Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/23753
Title: Archeologia del Mezzo Acquatico nel Garb al-Andalus Porti, Arsenali, Cantieri e Imbarcazioni
Authors: Amato, Alessia 
Orientador: Mantas, Vasco
Keywords: Garb al-Andalus; Nautical Archaeology in Garb al-Andalus; Arqueologia Meio Aquático
Issue Date: 9-Jan-2015
Citation: AMATO, Alessia - Archeologia del mezzo acquatico nel Garb al-Andalus porti, arsenali, cantieri e imbarcazioni. Coimbra : [s.n.], 2015. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/23753
Abstract: This study is aimed to define its own characteristics within the chronological sphere of the Muslim occupation on the Iberian Peninsula and particularly on the development which involves the Southern region of Portugal, bound between the low Tejo (Lisbon) and the Algarve. The analysis of the relationship between this People and the sea with its components precedes the period of the great conquest, which see the Christian Reign of Portugal engaged in an area beyond the Ocean – from the end of XV Century onwards – anyway engaged outside the Mediterranean basin and in the classical circuits that have had their exclusive attention until that time. During the Islamic period, VIII-XIII, one sees the vitality of the port cities, with the development of nautical activities, including naval construction in shipyards mentioned by Arab authors, such as Al-Razi, Al-Bakri, Ibne Mozaine and al-Idrisi. Various descriptions made by Arab historians and geographers with a common vision of these territories considered as a prolongation of the eastern Arab world reachable through North Africa and most likely via navigation along the coast. Al-Razi proposes a significant division of Andalusia into Ax-Xarqi and al- Garbe or, in other words, eastern and western Andalusia. Al- Garbe corresponds to current Southern Portugal Although the Arabic literary sources and the corpus of the Medieval Arabian geography constitute the primary sources for the study of the use of the coast and shipping lanes during the Arab dominion of Southern Portugal, the main maritime cities have revealed large quantities of imported ceramics dating from the Islamic period. The ancient geomorphology of the Portuguese coast Geographically speaking, benefits from a strategic location between the Mediterranean world and the Atlantic one. Inserted in an Atlantic geographical space, the Portuguese coast still preserves many Mediterranean characteristics (Arruda and Vilaça 2006, 31; Ribeiro 1986, 39). Geomorphologic studies are useful for the creation of hypothesis regarding possible locations of ancient natural ports. But one must also consider the modifications to the seaboard that were responsible for the different interactions between men and environment. Generally, one could argue that the outline of the coast has been “simplified” in the last 1000 years (Freitas and Andrade 1998). Up to the 15th and 16th centuries AD, the design of the west coast of the Iberian Peninsula would be more irregular than the current one, more indented, and there would be more bays and river mouth Maria Luísa Blot (Blot 1998, 148) summarizes the Portuguese coast evolution process according to three aspects: the gradual connection between ancient islands and the continent, forming peninsulas, the closing of ancient coastal embayment and formation of coastal lagoons and siltation of estuaries and subsequent inland context of former coastal areas. Siltation is a gradual process that has been increasing over the centuries in most Portuguese waterways and estuaries, decreasing their navigability. The historical cartography is commonly used to study the waterfront geomorphologic changes of the Portuguese coast. However, this should be interpreted with caution. These testimonials often pose problems, such as the inaccuracy of the outlining of the coast, the small scale and the omission or enlargement of certain details, such as embayments. Cartography analysis is also affected by chronological contradictions and mistakes resulting from the fact that some maps are copies of previous works. In this field, the compilation of Cortesão and Mota (1987) stands out, with particular emphasis on the maps of Pedro Teixeira (Descripción de España y de las costas y puertos de sus reinos, Atlas de Viena, c. 1634) and João Teixeira (Descrição dos Portos Marítimos do Reino de Portugal, c. 1648), which are quoted by the majority of the authors who study the evolution of the Portuguese coast and its harbour characteristics. The complexity of the Atlantic environment makes it particularly difficult for one to recognise ancient port facilities and makes one