Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10316/101144
Title: As bases farmacológicas dos cuidados farmacêuticos: o caso dos AINEs.
Authors: Castel-Branco, M. M. 
Santos, A.T.
Carvalho, R. M.
Caramona, M. M. 
Santiago, L. M.
Fernandez-Llimos, Fernando 
Figueiredo, Isabel V. 
Keywords: Idosos; Serviços farmacêuticos clínicos; Polimedicação; Interações medicamentosas; Anti-inflamatórios não esteroides (AINEs)
Issue Date: 2013
Serial title, monograph or event: Acta Farmacêutica Portuguesa
Volume: 2
Issue: 2
Abstract: A polimedicação aumenta o risco de reações adversas, interações e uso incorreto dos medicamentos. Nos idosos é bastante prevalente, potenciando ainda mais os problemas relacionados com os medicamentos, uma vez que estes também resultam das alterações fisiológicas e multimorbilidades do envelhecimento. Sabendo que os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) são fármacos muito usados pelos idosos, foram objetivos deste trabalho caracterizar potenciais interações entre AINEs prescritos e a restante medicação em idosos e criar uma lista de recomendações relacionadas com a monitorização destes doentes, de modo a evitar ou detetar precocemente tais interações. Análise retrospetiva dos dados referentes à medicação prescrita de uma amostra de idosos de uma Unidade de Cuidados de Saúde Primários (Centro de Saúde de Eiras, Coimbra, Portugal) presentes numa consulta médica entre 2 e 16 de janeiro de 2012. Foram revistos os regimes farmacoterapêuticos de 29 doentes a tomar pelo menos 1 AINE, cerca de 3 meses antes da recolha de dados, num total de 37 AINEs prescritos. Foram encontradas 123 interações moderadas e 2 minor. As principais interações ocorreram entre AINEs e diuréticos (17,6%), antagonistas dos recetores da angiotensina (14,4%), bloqueadores da entrada do cálcio (12,0%) e inibidores da enzima de conversão da angiotensina (8,8%). A prevalência de interações entre AINEs foi de 12,8%. Elaborou-se uma lista de recomendações para monitorização dos doentes quando não se podem evitar as ditas interações. Estas interações devem ser tidas em conta no momento da prescrição e cedência de AINEs, pois podem desencadear efeitos negativos tais como alterações renais e aumento da pressão arterial. O farmacêutico pode desenvolver um papel relevante em serviços como a revisão da medicação, para identificar estas interações potenciais, ou no acompanhamento farmacoterapêutico, na gestão destas situações quando devidamente identificadas. Salienta-se a importância da interação positiva com a Medicina Geral e Familiar para a segurança e a eficiência das terapêuticas.
URI: https://hdl.handle.net/10316/101144
Rights: openAccess
Appears in Collections:FFUC- Artigos em Revistas Nacionais

Files in This Item:
Show full item record

Page view(s)

67
checked on Feb 28, 2024

Download(s)

207
checked on Feb 28, 2024

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.