to the development and maintenance of psychopathology. The main goals of the Studies I and II were adapt, validate and analyse the psychometric properties of the modified version of the Leahy Emotional Schemas Scale (LESS) and the Questionário de Experiências de (In) Validação Emocional“ (QEVE), this last one is a new retrospective instrument specifically designed and developed in the current dissertation. The Studies III and IV were developed in light of the three Types of Affect Regulation Systems and aimed to contribute to a better understanding of the developmental origin of the protection and safety-seeking system (focused on threats and self-protection) and of the safeness and soothing system (focused on contentment and feeling safe). The Studies V, VI and VII were developed in order to analyse to what extent that experiential avoidance revealed to be a more robust predictor of psychopathology than other emotion regulation processes widely studied in the literature. The Studies VIII, IX and X aimed to: (i) investigate the role of experiential avoidance in the explanation of the overall severity of borderline personality disorder (BPD); (ii) explore in what extent the experiential avoidance is able to differentiate BPD patients with and without self-harm behaviours; (iii) examine in what extent the emotion regulation processes are better conceptualized as being specific of a certain clinical condition or as transdiagnostic factors by comparing three groups (BPD patients vs. patients with social anxiety disorder vs. non-clinical sample). Each of the studies that comprise this dissertation was conducted in a sub-sample of the general population (N = 1244, n = 890 are females and n = 354 are males) or in a sub-sample of the clinical population (N = 315 patients, n = 253 are females and n = 62 are males) or in a mixed population (i.e., including both clinical and non-clinical samples). Self-report questionnaires and semi-structured clinical interviews were used. All studies had a cross-sectional design. Results from Studies I and II showed that both self-report questionnaires, LESS-modified version and QEVE, are useful and reliable assessment tools to measure emotional beliefs and early experiences of emotional validation and invalidation in the relationships with parental figures during childhood and adolescence, respectively. Results from Study III suggest the mediator role of the experiential avoidance in the relationship between shame and danger beliefs about emotions and depressive and anxiety symptoms. Results from Study IV indicated that the early experiences of emotional validation/ invalidation has a differential impact in external shame, danger beliefs about emotions, emotional validation beliefs and safeness positive affect, accordingly with studied samples (clinical vs. non-clinical). Results from Studies V, VI and VII demonstrated that the construct of experiential avoidance has a significant and independent predictive power in psychopathology’s models, which goes beyond what is already explained by other self-regulation processes widely spread in the literature. In the Study VIII, results showed that the experiential avoidance is positively associated with a higher severity of the borderline features, negative affect, internal shame and emotional validation beliefs. A key finding in this study was the importance of internal shame in borderline personality disorder. Moreover, in Study IX internal shame is a strong predictor to the development of self-harm behaviours; however, the presence of emotional invalidation beliefs and lower levels of self-compassion tend to contribute to the maintenance of these behaviours. Lastly, the Study X revealed that internal shame, negative beliefs about emotions and experiential avoidance were found to be key-processes in it comes to discriminate between clinical and non-clinical groups. To sum up, results obtained in the current dissertation point out the importance of the three Types of Affect Regulation Systems, as an integrative and interdependent perspective, in the understanding of psychopathology. The need for develop transdiagnostic approaches about emotion regulation, including more integrative and comprehensive processes that are known to underlie a variety of clinical conditions, is discussed.
Description: Tese de doutoramento em Psicologia, apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/27154
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FPCEUC - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat Login
REGULAÇÃO EMOCIONAL.pdfTese de Doutoramento7.82 MBAdobe PDFEmbargo Access    Request a copy
Show full item record

Page view(s) 20

517
checked on Nov 19, 2019

Download(s) 50

169
checked on Nov 19, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.