reflect on the concept of harbour space. One must first identify the relationship between harbour typology - recognized since Antiquity - and possible corresponding archaeological vestiges. In fact, these vestiges are not always materialised in specific harbour equipment. Early mariners certainly understood the necessity of waiting for high tide before incoming on estuaries. These mooring places, naturally sheltered by high cliffs, are still today’s deep and safe mooring sites while waiting to enter an estuary (Blot 2010, 84). Besides nautical artifacts such as lead anchor stocks, evidence from Portuguese waters included Muslim imported and exported products also found in archaeological excavations on the seaboards and on land. Some of the cities are Lisbon on the Tagus river, Alcácer do Sal on the Sado river, Silves on the Arade river, Tavira on the Ria Formosa and Mértola, on the Guadiana river. Those provide important information regarding the capacity of overseas transport and regarding social, economic, and cultural factors relating to marine activity. The Islamic evidences of maritime activities are used to compensate the lack of archaeological findings and the impossibility of comparison with the current ethnographic evidences, which express the continuity of ancient practices and use of the same sites. The ports, areas of trade and cultural exchanges, in the post-Lusitanian period, would be the sites in particular to contact with naval technology information, opening the way for its materialization and diffusion in shipyards, mooring places or arsenals. Regarding medieval Islamic times, especially concerning traces of maritime nature, we must distance ourselves from outdated readings that see the naval archeology as a limited source of knowledge as it is deprived of its object of study: the ship I (Barata 1996). To counter this idea, at least partially, we considered the studies that have contributed to the overcoming of these limitations, which were also attributed to the Roman period. From the present sources of the Islamic period, stand out especially works of nautical nature dedicated to the history and historiography (Picard 1997), such as collections of naval warfare, ship’s logs and detailed descriptions of the coastal dangers. Nevertheless there is a lack of references to trade and exchanges, this gap is bridged by the etymology of the places, whose names testify their Islamic origin and are the preamble for the caravel, transformed in to an institutional ship (Fonseca 2003) and to the future conquest of unknown seas. In the specific case of the identification of wrecks or vessels structures, the problem is compounded by the lack of attention that they have received. An example of this is the work of A. J Parker (1992), the focus on medieval shipwrecks is somehow vague and does not highlight any differences in Arab-Islamic boat structures. This study also presents limitations of the geographic space, considering predominantly the Mare Nostrum in detriment of the Atlantic. The lack of literature sources and archeological remains seems indicate a real decline of Muslim maritime policy. This has contributed for a simplistic view of Islamic and Roman naval history, where sea exploration was based on unplanned and adventurous navigations. that have contributed to the theory of an autonomous emergent 15 century Expansionism. This study covers the ports included in the area between the estuary olisipponense, on the banks of the Tagus river, which which defines the boundaries of Strabo’s Mesopotamia (Geography III, 2, 4) and the Guadiana river which allows access to the interior mines through Algarve. The numerous and fascinating testimonies of geographers and contemporary chronicles of the kingdoms of Gharb narrate a reality that opposes the one established in the mid-13th century. Some documents, such as Forais II and Charters of the King of Portugal, can be related to a geomorphological moment of accentuated siltation process, which may be related to the massive deforestation implemented by Dom Dinis’s agricultural policy. Since, the so-called Christian Reconquest, the port entities suffered restrictions of a political and social nature, with the probable goal of limiting contacts with the North African Islamic coast. Besides this long-term problem, the administrative priority of the Portuguese Kingdom seems to have been the remodeling of coastal boundaries, manifested with a transfer of port competences from the main Islamic centers to the northcentral coastal cities, but keeping nautical characteristics and types of transport. At the moment of a national identity formation, the