Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/1827
Title: Síntese e caracterização de ligas Fe-Cr-Sn clássicas e nanoestruturadas: estudo da transição de fase a-s
Authors: Costa, Maria Benilde Faria de Oliveira e 
Keywords: Física Experimental; Física
Issue Date: 22-Apr-1998
Abstract: Neste trabalho estudaram-se ligas Fe-Cr-Sn com conteúdo de Sn de 0 a 6 % at e de Cr em torno de 45 % at. Prepararam-se por fusão ligas policristalinas de tamanho de grão clássico (várias dezenas de µm) e por mecanosíntese ligas metaestáveis de tamanho de grão nanométrico (~ 10 nm). As ligas foram caracterizadas utilizando variadas técnicas tais como microscopias electrónicas de varrimento e transmissão, difracção de raios-X e de electrões, espectroscopia de MÖssbauer do 57Fe e do 119Sn, resistividade eléctrica e magnetização. Estudou-se igualmente a solubilidade do Sn no sistema Fe-Cr. A evolução morfológica e estrutural bem como a cinética da transformação alfa-sigma a 700C foram também seguidas. Verificou-se que em equilíbrio a solubilidade do Sn não é superior a 2 %at. A mecanosíntese permitiu extender as soluções sólidas Fe-Cr-Sn até 12 %at. As características estruturais destas ligas têm grande influência no comportamento magnético. A espectroscopia MÖssbauer do 119Sn revelou que os recozimentos a 700C nos dois tipos de ligas conduzem àformação de uma fase magnética, para além da fase sigma paramagnética. Essa fase é provavelmente um composto (Fe,Cr)3Sn2. A transformação alfa-sigma, nas ligas de tamanho de grão clássico, é retardada com o aumento do conteúdo de Sn. Com a elaboração de ligas por mecanosíntese, dois parâmetros são modificados; o tamanho de grão e o conteúdo do Sn em solução. Nestas ligas a precipitação da fase sigma é muito mais rápida do que nas ligas clássicas. Verifica-se também que a taxa de formação da fase sigma diminui com o aumento da concentração de Sn nas ligas. A cinética de transformação nos dois tipos de ligas segue a lei de Johnson-Mehl-Avrami-Kolmogorov com vários mecanismos de precipitação. Nas ligas nanocristalinas, uma vez que o Sn se encontra em solução e que a sua concentração é maior do que a que pode existir na fase sigma, o Sn rejeitado precipita ou forma compostos que impedem o crescimento dos grãos sigma. Assim, o papel do Sn nestas ligas não é extinguir locais de germinação da fase sigma, como é o caso nas ligas clássicas, mas limitar o seu crescimento.
Description: Tese de doutoramento em Física (Física Experimental) apresentada à Fac. de Ciências e Tecnologia da Univ. de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/1827
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FCTUC Física - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Ficheiro_temporario.pdf8.8 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

208
checked on Oct 14, 2019

Download(s)

10
checked on Oct 14, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.