Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10316/26739
Title: Vidros da Terra. O vidro tardomedieval e moderno em Portugal (séculos XIV-XVII). O contributo da arqueologia
Authors: Medici, Teresa 
Orientador: Catarino, Helena
Matos, António Pires de
Keywords: Portugal; História do vidro; Idade Média; Época Moderna; Técnicas de produção; Tipologia; Arqueometria; Arqueologia
Issue Date: 22-Apr-2015
Citation: MEDICI, Teresa - Vidros da terra : o vidro tardomedieval e moderno em Portugal (séculos XIV-XVII) : o contributo da arqueologia. Coimbra : [s.n.], 2015. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/26739
Abstract: Neste trabalho procurou-se investigar a produção, o uso e a circulação dos objectos em vidro, em Portugal, entre a Idade Média tardia e o início da época moderna, tendo, como fonte principal, a arqueologia. A partir de espólios procedentes de escavações arqueológicas levadas a cabo em várias localidades do país (Tarouca, Coimbra, Lisboa, Almada, Beja e Tavira), procurámos construir o quadro da evolução tipológica deste material, do séc. XIV até ao séc. XVII, colmatando, assim, uma lacuna existente nos estudos sobre cultura material portuguesa. O estudo tipológico foi integrado com outros aspectos, respeitantes aos processos tecnológicos que permitem a laboração do vidro e a produção de objectos. As análises químicas, realizadas sobre uma selecção de peças, permitiram identificar as matérias-primas utilizadas para o fabrico. Esta classificação tipológica constituiu base suficiente para traçar a evolução do uso e da circulação do vidro, em Portugal, nas épocas consideradas. Os dados recolhidos foram utilizados de forma transversal e reagrupados a partir de outros pontos de vista, a saber: a provável origem das peças, a evolução cronológica dos tipos e as modalidades de uso do vidro em Portugal. Combinando os dados arqueométricos com o estudo estilístico, foi possível reconhecer objectos importados e avançar hipóteses sobre os lugares de produção. Algumas das perguntas que colocámos emergiam da necessidade de determinar se os achados arqueológicos teriam ajudado a desvendar a fisionomia das produções locais, cuja existência tinha sido afirmada pelas fontes escritas, mas ainda não se encontrava comprovada pela arqueologia. Na falta de dados arqueológicos sobre fornos a trabalhar no país, anteriores ao séc. XVIII, tivemos que proceder na dependência, quer das informações que pudemos obter da análise estilística, quer da contribuição da arqueometria. Comparando os vidros dos espólios portugueses com a vidraria europeia das mesmas épocas, tornou-se evidente a presença de objectos cujas características, estilísticas e tecnológicas, permitiram identificá-los com objectos de importação, saídos maioritariamente das produções veneziana ou façon de Venise. Claras características partilhadas com a produção vidreira espanhola vieram, também, a constatar-se. Por outro lado, na base da mesma comparação, conseguimos identificar grupos de objectos que, devido a peculiaridades formais e ornamentais inquestionáveis e aos tipos de vidros utilizados, podemos excluir como derivados das produções europeias até hoje conhecidas; lográmos avançar a hipótese de os imputar a outras oficinas, talvez portuguesas. Através de seriações cronológicas das formas e dos tipos identificados, e recorrendo, também, às fontes documentais e iconográficas, foi possível identificar em que medida os objectos de vidro participaram na construção do quotidiano, e que correntes tecnológicas e estilísticas se encontram documentadas nos artefactos estudados. Podemos, portanto, afirmar que foi possível analisar factores de continuidade e de inovação no uso do vidro, em Portugal, entre o séc. XIV e XVII. Nas primeiras duas centúrias, predominam as formas medievais, com estritas analogias com a vidraria europeia; nos séc. XVI e XVII, há uma maior individualização estilística e intensificam-se as importações. A identificação da procedência dos vidros tidos como importados tem permitido confirmar que, nos séculos considerados, as correntes comerciais dominantes trouxeram a Portugal, sobretudo, peças procedentes de Veneza, de centros de fabrico façon de Venise e, possivelmente, de Espanha. Contudo, o afluxo de mercadoria importada não impediu o desenvolvimento da produção vidreira nacional, que aproveitava de matérias-primas locais e fabricava objectos providos de formas próprias. Esta abordagem permitiu trazer à luz uma nova realidade e ultrapassar, desta forma, algumas das noções existentes sobre a indústria vidreira portuguesa, fundamentadas, meramente, em documentos escritos. Emergiram novos conceitos, relativos à importância do vidro no quotidiano do Portugal tardomedieval e moderno.