establishment of southern ports might have been a menace for an Islamic determination to control the seas but it was considered by Christians the only way to conquer hostile regions that still existed. Arabic language is also present in the harbour space, resulting from the presence of merchants and communication and interaction between the previous occupants of the south western and the new conquerors from the Portuguese dynasties’ territories. Muslims master carpenters have also admitted New-Christians as craftsmen at their service, consigning in this way, the secrets of the Moorish construction and contributing to the likely evolution from the qarib to the Caravela. From documentary data we have also developed an approach to the subject of vessel production. Knowledge of the existence of old vessels, shipyards and arsenals, is mainly due to the number of information obtained from written sources, since we know that the recoveries from underwater archaeology have been limited as a result of the complexity of methodologies and techniques. The parallel between the nautical archaeological remains (shipwrecks) and graphical representations of boats used in the documentary or iconographic sources is, therefore, still an open field for a number of different interpretations, often a starting point for the identification of a certain type of vessel. In 1892 H. Lopes de Mendonça pointed out, in reference to the art documentation, the overlooking of ancient documentation regarding navigation, especially paintings, sculptures and written sources. This fact does not invalidate them, but draws attention to the proper way of how to read and use these documents. An example of this exercise is exemplified by the ethnographic map of Duarte de Armas. The 115 folio of his work III clearly restores the physiognomy of a land on the river banks where, despite the geographical proximity to Galicia, one can recognize the same elements that can be found along other medieval coasts, including the Iberian Peninsula. The simplicity of this type of structure can still be seen today in many parts of Mediterranean and Atlantic coasts, pointing to a secular continuity in the naval context. To overcome the lack of objective evidences in the Portuguese territory, we use the example of Mallorca Bacini describing the longitudinal profiles of a similar set of boats, from which are obtained most of the information for reconstruction of the hypothetical qarib. Three models, the number 292, the number 19, from the San Michele degli Scalzi church in Pisa, and a third corresponding to the number 59 from San Pietro church in Grado, which date from the last quarter of the tenth century, all them in the Museo Nazionale di San Matteo, Pisa- Italia. The most obvious problems in interpreting the given examples lies in the hollow support of the plates, under a distorted representation that had to be adapted to the available forms. The 59 and the number 19 are particularly important for an initial graphic reconstruction. The sum of these ceramic elements with other data collected during our study raises etymological, structural and logistic inevitable questions, more specifically, the absence of remains (wooden boats), which have a negative impact on the work in progress. From these it is then possible to derive elements of the technique that are not always retainable by the naval archeology because of the fragility of some natural systems in which the site is formed. The parting oceans are, therefore, penalized, and to retrace the elements which are defined as qarib, common merchant vessels, it was taken in account the specific analyzes of contemporary wrecks (a list of them will be presented in the slideshow below) considering also the contacts that always existed between the extensive territorial margins of the common traits of the arabic language (that functioned then in the same way as the English language today). In fact, if the Muslim ships dominated the Mediterranean - with a sudden peak around the XI and XIII centuries - it would not be correct to think of all these sailors as being attentive scholars concerned with an accurate description of the precise points on the nautical charts and the correspondences between the stars. These charts served, in fact, as a reminder of the distances between the various places of orientation in relation to the coastline and entrance points in the ports. Similarly we do not have details on the type of construction techniques, instead we derive the components from the iconography and representations of the time, compared with the subsequent artistic legacies. As we know, in the arrival at the