Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/25212
Title: Decolonisation in Mozambican Literature
Authors: Pöysä, Anna Eerika 
Orientador: Ribeiro, António Sousa
Ribeiro, Margarida Calafate
Keywords: Mozambican literature; African literatures; Decolonisation; Postcolonial studies; Colonialism; Literatura moçambicana; Literaturas africanas; Estudos póscoloniais; Colonialismo
Issue Date: 12-Jun-2014
Citation: PÖYSÄ, Anna Eerika - Decolonisation in mozambican literature. Coimbra : [s.n.], 2014. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/25212
Abstract: This thesis discusses the concept of decolonisation in the context of Mozambican literature. The concept has its roots in the debate about how African writers could write literature that would not rely on European models, and had as its central topics the language of African literatures, the role of the African writer and the use of narrative techniques that would be drawn from oral tradition. These perspectives provide a background to the debate regarding Mozambican literature, and to the literary analysis of novels by Ungulani Ba Ka Khosa, Paulina Chiziane, João Paulo Borges Coelho and Mia Couto. Bringing up the questions that emerged in the debate regarding decolonising African literatures provides a new perspective on Mozambican literature, which has not yet been discussed from this point of view. Moreover, considering decolonisation in the context of Mozambican literature also widens the perception of literary decolonisation. By introducing both postcolonial perspectives and approaches from the social sciences, the work also builds up an interdisciplinary dialogue. In order to discuss decolonisation from a wider perspective, the earlier discussions on it are reviewed and then complemented by a discussion regarding postcolonial theories in the widest sense. The different phases of Mozambican literature are discussed so that the differences between African literatures and their phases become visible, and provide a context for the analyses of the novels. The research reveals that the emphasis has shifted from discussing Western influence towards less dichotomous perspectives. There are processes that diversify the views regarding past and bring up and discuss myths, cultures and traditions that have been disregarded due to colonialism and modernity. At the same time current issues are present, such as globalisation and continuities of colonialism. It also becomes visible that there has been a shift in the role of the writers, related to deconstructing the role of intellectuals and social hierarchy. The analyses reveal that in order to discuss current literatures, such as the Mozambican, it is important not to marginalise the writers through considering them solely as postcolonial or African writers. The popularity of and interest in the writers reflect a decolonisation when it comes to the attitudes of the readers. Through this analysis, it becomes visible that literature has an important role in diversifying the cultural field, dismantling problematic approaches towards African cultures, and questioning the epistemological continuities of colonialism. This, moreover, reveals that decolonisation as a perspective towards discussing Mozambican literature provides a more comprehensive picture of the shifts in literature, but also of the shifts in the relationship between literature and society. The research also contributes to the discussion regarding dismantling the continuities of colonialism by revealing how literature can take part in it in a specific way, by literary means. By introducing new aspects such as epistemological questions to the discussion regarding literature, the thesis provides new views towards not only Mozambican or African literatures, but literature in general.
A presente tese discute o conceito de descolonização no contexto da literatura moçambicana. Este conceito tem as suas raízes no debate sobre a possibilidade de uma literatura africana independente de modelos europeus. Os temas principais deste debate eram a questão da escolha da língua, o papel do escritor africano e o uso de técnicas narrativas inspiradas na tradição oral. A discussão destes temas serve de pano do fundo para uma abordagem da literatura moçambicana e para a análise de romances de Ungulani Ba Ka Khosa, Paulina Chiziane, João Paulo Borges Coelho e Mia Couto. A partir das questões suscitadas no debate sobre descolonização das literaturas africanas, é possível uma perspectivação da literatura moçambicana de um ponto de vista ainda pouco explorado. Além disso, a discussão do problema no contexto da literatura moçambicana permite alargar a noção da descolonização literária. Baseando-se tanto em perspectivas pós-coloniais como em abordagens das ciências sociais, o trabalho constrói um diálogo interdisciplinar que visa discutir a descolonização a partir de uma perspectiva larga, complementando a revisitação de discussões anteriores com uma discussão sobre teorias pós-coloniais num sentido amplo. A abordagem das várias fases da literatura moçambicana revela as diferenças entre as literaturas africanas e a sua periodização, permitindo a contextualização das obras analisadas. A pesquisa mostra que o fulcro do debate se tem deslocado da discussão das influências ocidentais para uma abordagem menos dicotómica. Há processos que diversificam a visão do passado, chamando a atenção para a necessidade de ter em conta mitos, culturas e tradições que foram ignorados por causa do colonialismo e da modernidade. Ao mesmo tempo, temas actuais, como a globalização e as continuidades do colonialismo, estão presentes. Também se torna visível que houve uma mudança no papel dos escritores, relacionada com a desconstrução da posição dos intelectuais e da hierarquia social. As análises das obras revelam que, para discutir literaturas actuais como a moçambicana, é importante não marginalizar os autores considerando-os exclusivamente como escritores pós-coloniais ou africanos. A popularidade dos escritores e o interesse que suscitam reflecte a descolonização no que toca às atitudes dos leitores. A análise literária demostra que a literatura tem um papel importante na diversificação do campo cultural, em desmontar abordagens problemáticas às culturas africanas e em questionar as continuidades epistemológicas do colonialismo. Isso também revela que usar a descolonização como perspectiva para a discussão da literatura moçambicana oferece uma perspectiva mais abrangente sobre as mudanças na literatura, mas também sobre as mudanças na relação entre a literatura e a sociedade. A pesquisa também contribui para desmantelar as continuidades do colonialismo mostrando como a literatura participa nesse processo de uma forma específica, pelos meios que lhe são próprios. Introduzindo novos aspectos, como as questões epistemológicas, na discussão sobre a literatura, a tese oferece perspectivas novas sobre não só literaturas moçambicanas ou africanas, mas sobre a literatura em geral.
Description: Tese de doutoramento em Pós-colonialismos e Cidadania Global, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/25212
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Doutoramento
I&D CES - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Decolonisation in mozambican literature.pdf2.05 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

464
checked on Nov 14, 2019

Download(s) 10

1,663
checked on Nov 14, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.