This thesis seeks to investigate the production, the use and the diffusion of late medieval and early modern glass objects, in Portugal, based on archaeological evidence. The study of several glass complexes coming from archaeological excavations carried out in various Portuguese locations (Tarouca, Coimbra, Lisbon, Setúbal, Beja and Tavira) made possible the construction of a typological classification of the glass finds dating from the 14th to the 17th century, closing a gap in the studies on Portuguese material culture. The typological study was integrated with other aspects related to the manufacture of the glass and the production of the objects. Chemical analysis, performed on a selection of pieces, allowed identifying the raw materials used. This typological classification permitted to trace the evolution of the use and circulation of glass objects in Portugal in the considered chronology. The data collected was discussed from different points of view, with the aim of investigating the origin of the objects, the chronological development of the types, and the pattern of employment of glass in Portugal. Some questions emerged from the need to determine whether the archaeological finds could help to disclose the Portuguese late medieval and early modern glass productions, whose existence had been affirmed by the written sources, but had not yet been proven by archaeology. Lacking archaeological data on furnaces working in the country before the 18th century, we tried to answer these questions linking together the information obtained from the stylistic approach and the results of the chemical analyses. Comparing the glass found in Portugal with other European glassware of the same chronology, it became evident the presence of objects whose stylistic and technological characteristics allowed us to identify as imported, mainly from Venice or from some façon de Venise production center. Others objects showed features clearly shared with the Spanish post-medieval glass production. Besides, we were able to isolate groups of objects that, due to their form and decoration and to the types of glass used, we can exclude as a result of any European production identified until today; we advanced the hypothesis that they derived from unknown workshops, perhaps located in Portugal. With the support of documentary and iconographic sources, it was also possible to ascertain to which extent glassware participated in the construction of everyday life, and which technological and stylistic currents are recognizable in the studied glass objects. Given this purpose, we proposed a chronological seriation of the shapes and the types identified. We can conclude that it is possible to recognize factors of continuity and innovation in the use of glass in Portugal between the 14th and the 17th century. In the first two centuries, the medieval forms predominate, showing strict analogies with the contemporary European glassware. During the 16th and the 17th century, the objects are characterized by a greater stylistic variability and an intensification of the import is evident. The identification of the origin of the glasses taken as imported confirmed that the dominant trade currents brought to Portugal mainly glass coming from Venice, or from other centers manufacturing façon de Venise glass, and from Spain. However, the arrival of imported goods has not prevented the development of a national production, using local raw materials and featuring specific shapes. This investigation brought forth a new reality, thus overcoming the existing notions about the Portuguese glass production based merely on written documents. New concepts emerged, underlying the importance of the glass in the late medieval and early modern Portuguese society.
Description: Tese de doutoramento em Arqueologia, apresentada ao Departamento de História, Estudos Europeus, Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
URI: https://hdl.handle.net/10316/26739
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Arqueologia - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
O vidro tardomedieval e moderno em Portugal_Vol_1.pdfVol. I: Documento principal15.88 MBAdobe PDFView/Open
O vidro tardomedieval e moderno em Portugal_Vol_2.pdfVol. II: Catálogo e Anexos9.03 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 10

1,440
checked on Feb 20, 2024

Download(s) 10

4,157
checked on Feb 20, 2024

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.