Islamic period, there must be a reference to the number of ceramic basins found in the Western Mediterranean, the contact with the Byzantine world and to the most fortunate archaeological findings and even to the lexical continuity in the caravel that probably sailed the seas as far as India in 1509, alternating with the length of the warships. In order to better deal with the inherent shortcomings, we have the intervention, with a contextualization on the medieval period, of numerous types of support. Ataifores and bacini, open ceramic forms, miniatures obtained from archival and library materials - with several references to ships bearing only one master, latin sails and axial rudders representations. One more consideration, comparing the examples of Graffiti from the Islamic site of Mértola, Garb al-Andalus. The housing complex near the banks of river port from which it comes the graphite under study, with a chronological frame of the XII century, bears similarities with those of Medina, but is closely linked to the port context of the site. The graffiti were preserved due to the fact that the stone has been laid with the decorated face in reverse. In one of the sets, three registers are noted. Two lines resembling Arabic calligraphy appear at the top and it is impossible to decode its meaning. A boat appears immediately below this line with a mast fitted with a square sail but collected at the bottom (Graphite A). The only part of the vessel that was drawn emerges from the water with the stern and the bow rather raised. We can clearly notice, in the stern, two large oars, rudder to steer the boat would also be driven by 9 oars. Other incised lines, imprecise and blurred, certainly from an earlier draft, interfere with the design making it difficult to define it. This hypothetical previous design bears a glimpse, a slight one, of the bow of another boat. In another place of the same stone, a third boat is noticable, better designed than the previous ones (Graphite B). It is also a vessel of one mast and square sail collected at the bottom, with two paddle-wheel. This example includes ten paddles and has only been drawn the emerging part of the hull with bow and stern curved towards the interior of the vessel. The incisions in graffiti show, moreover, a certain familiarity with the boats and their maneuvers, revealing knowledge in skillful ship driving and crews forced into long periods of inactivity. The graphic treatment chart thus shows its "sailor" origins, justifying the graphite greatest asset as a historical document, the fact that it was the contemporary view of the author and of his own free expression motivated, probably, by a personal drive. The graffiti may therefore present a thin conformation that immediately leads us to interpret it as being possible representation of the saette, rapid changes of the galleys. The saetta or sagitta, a kind of chase/hunting ship, gets its momentum through extremely long oars. It is for this reason capable of achieving high speeds and is suitable for surprise incursions. We conclude that the unifying element of the research lies on the continuous use of the aquatic areas. The urban centers and developed areas of the coast are the essential starting point for an interdisciplinary approach in the seaboard analysis, studied from the standpoint of geographical, geomorphological and anthropogenic evolution. The literary and iconographic historical sources reflected technical developments over the centuries, hypothetical signs of interaction with the material components unexplored. The inconsistent boundaries of the Algarve’s territory, at the end of the Islamic domination, and the evident linguistic assimilation that occurs in the most populated areas, both in the Atlantic and in the Mediterranean, correspond to the simultaneously use of techniques and places with the Christian lords in the thirteenth century. Is from this coexistence that arises the expansionist desire of the sixteenth century. In the present knowledge of Garb al-Andalus the archaeological evidence of arsenals and shipyards is insufficient, despite the clear functional importance of these areas and their logistics and etymological continuity. The main limitation of our research is actually the main reason why it is performed: the ephemeral character of the wood and the hypothetical possibility of analysis still keeping the hope of rebuilding the ancient maritime activities, confirming the writings reported by medieval Muslim authors. In the words of Professor Vasco Gil Mantas “Most cities that performed important sea port functions during the Roman dominion continued to perform such functions until today” (Mantas 2002-2003, 466), and lasting throughout the Arab period.
O presente estudo surge na tentativa de organizar os inúmeros testemunhos existentes sobre o mundo islâmico peninsular e registar as fases evolutivas da vocação marítima e naval portuguesa. A pesquisa é norteada pela continuidade e evolução dos diversos elementos salientando-se a importância dos espaços portuários. Trata-se, especificamente, de referir as várias facetas dos portos, tanto lugar de partida comercial, quanto cultural. Uma das questões a salientar é, desde logo, a informação tecnológica que se troca nos estaleiros e nos arsenais, locais de construção dos barcos. A escolha da definição Arqueologia do Meio Aquático explica-se pela dificuldade de inserir a enorme quantidade de dados que se podem extrair, nas clássicas designações de Arqueologia Subaquática, Naval, Marítima ou Submersa. Trata- -se, portanto, de uma abordagem interdisciplinar, onde se destaca a interação com a linha de costa, seja esta marítima ou fluvial, e todos as razões que motivam a sua utilização. Entre estas encontra se a geografia física dos lugares, a evolução geomorfológica dos mesmos, a interação com o ambiente urbano e a interdependência dos dois espaços. A principal dificuldade da pesquisa reside no duplo silêncio com o qual lidamos ao falar do período medieval islâmico, em particular da vertente marítima, e a usual perceção arqueológica sintetizada na afirmação de Barata: “O arqueólogo naval está sempre em situação de notável inferioridade em relação aos seus colegas dos outros ramos da arqueologia, pois falta-lhe o próprio objeto dos seus estudos: o navio” (Barata, 1996, vol.I:15). Contrariando, em parte, este pressuposto, considerar-se-ão vários trabalhos levados a cabo desde o reconhecimento da disciplina. Em território português não faltam estudos sobre o estado da navegação ao longo dos primeiros períodos de ocupação, chegando-nos informação sobre a presença marítima de fenício-púnicos, bem como dos contactos por via marítima do mundo Lusitano com a Bretanha, pois inserida na costa atlântica, preserva características típicas mediterrâneas. (Arruda e Vilaça 2006, 31; Ribeiro 1986, 39). A lacuna nasce no período medieval islâmico, para o qual se direcionam obras de carácter histórico e historiográfico (Picard, 1997) e compilações de ações marítimas bélicas, dando-nos uma visão dos tráficos e dos contactos, baseados na etimologia e interpretação literária da época. Posteriormente passa-se diretamente ao período da Conquista além Oceano e da Caravela (Quirino da Fonseca, 2003). O problema do silêncio ou simples falta de informação pode, portanto, considerar-se o resultado de dois fatores principais. Em primeiro lugar o facto da arqueologia aquática lidar com dificuldades intrínsecas relacionadas com o próprio meio onde se desenvolve - sem ser forçadamente o Oceano aberto – zonas assoreadas, antigas lagoas, rias, estuários e a tudo o que concerne à evolução das orlas aquáticas, nas quais o material de proveniência antrópica, em prevalência a madeira - material perecível – se altera de acordo com as condições do sítio. No caso das embarcações (naufrágios), o problema é agravado pela falta de atenção concedida, tal como se refere no basilar estudo de A. J. Parker (1992). Este não pondera muitos naufrágios medievais, muito menos diferencia os islâmicos e ainda limita geograficamente os elementos da área atlântica em estudo. É como se a ausência bibliográfica e dos vestígios, ou da interpretação destes, pretendesse indicar uma constante decadência da política talassocrática islâmica. Desta forma é mantida uma visão simplicista da história naval romana, na qual não se admitiam navegações atlânticas, se não de modo casual e aventureiro, deixando surgir quase autonomamente a propulsão do Expansionismo. Seguiremos portanto o pensamento segundo o qual a urbanização do mundo árabe-hispânico se desenvolveu analogamente com a construção das realidades portuárias estabelecendo o mutável confim das evoluções de carácter antrópico e geomorfológico. Além do estudo de técnicas e práticas arqueológicas, terrestres e aquáticas, utiliza-se a análise comparada de: fontes literárias; geógrafos – viajantes da época -; cartografia dos circuitos portuários com indicações relativas a navegabilidade; leitura dos elementos iconográficos inseridas nas cerâmicas coevas; evolução etimológica dos termos e continuidade de ocupação dos lugares. Noutras palavras, todos aqueles fatores da ciência que auxiliem o estudo da interação do Homem com o espaço aquático envolvente (Blot 2003)., na base do sistema da Antiguidade, sempre presente. Tendo como base as indicações do rico corpus geográfico árabe medieval, pode-se demarcar os limites da estraboniana “Mesopotâmia” (Geografia III, 2, 4) delimitada pelo rio Tejo e o seu vale, com a problemática e constante evolução do estuário olisiponense, e o rio Guadiana e seus afluentes em direção às ricas minas do hinterland, já desfrutadas no período romano. O momento cronológico entre a chegada Omíada, no princípio do século VIII, e a Conquista Cristã em meados do século XIII, cobre inteiramente o tempo de presença Islâmica da região sul de Portugal. O recurso às informações disponíveis levanta questões relativas à localização dos portos mencionados e à logística dos estaleiros – os arsenais - de que tanto falam os escritores. Em princípio, o conceito de cidade fluvio-marítima ou marítimo-costeira (Blot, 2003) ajuda na delimitação de secções regionais caracterizadas por favoráveis similitudes físicas e muito celebradas literariamente, como a localização de centros que dominem alturas ou enseadas, zonas estuarinas ou ribeirinhas. O rio Guadiana, o Sotavento onde se localizam as Ilhas Barreiras, o Barlavento algarvio, o rio Sado e o vale fluvial do Tejo são recursos hídricos funcionais que comprovam a existência do um Sistema de Intercambio Marítimo, nos quais escolheu se de analisar com maior cuidado as cidades de Lisboa, Alcácer do Sal, Silves, Tavire e Mértola. A Ibéria Ocidental da Andalusia Alem e Aquem Mar, move-se em direção a Meca e ao cruzar o estreito de Gibel Tariq, passa por portos e mercados, deixando e trazendo algo, favorecendo assim uma forma muito comum de troca de produtos (casual). Tão incontáveis quanto encantadores, os testemunhos dos geógrafos e letrados das alcaçarias do Garb narram uma realidade em contraposição com a dos testemunhos de meados do séc. XIII. A partir da Reconquista Cristã as entidades portuárias sofrem restrições político-sociais, presumivelmente com o objetivo de limitar os contactos com a restante orla islâmica do Norte de África. Existem alguns Forais e Cartas do Reino de Portugal dos quais se podem deduzir informações ligadas a um momento geomorfológico de acentuado assoreamento, altura em que a prioridade é administrar as orlas aquáticas, evidenciando um afastamento dos centros fulcrais do islamismo e transferindo as competências portuárias ou aumentando-as, como é no caso de Lisboa. Há, claramente, uma intenção em aumentar as competências das cidades do litoral centro setentrional, do recém-formado Portugal, e manter sempre viva a preferência marítima na tipologia de comércio. Tal resulta, em grande parte, da ameaça constante sobre o transporte de mercadorias por via terrestre. Neste contexto os portos, portas do Sul, podem vir a ser uma ameaça de retorno islâmico e o controlo do elemento aquático representa o único meio de lidar com as regiões hostis. Ao mesmo tempo é no espaço portuário, com o árabe como língua franca dos mercadores, que teria acontecido a passagem terminológica e tecnológica causada pelo contacto constituído entre os antigos ocupantes do sudoeste peninsular e os novos, ou renovados, conquistadores. Aqui os mestres de machado muçulmanos teriam admitido no próprio serviço artesãos, novos cristãos, sem interromper as atividades produtivas, entregando assim os segredos da construção moura e da provável evolução do qarib em cárabo. Contudo, torna-se mais complexo, difícil efetuar uma comparação entre os vestígios de um naufrágio e a reconstituição gráfica das embarcações utilizadas, através de documentos escritos ou iconográficos. Isto não invalida, porém, que seja dada atenção à leitura dos documentos e à utilização dos mesmos. A tentativa de reconstrução das docas é, por exemplo, uma das tarefas mais delicadas a enfrentar pois, tudo isto, excluindo os grandes arsenais, acontece desde sempre e sem distinções geográficas em espaços relativamente reduzidos, tal como no período islâmico no Garb al-Andalus. O fabrico de embarcações de menor calado, comerciais ou de pesca, deveria ser bastante comum e ocorrer na adjacência de vias fluviais e marítimas, em contacto com regiões fornecedoras dos materiais para a sua construção. Também neste domínio as fontes árabes nos auxiliam. É muito provável que a madeira da região de Alcácer servisse para a carpintaria náutica de todo o Baixo Sado, contrariamente a Lisboa, sobre a qual faltam relatos significativos em termos de construção naval. Desta forma se explicaria o grau de importância alcança do pela cidade em momento posterior aos próprios testemunhos, pois copiosas são as representações desde o século XV, que não afastam qualquer dúvida em relação aos arsenais de maiores dimensões e consequente reformulação destes amplos espaços. Referindo-nos aos estaleiros, considera-se válida a representação gráfica de Duarte de Armas. Na folha 115 é claramente restituída a fisionomia de um terreiro nas margens fluviais, ou estuarinas, no qual, não obstante a proximidade geográfica com a Galiza, se reconhecem os mesmos elementos presentes ao longo da costa ibérica no período medieval. A simplicidade deste tipo de estruturas é ainda hoje visível em muitos estaleiros do Mediterrâneo e costa Atlântica, sublinhando permanências seculares no âmbito naval. A embarcação, provável caravela, é representada num lugar de fácil acesso à água. Facilmente identificáveis, os elementos comuns aos estaleiros podem ser igualmente reconhecidos nos testemunhos fotográficos dos lugares de fabrico das atuais embarcações em madeira do Mediterrâneo Oriental. Pelo contrário os arsenais desenvolvem as suas atividades em espaços maiores, tal como é visível nas ilustrações parciais de Lisboa do século XV e XVI. Na “Panorâmica de Lisboa nos fins do séc. XV” dois cais em madeira são coroados por embarcações de calado reduzido, fundeadas de maneira a sugerir uma gradual diminuição do terreno, verosimilmente num lugar de entrada nas águas. Da mesma importância visiva as restituições geográficas de Cortesão e Mota (1987) ou Pedro Teixeira (Descripción de España y de las costas y puertos de sus reinos, Atlas de Viena, c. 1634) and João Teixeira (Descrição dos Portos Marítimos do Reino de Portugal, c. 1648) explicam a enfase da realização gráfica. A “Vista de Lisboa” da ópera de Gregorio Braunio oferece-nos um pormenorizado panorama de dois arsenais unidos por um amplo espaço a delimitar um recinto onde se observam dois desembarcadouros e os edifícios adjacentes que o constituem. O nível da água permite fundear barcos de moderada tonelagem. Numa última observação de carácter etimológico devem ser considerados os termos qarib e cárabo, derivações de karábios, e consecutiva subdivisão em cárabo e caravela. Algumas hipóteses sugerem que a palavra caravela é um diminutivo de cárabo, na continuidade, já mencionada. A preparação deste tipo de embarcação devia responder a precisos requisitos técnicos para navegar tanto em alto mar quanto em águas fluviais, velejando perto das costas, ao entrar e sair de enseadas e estuários. É nas iconografias dos Bacini maiorquinos que se consegue a maioria das informações sobre uma hipotética reconstrução do dito qarib. Dois dos exemplares: o número 292, do final do século XI princípio séc. XII e o número 19, do último quarto do séc. X, princípio do século XI, são provenientes da Chiesa di San Michele degli Scalzi, Pisa – Itália, um terceiro, sem numeração, da Chiesa di San Pietro em Grado – Itália. Este último e o Bacino 19 de Pisa são particularmente importantes na reconstituição gráfica, junto com o ataifor A260 de Dénia. A proa dos três prováveis qarib é fortemente arredondada, e uma sillouette parecida com um machado, o motivo estilístico de um reticulado estreito parecido com as sucessivas formas da caravela do século XV. Na definição do sistema de direção do barco, o governalho é mais identificável com uma dupla pá lateral, também utilizado e muito atestado na marinharia antiga, tal como no Bacino número 292 em que um indivíduo mantém o dito governalho que sai do castelo de popa. Comparando os negativos deste com os dos outros dois Bacini em questão, nota-se a falta do elemento em referido sugerindo a utilização de um leme axial, identificável no traço pouco desenvolvido na popa dos mesmos. A hipótese da contemporaneidade dos dois sistemas de direção do qarib pode ser avaliada com base no maior calado dos últimos dois em relação ao primeiro, que iconograficamente apresenta componentes mais mediterrânicas; a feição do barco no Bacino 19, do casco maior deste, poder corresponder sumariamente à da primeira representação de caravela que se conhece, a do Mestre João de Lião de 1488 é assim dito excessivo, mas uma análise das características poderá levar a formular no leitor a perceção qual o escrito quer levar. Em termos de leitura da produção, o Bacino número 292 de Pisa apresenta uma visão da embarcação por raios X, podendo-se ler no registo inferior do casco – que monstra linhas curvas e paralelas – um desenho do corso das bandas numa assemblagem por clinker, ou seja sobreposto, contrariamente à aparente assemblagem a paro dos outros dois Bacini22. O cabo de banda destes últimos é delimitado por um traço espesso, mais claro na coloração, provavelmente considerado como cinta colocada com a finalidade de reforçar o costado da proa onde se levanta o castelo. Para a identificação do velame do qarib podem ser analisadas nas cerâmicas dos três Bacini os elementos relativos aos mastros, o cordame e a feição das próprias velas: estas variam em número e dimensão, mantendo similar o meio de fixação dos mastros. O Bacino número 292 apresenta um só mastro dado tratar-se, muito provavelmente, de embarcação de reduzidas dimensões23, de vela latina com forma triangular, aos quais os documentos entre os séculos XII e XIII atribuem o substantivo artimão. Evidente é a presença de cabos e amarras que juntam as velas até às bordas do casco, elementos utilizados particularmente nas manobras objetivando melhor desfrutar do vento. Plausivelmente, cabos e cordas fixos entre popa e proa, poderiam manter firme o mastro, em número de três nos dois Bacini policromos, estes aparentados com as caravelas do século XV, como a representada no prato maiorquino do 1428 (?). As duas cerâmicas maiores representam prováveis sulcos da coberta e duas altas estruturas possivelmente desenvolvidas no mais evidente castelo da caravela de 1488, com formas similares aos dois qarib maiorquinos. A união destas cerâmicas com outros dados reunidos ao longo do estudo, leva a esfera etimológica, como já mencionado, levantando perguntas de caracter estruturais, pois a falta, ou menor presencia, de achados em madeira, tem um impacte negativo. O sítio é principalmente a causa da falta de achados, pois o sistema natural encontra a fragilidade do material perecível. O dito qarib, barco comum de comércio, pode ter auxilio na presença de naufrágios em lugares que possam ter tido contacto com a zona do Garb e os comércios nos quais a região encontrava se envolvida, também graça ao árabe língua franca. Por isso, a marinaria islâmica, em particular entre os Séculos X e XII, deteve quase o domínio. Não se pense que os ditos marinheiros possam ter estudados técnicas exatas para calcular o ponto nos mapas, mas sim lido as cartas para lembrar as distâncias e orientar se da melhor forma, entre um porto e o outro. Também faltam indicações claras relativas a construção técnica, que como dito podemos recuperar na comparação dos elementos documentais. Como sabemos, os primeiros tempos da chegada islâmica devem lidar com a quase talassocrática presença bizantina, mantendo sempre viva esta componente, ajudando na escolha de outros rumos, mantidos sob o perfil linguístico, que nos levam até a caravela do índico do séc. XVI. Em relação a mais um componente documental ligado a náutica islâmica do Garb, intervém uma laje em xisto com duas embarcações incisas, do século XII, encontrada na zona da ribeira de Mértola. Os dois-três desenhos estavam bem preservados por baixo da porta de entrada da casa. Um traço é uma escrita não decifrável, os restantes são evidentemente duas embarcações (A e B). Logo evidencia se a presença de nove homens com remos. Os dois são barcos com um só mastro, de forma alongada, com rodas de popa e proa muito altas. O desenho indica uma provável familiaridade com o elemento náutico, como se isso fosse o momento criativo de um marinheiro ou melhor carpinteiro. A formulação de uma hipótese leva a considerar os graffiti uma provável saette ou sagitta, embarcação rápida para ataque a surpresa. Para concluir, são muitos os elementos que analisados singularmente aparecem de difícil leitura, pois somente uma abordagem interdisciplinar possibilita uma chave de interpretação e análise histórico-arqueológica. Os centros urbanos e o desenvolvimento destes, também necessitam da mesma abordagem. A abundância do território do Algarve, até os últimos anos da sua presença, mantem rastos culturais muito caracterizantes, na coexistência de sentimentos que lavarão ao Expansionismo do século XVI. Embora as recentes descobertas lisboetas, o nível de informação ligado aos lugares de construção e achados náuticos, continuam sendo implementáveis, assim para poder confirmar os amplos relatos dos autores literatos islâmicos. Nas palavras do Professor Vasco Gil Mantas, a maioria das cidades que desenvolviam um papel marítimo importante no período de dominação romana, continuam a manter as suas funções até hoje (Mantas 2002-2003, 466), ou pelo menos ao longo do período islâmico.
Description: Tese de doutoramento em Letras, na área de História, na especialidade de Arqueologia apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/23753
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Arqueologia - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Archeologia del Mezzo Acquatico.pdf9.21 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

178
checked on Dec 10, 2019

Download(s) 50

524
checked on Dec 10, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.